topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
A marola que virou onda: os primeiros efeitos da crise econômica no Brasil Imprimir E-mail
Escrito por Willian Luiz da Conceição e Hernandez Vivan   
Sexta, 12 de Dezembro de 2008
Recomendar

 

O capitalismo em todo momento histórico carrega consigo uma série de contradições em relação ao seu processo produtivo, entre ele e a relação de superprodução e o antagonismo entre trabalho assalariado e o próprio capital. Essas contradições são evidenciadas historicamente através principalmente de crises e guerras, como a crise deflagrada de 1815 a 1825 (primeira grande crise do capital comercial), a depressão de 1929, seguida pela segunda Guerra Mundial, Guerra Fria, crise do petróleo etc. Crises e guerras evidenciam um processo de necessidade de expansão, mas principalmente de degeneração do sistema de exploração capitalista e de suas diversas políticas para tentativa de sua sustentação, no caso atual, das políticas neoliberais.

 

Depois de meses constatamos diversas recessões, concordatas, quebras de empresas, desemprego generalizado, greves e ocupações de fábricas pelos trabalhadores, concordatas de financeiras e bancos em diversos países do mundo, como a American Home Mortgage (AHM), uma das 10 maiores empresas do setor de crédito imobiliário e hipotecas dos EUA, representando a falência das políticas financeiras baseadas na especulação financeira. Na Europa as demissões chegam a 10 mil por dia e o Canadá perdeu 70.600 postos de trabalho em novembro, devido ao corte de funcionários no setor manufatureiro, demonstrando o que o velho Marx já afirmava em diversos textos: o capital "senhor ao mesmo tempo elegante e bárbaro, arrasta consigo para a cova os cadáveres dos seus escravos, numa verdadeira hecatombe de operários que naufragam nas crises".

 

Quem desacreditava e apostava que a crise mundial, de alguma forma milagrosa e inexplicável, não chegaria ao Brasil, mesmo o país estando incluso na economia global, fato absolutamente óbvio, parece que perdeu a aposta. A onda gigante parece inundar a costa, o território brasileiro e o latino-americano. A onda "imprevisível" da crise fez cair as vendas de diversos setores que tinham registrado aumento nos últimos anos, como as indústrias automotivas que registraram cerca de 25% de queda. A Companhia Vale, a maior empresa brasileira do ramo da mineração, anunciou a demissão de 1.300 funcionários e 5.500 outros são obrigados a aderir a férias coletivas. A ArcerlorMittal anunciou que pretende demitir até 9.000 empregados no mundo, inclusive no país. A Whirpool já declarou a intenção de demitir nos próximos meses, assim como a GM e outras grandes empresas transnacionais.

 

A saída para a crise não é apontada por economistas. O que é sugerido nesse momento nada mais é do que medidas paliativas dos governos – e o governo Lula não é exceção – para investir dinheiro público no mercado a fim de assegurar o crédito, a compra de bancos e financeiras privadas como a BV Financeira. Solução que prolonga em curto prazo a situação brasileira, mas que a médio e longo ameaça a todos os brasileiros e os serviços públicos. Pois quem já se fez a pergunta de onde está saindo este dinheiro?

 

Vale ressaltar que há um complemento da crise do ponto vista teórico. A intelectualidade pós-moderna e pós-crítica está perplexa com a volta daquela que na verdade nunca saiu de cena: a luta de classes. A produção reclama a sua presença nas formas mais ideológicas e falsificadoras do real. É impossível deixar de considerar a força das idéias de relações econômicas, capital, modo de produção e luta de classes, conceitos que foram durante muito tempo julgados como apenas um instrumental teórico empoeirado e superado. As condições materiais que engendraram os pensamentos críticos dos séculos passados não foram superadas praticamente, de modo que toda tentativa de superar esses pensamentos teoricamente redundariam em fracasso. O pensamento neoliberal, ao contrário, já deu mostras mais que suficientes da sua falência, seja em gerir o próprio capital, seja na superação das mazelas da sociedade.

 

Tendo em vista a difícil condição de apontar uma saída para a crise, ao menos é possível traçar algumas estratégias que começam a ser utilizadas pelos trabalhadores. Na Grécia, manifestações de rua e greves tomam conta do país; em Chicago, trabalhadores ocuparam a fábrica Republic Windows and Doors, dado o não pagamento das indenizações de demissão em razão da negação de crédito por parte do Bank of América, resultado direto da crise. Temos que considerar que essa é a primeira grande crise na qual não há no horizonte uma alternativa socialista consolidada. A princípio, embora pareça extremamente negativo esse fato, a inexistência de uma União Soviética ou um modelo que o valha impulsiona a criatividade dos trabalhadores a não permanecerem fixados a uma fórmula de socialismo burocrático que não deixa saudades. O juízo dos mortos pára de atormentar a consciência dos vivos.

 

O controle da produção pelos trabalhadores, a democracia operária, a autogestão da vida pública como um todo, rumando no sentido da superação do capital, parece a tarefa central posta por essa conjuntura de crise. Do contrário, a barbárie estará próxima em suas mais variadas formas, da criminalização da pobreza até o fascismo.

 

Willian Luiz da Conceição é analista Político; Hernandez Vivan é estudante de Filosofia da Universidade Federal do Paraná.

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates