Quando a crise chegar

 

A verdadeira crise ainda não chegou. Os Estados ainda têm poder de interferir e salvar as empresas que lhes interessam. Outras falem e ponto final. O resultado sobre os pobres jamais foi problema para o capitalismo. No mundo contemporâneo apenas 1,7 bilhão de pessoas pertence à sociedade de consumo. O restante, 4,3 bilhões, ‘subvive’ com as sobras contabilizadas em centavos de dólares.

 

A crise verdadeira virá quando houver o encontro fatal da crise ambiental com a social. O problema fundamental da história humana não está apenas dentro da sociedade, mas na sua relação com o planeta na qual ela está inserida. Ambientalistas sérios nos têm alertado sobre o impasse intransponível do modelo civilizatório. É bom que se frise o "civilizatório", porque não é um problema apenas do capitalismo, muito menos do neoliberalismo, como querem certas esquerdas.

 

O esgotamento dos bens naturais, o consumo para além da capacidade de reposição da natureza, a liberação de gases que modificam o clima, o conseqüente aquecimento global, vão modificar totalmente a sociedade humana e o planeta tal qual nós os conhecemos hoje.

 

O desmonte da história humana e a completa modificação das condições de vida no planeta não são sequer imagináveis. Portanto, continuemos a nos divertir com a crise dos mercados – impossível deixar de rir -, mas saibamos que a verdadeira e fundamental crise ainda está para chegar. Então, nada será divertido.

 

Roberto Malvezzi (Gogó) é coordenador da CPT – Comissão Pastoral da Terra.

 

{moscomment}

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados