Melhorar a Justiça, sobrevivência democrática

0
0
0
s2sdefault

 

Frei Leonardo Boff diz que os momentos de crise são a grande oportunidade para os avanços e a superação.

 

É assim que, neste momento de crise do Poder Judiciário, proponho dez medidas para aprimorar a Justiça.

 

1. Arejar os tribunais – Nada de sessões secretas, exceto para questões que envolvam a privacidade das pessoas. Nada de exigência de roupas e calçados para ingressar nos recintos judiciais. Nada de vedar o acesso da imprensa aos julgamentos. Que todas as decisões e votos, em todos os casos, sem exceção, sejam abertos e motivados.

 

2. Dar rapidez aos julgamentos – Sem sacrificar o "princípio do contraditório", é possível fazer com que a Justiça seja mais rápida. Que as partes em conflito aleguem e façam provas, como é certo, mas que se alterem as leis de modo que não se fraude a prestação jurisdicional através de recursos abusivos. Que se acabe com o recurso obrigatório nas decisões contra o Poder Público, pois isso é admitir que todos os procuradores de Estado sejam desonestos. Mesmo que a decisão seja injusta e incorreta deixariam de recorrer, por corrupção. O duplo grau de jurisdição nessas hipóteses contribui para sobrecarregar as pautas dos tribunais. Que se mudem também práticas que não estão nas leis mas estão nos hábitos e que entravam a Justiça, transformando-a numa traquitana, como disse Monteiro Lobato.

 

3. Humanizar a Justiça – A Justiça não lida com objetos, mas com pessoas, dramas humanos, dores. O contato das partes com o juiz é indispensável, principalmente nos casos das pessoas mais humildes que ficam aterrorizadas com a engrenagem da Justiça. Kafka desenhou com genialidade o sufocamento do ser humano pelas artimanhas do processo judicial. O apelo de ser escutado é um atributo inerente à condição humana. Tratar as partes com autoritarismo ou descortesia é uma brutalidade inaceitável.

 

4. Praticar a humildade – O que faz a Justiça ser respeitada não são as pompas, as reverências, as excelências, as togas, mas a retidão dos julgamentos. Na última morada, ser enterrado de toga não faz a mínima diferença. Neste momento final, a mais alta condecoração será a lágrima da viúva agradecendo, em silêncio, ao magistrado a Justiça que lhe foi feita. Por que não se muda a designação dos chamados Poderes para Serviços? Serviço Executivo, Serviço Legislativo e Serviço Judiciário. São mesmo serviços, devem ser entendidos como serviços a que o povo tem direito.

 

5. Democratizar a eleição dos presidentes dos tribunais – Todos os magistrados, mesmo os de primeiro grau, devem poder votar. Um magistrado de primeiro grau pode ser eleito para dirigir a corte, regressando a seu lugar ao completar o mandato. Um presidente de tribunal não é apenas aquela pessoa que preside às sessões, mas é alguém que exerce a presidência de um órgão do Poder. A eleição do presidente, restrita aos pares, contraria o princípio democrático.

 

6. Alterar o sistema de vitalicidade – O magistrado não se tornaria vitalício depois de dois anos de exercício, mas através três etapas: dois anos, cinco anos e sete anos. A cada etapa haveria a apreciação de sua conduta e aí com a participação de representantes da sociedade civil, porque não seria apenas o julgamento técnico (como nos concursos de ingresso), mas o julgamento ético (exame amplo do procedimento do juiz).

 

7. Combater o familismo – Nada de penca de parentes na Justiça. Concursos honestos para ingresso na magistratura e também para os cargos administrativos. Neste ponto a Constituição de 1988 regrediu em comparação à Constituição de 1946. A Constituição de 1946 proibia que parentes tivessem assento num mesmo tribunal. A Constituição de 1988 proíbe parentes apenas na mesma turma. Se o tribunal tiver cinco turmas será possível que cinco parentes façam parte de um mesmo tribunal, desde que um parente em cada turma.

 

8. Aumentar a idade mínima para ser juiz – O cargo exige experiência de vida, não demanda apenas conhecimentos técnicos.

 

9. Fazer da Justiça uma instituição impoluta – É inadmissível a corrupção dentro da Justiça. Um magistrado corrupto supera, em indignidade moral, o mais sórdido bandido.

 

10. O povo pressionar para que as mudanças ocorram – Ainda que haja, como realmente há, muitos magistrados que desejam a purificação das instituições judiciárias, estes não terão força para efetuar mudanças profundas sem o apoio e a pressão da opinião pública.

 

João Baptista Herkenhoff é livre-docente da Universidade Federal do Espírito Santo, professor visitante de diversas universidades e escritor.

 

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #1 Justiçaaparecida eneide pereira 03-01-2011 17:51
nunca li seus livros(não por falta de interesse, mas por falta de dinheiro.Mas o que gostaria de resaltar é o que acabei de ler acima, nunca li uma informação tão abrangente como essa sobre JUSTIÇA e democracia, pena que poucas pessoas levam a serio esse seu belissímo trabalho de esclarecer com palavras simples e esclarecedora sobre as mudanças que nosso pais necessita urgentemente de mudanças, e logo, pois estamos na era do gelo em termos de Justiça, quero deixar claro, que as Leis são ótimas, mas a Justiça é invisivel neste Pais, Parabens. desculpe tomar seu tempo, mas não confio na Justiça do Brasil, pois as provas estão nos noticiarios para provar.Parabens, ainda bem que o senhor não é uma juiz, e sim um estudioso maravilhoso. obrigado por ainda poder acreditar que tem gente como o senhor neste Brasil.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados