topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Keynes ou não Keynes, não é a questão! Imprimir E-mail
Escrito por Raymundo Araujo Filho   
Quarta, 19 de Novembro de 2008
Recomendar

 

Não sou economista (embora conheça alguns muito bons). E ainda por cima acho que a questão política é SEMPRE mais importante do que a econômica. É a política que comanda a economia. E não o contrário.

 

Os capitalistas sempre tentam fazer parecer o contrário. O diabo é que muitas parcelas dos que se dizem de esquerda foram influenciados por esta falácia. Notadamente aqueles que, ao chegarem ao poder político formal, reduzem os seus horizontes ideológicos justamente para manterem-se nesta esfera da atuação política: o poder institucional.

 

Assim, como um dos maiores males que Lula deixará para o Brasil é a pecha der que a esquerda é aquilo ali, outro grande mal que acomete o Brasil, desta vez chancelado pelo capitalismo na sua forma atual, o neoliberalismo, é a redução de horizontes também na práxis política, e sua subseqüente proposição econômica e das formulações a saídas para o atual momento de "crise".

 

Nada logrará a favor da justiça social e econômica sem que se coloque o povo trabalhador, e pobres em geral, como centro de tudo, e não a economia e seus mecanismos regulatórios do capital - e este sempre em oposição ao trabalho. Ou a luta de classes é algo sazonal, apenas em períodos eleitorais?

 

É enfadonho hoje vermos gente (economistas e não economistas) a discutir se é Keynes ou não o viável para este momento ao invés de reafirmarmos que nada deve ser feito dentro da ótica formal do capitalismo para superarmos esta crise de acumulação de capital e assalto frontal aos cofres públicos por parte dos que especularam a valer. Agora chantageiam com a pulverização dos fundos que a classe média aplicou, colocando-a como refém (valem 10% do que o capital aplicou).

 

A meu ver, é isso que define o que é ou não revolucionário. E não as pseudo-bravatas de "esquerdistas de cartilhazinha pseudo-radical", mas de prática adesista e pelega.

 

Neste momento, o povo trabalhador, e pobres em geral, sofre grave e cruel derrota. Dentro da lógica capitalista, com Keynes ou não, só teremos migalhas para mal mitigar o sofrimento de parcelas ínfimas e as visíveis no tecido social. A ralé continuará no andar de baixo das Galés, e com a ração ainda mais racionada, além do aumento nas chibatadas.

E uns ficam a discutir o sexo de Keynes

Já que não têm formulação que preste, ao menos poderiam respeitar os mortos, natimortos, doentes esfomeados e angustiados, que surgirão sob a égide desta crise fabricada, como se fosse um corolário do trabalho de 8 anos dos neocons e seu boneco ventríloquo George W. Bush. E agora substituído por um artista novo, que vai "normalizar" as coisas para o capital seguir seu curso de exploração do trabalho.

 

Então, que se mantenham em clara locupletação das benesses do poder, com o seu servilismo explícito. Mas em silêncio, por favor.

 

Para este projeto do capital-agora-sem-Bush (com se tivesse se transformado em capitalismo bonzinho), já tem muita gente apoiando e trabalhando. Estes que se dizem de esquerda quererem também colaborar, é um vexame sem tamanho.

 

Pra que direita com uma "esquerda" destas?

 

Raymundo Araújo Filho é médico veterinário homeopata e detesta discutir o sexo dos anjos.

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates