topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Sep   October 2016   Nov
SMTWTFS
   1
  2  3  4  5  6  7  8
  9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Ibsen às avessas Imprimir E-mail
Escrito por Maria Clara Lucchetti Bingemer   
Terça, 02 de Dezembro de 2008
Recomendar

 

Saindo de um belo evento sobre gênero e libertação da mulher, a partir da famosa peça de teatro do norueguês Henrik Ibsen, "Casa de bonecas", deparo-me com chocante notícia no jornal. Uma mulher revela ter sido violentada repetidas vezes por um estranho que entrava cada noite em sua casa, aproveitando-se do fato de morar sozinha com os filhos. Com medo de ser morta, com medo de que os filhos acordassem e sofressem violência, ela nada dizia e suportava a tortura até que o agressor cansou-se e partiu.

 

A peça de Ibsen representa um marco na história da emancipação da mulher. Nora é casada com Torvald, um bem-sucedido advogado. Dona de casa e mãe de família, Nora é a típica mulher burguesa mimada pelo marido como boneca e posta à margem de todo e qualquer envolvimento com a realidade da vida e do mundo. Figura emblemática, enfeite bonito feito para divertir o dono, um dia Nora se dá conta de sua situação e rebela-se. Deixa a casa e a família, e sai para o mundo. Ibsen não nos conta o que foi feito dela.

 

Nora cansou-se de ser figura emblemática, enfeite e objeto de deleite visual e sexual. Cansou-se de ser mantida à margem da vida. Cansou-se de perceber que o marido não a respeitava, não a tratava como companheira. Cansou-se de viver com alguém que até então não havia percebido ser um estranho.

 

A irmã de Nora, anônima que não ousa revelar seu nome ao jornal que a entrevista, morava sozinha com os filhos. Não existia marido, não havia homem em seu universo. E por isso, avalia ela, o agressor sentiu-se à vontade para entrar em sua casa e abusar de seu corpo, submetendo-a à violência do estupro. Mais: por não haver homem para defendê-la, o agressor voltou uma noite após a outra, ao longo de vários dias, só indo embora e deixando-a em paz quando se cansou de usá-la.

 

Após o tempo de Nora, muita coisa mudou. A mulher foi fazendo lentamente sua passagem do espaço privado para o público. Abriu brechas no mercado de trabalho, disputou e entrou. E foi bem-sucedida. Hoje, muitas profissões outrora consideradas masculinas têm maioria de mulheres. A mulher conquistou o espaço público, sem deixar o doméstico.

 

Como conseqüência, a família mudou de configuração. Começaram a aparecer cada vez mais as famílias incompletas, famílias com núcleo em desagregação e, bem numerosas, famílias onde a mulher é cabeça de casal. Nestas, muitas vezes, o homem está ausente. Foi embora ou foi mandado embora e é a mulher que arca sozinha com o sustento da casa e a guarda dos filhos. Outras vezes, porém, o homem está presente. Mas como figura emblemática. Como enfeite e objeto identificador.

 

Emblema de que será esse homem, destruído pelo alcoolismo, humilhado pelo desemprego, que em nada ajuda e é apenas um peso a mais nos ombros dessa mulher que já tem que arcar com tão pesado cotidiano? Emblema da força que representa o masculino em um universo ainda machista e patriarcal. Se naquela casa morasse um homem, mesmo fraco, pusilânime, inexpressivo, a mulher não seria molestada pelos vizinhos ou por algum estranho que lhe invadisse a casa na calada da noite para satisfazer violentamente sua sexualidade frustrada.

 

Trata-se do universo de Ibsen invertido e pervertido. O homem é figura decorativa para proteger a mulher da agressão de outros homens. Enquanto Nora é a boneca com que o marido brinca e se distrai, o homem muitas vezes é o artificial escudo da mulher contra a violência que a ameaça constantemente.

 

Triste sociedade esta em que vivemos, onde o processo de emancipação da mulher cresce constantemente agredido pela violência masculina que não diminui. Triste sociedade onde homem e mulher, criados para o amor e a fecundidade, são tantas vezes inimigos que devem defender-se um do outro a fim de sobreviver. Mais de um século depois, Nora continua sendo um símbolo motivador para as mulheres que desejam encontrar-se como pessoas. Porém, muitas irmãs de Nora ainda sofrem caladas as conseqüências de ser quem são, sem encontrar a saída que as introduzirá no mundo encantado da liberdade.

 

Maria Clara Lucchetti Bingemer é autora de "Simone Weil - a força e a fraqueza do amor", Editora Rocco (http://wwwusers.rdc.puc-rio.br/agape).

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates