topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Por que só o Petróleo? Imprimir E-mail
Escrito por Roberto Malvezzi   
Terça, 09 de Dezembro de 2008
Recomendar

 

Por que só o petróleo é nosso? Talvez porque a Petrobrás seja uma empresa gigantesca, em grande parte transnacionalizada, embora tenha nascido como fruto da luta da esquerda brasileira nos anos 50. Hoje, em eventos internacionais, sobretudo de representantes latinos e africanos, tantas vezes temos que ouvir denúncias graves contra o imperialismo da Petrobrás em seus países. Quando falo "nosso", falo do povo brasileiro, não do capital privado, seja nacional, seja transnacionalizado.

 

A água também é nossa. Entretanto, está sendo entregue às empresas privadas nacionais e internacionais em várias dimensões. Seja na outorga de grandes volumes para as geradoras de energia, seja na privatização de serviços públicos de água, seja na criação de mercados de água, como é o caso em implementação na gestão da transposição do São Francisco. Pela primeira vez, empresas terão uso exclusivo em determinadas faixas dos espelhos de água, tanto nos mares como nas águas interiores. Pescadores artesanais que transitavam livres sobre o espaço aquático, agora já encontrarão áreas "privadas" nos espelhos de água brasileiros.

 

As florestas são nossas. Mas podem não ser mais, com a lei que concede florestas para explorações privadas, com a redução da Amazônia Legal. Junto com ela vai a megadiversidade brasileira, sem que sequer saibamos seu potencial e mesmo seu valor econômico.

 

Os ventos são nossos. O potencial eólico brasileiro para geração de energia é dez vezes o de Itaipu. Concentra-se, sobretudo, no Nordeste. Entretanto, quando poderia e deveria surgir uma espécie de CHESF EÓLICA, o capital privado vai formando seus parques eólicos, sem nenhum retorno para as comunidades locais.

 

Os minerais são nossos. Entretanto, a Vale foi entregue a preço "de minério de ferro" – talvez uma tonelada compre uma dúzia de banana – e agora assistimos a invasão de mineradoras sobre todo território nacional, na firme intenção de transformar a topografia brasileira numa imensa cratera lunar.

 

Os solos são nossos. Mas empresas estrangeiras vão tomando conta do Cerrado, da Amazônia, como se estivessem no quintal de casa. Não faltam propostas para reduzir as áreas de fronteiras e entregá-las para as transnacionais das monoculturas.

 

Todas essas concessões generosas estão acontecendo no atual governo. Respeito o "respeito" que os movimentos sociais têm pelo atual governo e seu presidente, mas, francamente, está na hora de dar um passo à frente.

 

Roberto Malvezzi, o Gogó, é coordenador da CPT – Comissão Pastoral da Terra.

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates