O Natal dos Cristãos

0
0
0
s2sdefault

 

O irmão - e bispo - Casaldáliga gosta de contar uma história. No fundo, uma teologia popular. Diz que, conversando com um morador das beiras do Araguaia, o homem afirmou: "Deus é um homem bom".

 

Não me recordo que algum teólogo acadêmico já tenha feito essa declaração. Nem mesmo o magistério da Igreja. Entretanto, esse teólogo popular entendeu o que significa o Natal para os cristãos. É Deus se fazendo ser humano. Jesus é "verdadeiramente Deus e homem", diz o credo católico. Jesus é Deus e o homem bom.

 

No Natal, Deus nos mostra sua cara, num menino. O mistério da encarnação e da epifania de Jesus é para mim maior que o da própria ressurreição. Afinal, é da natureza de Deus não morrer. Mas, se morre, é da lógica "retomar sua vida". Entretanto, Deus mergulhar na condição humana é absolutamente absurdo. Só mesmo aquele que tudo criou, que gostou do que criou, num gesto infinito de amor, poderia amar o que criou de tal modo que tenha decidido fazer-se também criatura.

 

E não foi por um momento, foi para toda a eternidade. Jesus é o encontro supremo do Criador com suas criaturas, de forma definitiva, consolidando todo projeto de Deus que começou a ser implantado há 15 bilhões de anos quando o Universo foi criado. Só falta a plenificação, o pleroma, como dizia Teilhard de Chardin. No coração de Deus já estávamos desde toda a eternidade. O que Deus fazia antes? Santo Agostinho respondeu: nada.

 

No dia de Natal, D. Hélder Câmara pegava o ônibus, ia para uma favela, visitava as famílias e depois celebrava com a comunidade. Ao final, retornava para sua humilde casa nas periferias de Recife.

 

Roberto Malvezzi, o Gogó, é coordenador da CPT – Comissão Pastoral da Terra.

 

{moscomment}

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados