topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Tigre de Papéis Imprimir E-mail
Escrito por Léo Lince   
Qui, 30 de Outubro de 2008
Recomendar

 

O capitalismo global entrou em crise profunda e duradoura. Ninguém contesta. Até os próprios capitalistas e os intelectuais a seu serviço são obrigados a se dobrar diante da contundência dos fatos. O que era tema restrito ao debate da esquerda, agora virou assunto da pauta geral. Assim como o muro de Berlin desabou sobre o "socialismo real", agora chegou a vez do "capitalismo real" enfrentar as "duras réplicas da história".

 

Não se trata, por suposto, de um problema localizado, circunscrito ao escaninho financeiro e passível de ser resolvido pela mera edição de novas regras de controle. O buraco é mais embaixo. E a gangorra vertiginosa das bolsas é apenas a feição mais visível do descontrole geral. O capitalismo puro e duro da investida neoliberal se firmou como expressão da supremacia absoluta do capital financeiro. No cerne do sistema, a roleta do cassino, apesar e por causa de gangorra vertiginosa, cumpre função essencial na reprodução do "capitalismo real".

 

A crise está em curso e não se sabe o tamanho, a duração e a profundidade do seu processo. No entanto, além dos papagaios financeiros, muita coisa já rolou por água abaixo. Uma delas é o mito ultraliberal de que o capital é capaz de se auto-regular. Balela. Fora do controle social, o poder privado funciona com a lógica das máfias e a "exuberância irracional" da especulação libera o ímpeto destrutivo que sempre habitou a natureza cíclica do capitalismo.

 

A idéia de que a economia brasileira estaria "descolada" da crise é outro mito que desabou em poucos dias. No começo, ao falar em "marolinha", o governo tentou dourar a pílula. Um emplasto ingênuo para encobrir o tamanho da rebordosa. Tanto assim, que o ministro da Fazenda já foi obrigado a trocar de discurso. Em novo diagnóstico, afirmou: "essa é uma crise de longa duração, de uma magnitude inédita que a nossa geração nunca viu e terá um impacto forte na economia real do mundo todo". Perfeito. Faltou agregar que a política econômica praticada pelo governo, de inserção subalterna aos esquemas da globalização financeira, coloca nosso país entre os mais vulneráveis na linha de tiro.

 

A receita para a saída da crise, tanto lá fora como aqui, começa a ser aviada na linha de sempre. Os magnatas financeiros, que na prosperidade se serviram do aparato do Estado para privatizar lucros, agora se valerão dele para socializar prejuízos. Basta ver a quantia bestial de dinheiro que os bancos centrais do mundo inteiro, inclusive o nosso, já entregaram aos donos do poder. Carne aos leões. Esse é o sentido das "estatizações" em curso. Com o derretimento do capital fictício, resta o erário público como pau que sustenta a lona do circo.

 

A crise abre uma conjuntura política inteiramente nova. A dinâmica dos conflitos sociais e o "pensamento único" que avassalou a política nesta virada de século sofrerão os abalos da nova situação. Keynes e Marx, redivivos no baile das idéias, já voltaram à cena. Tanto lá fora como aqui, será um período de rearranjo na correlação de forças. O mercado - que já existia antes do capitalismo e, certamente, sobreviverá a ele - está soterrado por um Himalaia de papéis podres, derivativos tóxicos e alavancas derretidas. Fera acuada, o capitalismo lança mão das garras de aço do Leviatã e ataca como um perigoso tigre de papéis.

 

Léo Lince é sociólogo.

 

Recomendar
Última atualização em Quarta, 05 de Novembro de 2008
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates