topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Por que Dilma? Imprimir E-mail
Escrito por Roberto Malvezzi   
Qui, 15 de Janeiro de 2009
Recomendar

 

Lula já decidiu que a candidata do PT, e aliados, à eleição presidencial de 2010 será Dilma Roussef. Antes essa escolha presidencial no PT parecia mais democrática, até porque Lula era um candidato natural. Hoje é monárquico. Porém, é de se perguntar: por que Dilma?

 

A explicação é que Dilma tem a mesma concepção de desenvolvimento, a mesma weltaunchaung – visão de mundo – que Lula. É um credo. É nesse sentido que se colocam todas as afirmações a seguir.

 

Sabemos que Lula padece de uma compreensão industrial de desenvolvimento. Muito mais que nordestino, Lula é o operário, "o peão que pensa em desenvolvimento e inclusão social", como costuma repetir Gilberto Carvalho, secretário pessoal do presidente. Ainda mais "numa lógica absolutamente capitalista", o que Gilberto não costuma acrescentar. Para confirmar, João Paulo Capobianco afirmou ao jornal Estado de S. Paulo que "Lula não tem visão ambiental estratégica" e que, "Dilma tem menos sensibilidade ambiental que José Dirceu".

 

Portanto, todos os paradoxos que enfrentamos com o governo Lula nesses seis anos agora acabam confirmados pela boca de pessoas ligadas diretamente ao governo. Um governo que realizou investimentos periféricos nas populações mais pobres, ganhou um apoio popular descomunal, mas favoreceu estruturalmente o agro e hidronegócios – financiando com dinheiro oficial, modificando leis em favor dos grileiros, facilitando o desmatamento, investindo na agenda da infra-estrutura do regime militar etc –, causando impactos terríveis no ambiente e nas comunidades tradicionais que dele dependem diretamente, como pescadores artesanais, quilombolas, índios e demais comunidades tradicionais.

 

Há um fator ainda mais grave que é o futuro, o aquecimento global, onde o Brasil entra como o quarto poluidor do planeta, resultado da emissão monumental de CO2 na atmosfera por conta da derrubada e queimada de florestas. A derrubada de nossas florestas participa com 75% das nossas emissões. Nossa queima de petróleo, em termos de aquecimento global, é irrelevante diante da derrubada das florestas. Portanto, se o Brasil quiser mesmo reduzir sua contribuição no aquecimento, com a conseqüente savanização da Amazônia, desertificação do semi-árido, enchentes no sul e sudeste, terá que propor a si mesmo o "desmatamento zero". Essa é a política chave do ambientalismo brasileiro.

 

"Dilma é a mãe do PAC", costuma dizer Lula. O PAC tem aspectos positivos, sobretudo em questões sociais, como o saneamento ambiental, no qual Fernando Henrique ficou quase dez anos sem investir um tostão por acordo com o Banco Mundial. Mas é só, daí para frente o PAC é a cara dos militares e de Delfim Netto, numa lógica irremediavelmente predadora. A visão de mundo de Dilma pertence a esse perfil. Não é a pessoa com a visão de mundo adequada para os atuais desafios brasileiros e mundiais.

 

Entretanto, temos que fazer a pergunta básica: há algum presidenciável com uma visão mais atualizada de mundo e desenvolvimento que ela? No tucanato e nos tais democratas nunca houve e nem haverá. O PV sucumbiu aos encantos do poder e desapareceu enquanto proposta sócio-ambiental. Aqueles que tentam conjugar justiça e equilíbrio ambiental estão absolutamente órfãos na política brasileira.

 

Roberto Malvezzi, o Gogó, é coordenador da CPT (Comissão Pastoral da Terra).

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates