topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Riachos viram esgoto no Rio de Janeiro Imprimir E-mail
Escrito por Marcelo Pompeo   
Terça, 28 de Outubro de 2008
Recomendar

 

Recentemente, o governo do Rio de Janeiro anunciou que priorizará investimentos em um sistema conhecido como saneamento de tempo seco. Apresentou a proposta como alternativa à coleta e tratamento convencional de esgotos domésticos, a ligação dos esgotos domésticos, formando a rede coletora, com os coletores-tronco e interceptores, com destino final das águas servidas nas estações de tratamento, com melhoria de sua qualidade posteriormente devolvida ao ambiente. A proposta apresentada tem como objetivo permitir o lançamento do esgoto in natura em canais e riachos para depois bombear a água poluída para pequenas estações de tratamento. Isto é, pretende manter o uso dos corpos de água como receptores e rede coletora de esgoto. Um horror mesmo.

 

Há mais de quinhentos anos esse procedimento é empregado no país, com as conseqüências mais do que conhecidas e danosas, compreendendo grave comprometimento na qualidade das águas superficiais, como problemas de doenças de veiculação hídrica, eutrofização, crescimento de algas potencialmente tóxicas, entre outros.

 

Em São Paulo a situação não é diferente. O lançamento em rios e riachos do esgoto in natura de cerca de 10.000.000 habitantes ainda é empregado como procedimento de afastamento das águas servidas. Esta forma de uso deve ser abolida, pois não só degrada o corpo de água, mas também como procedimento de afastamento não é adequado, principalmente em grandes centros urbanos densamente ocupados.

 

Para as represas Billings e Guarapiranga, a aplicação direta de peróxido de hidrogênio ou sulfato de cobre na massa de água é a principal ação de controle do crescimento de algas, em particular as potencialmente tóxicas, as cianobactérias, que com suas toxinas podem causar a morte de seres humanos. Pior ainda, este procedimento de controle já é empregado na represa Paiva Castro, que abastece cerca de 10 milhões de habitantes da grande São Paulo.

 

Assim, a manutenção das atuais políticas públicas no uso e ocupação dos espaços, que seguem inalteradas, não deixa outra alternativa: no futuro, o Paiva Castro será como a Guarapiranga. Como tudo demonstra que não haverá mudanças nas intenções e interesses de nossos dirigentes de plantão, seja em São Paulo ou no Rio de Janeiro, nem no longo prazo, então de onde virá a água para bebermos? Qual será a qualidade da água empregada no abastecimento público? Qual será o custo final da água servida à população?

 

A solução é tratar o problema na fonte, coletando todo o esgoto gerado em sistema próprio e de fato afastá-lo, não permitindo o lançamento no manancial mais próximo. Temos também que disciplinar os usos e ocupações dos espaços, definindo prioridades, com reflexos na melhoria da qualidade das águas.

 

No entanto, vivemos eternamente no improviso cuidando unicamente dos efeitos, com infra-estrutura precária e políticas públicas ineficientes, e, pior, sem perspectiva de melhora. É como se a nossa dor de dente fosse tratada unicamente com anestésico, sem nunca ter o problema resolvido na base, ter o dente tratado em definitivo e monitorado visando prevenir novos problemas. A título de prioridade, continuamos com os procedimentos paliativos empregados como definitivos. Que horror.

 

Marcelo Pompeo é professor do departamento de Ecologia da USP.

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates