topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Em defesa das palmeiras e dos biocombustíveis Imprimir E-mail
Escrito por Rodolfo Salm   
Qui, 03 de Maio de 2007
Recomendar

 

 

O Google é uma ferramenta extremamente útil da Internet. Fazendo uma busca com as palavras “palmeiras” e “biocombustíveis”, logo depois do meu último texto em que defendo o cultivo de palmeiras para a produção de biocombustíveis (http://www.correiocidadania.com.br/colunistas/ambiente-e-cidadania/ambcid090407.html), encontrei uma notícia surpreendente da Folha Online, 27/03/2007 - 09h58, que eu jamais localizaria de outra forma. Pasmem: “Pesquisa contesta uso de óleo de palmeira como biocombustível”.

 

E eu que acreditava tanto na idéia...

 

O texto da Folha Online refere-se a um relatório divulgado no final do ano passado por pesquisadores do Instituto Wetlands Internacional, da Holanda, que concluiu que a produção de biocombustíveis a partir do óleo advindo de algumas plantações de palmeiras na Indonésia e na Malásia (onde são amplamente difundidas) tem um balanço de carbono negativo. Isto porque os cientistas argumentam que as plantações produzem uma quantidade imensa de dióxido de carbono, mais do que o uso do biocombustível evita que seja liberado pelo uso equivalente de combustíveis fósseis. Isso acontece porque estas plantações são semeadas sobre pântanos drenados, e a perturbação associada ao cultivo de palmeiras nestas áreas provoca a liberação do depósito resultante da decomposição de animais e plantas por milhões de anos. Além disso, segundo a agência de notícias, um pesquisador daquele instituto alertou que as palmeiras (na Indonésia e na Malásia, é fundamental que se enfatize) são plantadas em áreas que eram de floresta e que foram desmatadas para o seu cultivo.

 

O jornalista da Folha Online destacou corretamente que o óleo de espécies de palmeiras pode ser utilizado na culinária, na produção de cosméticos, sabonetes, pães, chocolates e lubrificantes industriais. Além de ser atraente como bioenergia, visto que é relativamente abundante, barato e facilmente integrável às estações de energia já existentes. Ainda comentou que sua produção é considerada “neutra em carbono, ou seja, o carbono emitido durante a queima do óleo de palmeira é igual ao que é absorvido durante o crescimento da planta”. Mas deve ter achado que o verdadeiro assunto da notícia que lhe caiu em mãos para repassar para a rede (o que aparentemente ele fez de primeira) daria um título longo demais ou desinteressante para o seu público: “Pesquisa contesta uso de óleo de palmeiras cultivadas em pântanos e áreas desflorestadas do Sudeste Asiático como biocombustível”.

 

A simplificação indevida que ele optou por fazer para contornar este “probleminha técnico”, ocultando a especificidade geográfica da pesquisa, o conduziu à manchete equivocada de que a ciência “contesta uso de óleo de palmeira como biocombustível”, induzindo o leitor e o navegador, que somente vê manchetes, a crer erroneamente que o problema ocorre com qualquer palmeira em qualquer lugar. Mais trágica é conclusão geral que tirou daí, de que “o debate sobre o óleo de palmeira é um exemplo de fatos que esfriam o entusiasmo por óleos vegetais como substitutos para combustíveis fósseis”. que apenas vê

 

Na verdade, o debate “sobre o óleo de palmeira” é um exemplo de fatos que esquentam (e muito) o entusiasmo por óleos vegetais como substitutos para combustíveis fósseis. Uma simples busca no Google pelo célere jornalista revelaria uma série de iniciativas incipientes de pesquisadores da Embrapa e de universidades por todo o país defendendo a utilização de espécies de palmeiras para a produção de alimentos e de biocombustíveis no Brasil. O que falta é a grande imprensa nacional tratar seriamente a questão das fontes de energias alternativas. E a problemática ambiental como um todo.

 

A informação sobre as emissões de carbono, associadas à perturbação dos gigantescos pântanos asiáticos (e de seu estoque colossal de matéria orgânica), causada pelo cultivo de palmeiras para a produção de biocombustíveis, é muito interessante e necessária. Isso porque ela mostra que nem as palmeiras — que defendo entusiasticamente — são uma panacéia.

 

Se o jornalista da Folha Online se dedicasse um pouco ao assunto das palmeiras e dos biocombustíveis e suas implicações positivas em potencial para as especificidades do nosso país, certamente perceberia que não temos em nosso território pântanos como aqueles estudados pelo Instituto Wetlands Internacional na Indonésia e na Malásia. Ao invés disto, temos imensas áreas desflorestadas nos domínios da Mata Atlântica e da Amazônia, que poderiam ser recuperadas com palmeiras, constituindo-se numa importante fonte de riqueza para o país na forma de alimentos e biocombustíveis.

 

 

Rodolfo Salm, PhD em Ciências Ambientais pela Universidade de East Anglia, é pesquisador do Museu Paraense Emílio Goeldi.

E-mail: rodolfosalm(0)terra.com.br

 

Para comentar este artigo, clique comente.

 

Recomendar
Última atualização em Segunda, 07 de Maio de 2007
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates