Guerra das polícias e a política de Serra

 

Diante das cenas de guerra entre os grevistas da Polícia Civil e os soldados da Polícia Militar, em frente ao Palácio dos Bandeirantes, o governador José Serra revelou a sua mentalidade autoritária numa entrevista ao jornalista Luiz Datena, da TV Bandeirantes. Ao vivo, ele afirmou que a greve dos policiais "é coisa de uma minoria"; garantiu que ela "é eleitoreira, é coisa do PT e da Força Sindical, que é do PDT"; e jurou que sempre esteve aberto às negociações com os sindicatos da categoria. Serra lembrou a retórica raivosa de alguns generais nos estertores da ditadura militar.

 

Em primeiro lugar, a greve da Polícia Civil não é coisa de uma minoria e nem uma aventura. Ela já dura um mês. Foi deflagrada em 16 de setembro após várias tentativas frustradas de diálogo com o governo José Serra. Segundo relatos da mídia, que nunca foi simpática ao movimento – as suas manchetes apelam sempre para os prejuízos à sociedade –, conseguiu adesão surpreendente, o que evidencia o grau de revolta da categoria. A Folha de S. Paulo chegou a noticiar a adesão de 80% nos distritos policiais da região metropolitana e de quase 100% nas delegacias do interior.

 

Intransigência e uso eleitoreiro

 

Em segundo lugar, a greve não tem vínculos orgânicos com qualquer central sindical ou partido político. Boa parte do comando do movimento, formado por delegados e investigadores, sempre esteve ligada ao partido governista, até por motivos óbvios de carreira. Não é para menos que os grevistas costumam cantarolar em suas manifestações o samba "você pagou com traição, a quem sempre lhe deu a mão". Uma faixa sempre presente nos protestos diz: "PSDB, Pior Salário Do Brasil". As centrais sindicais apenas deram apoio à greve e vários parlamentares, inclusive tucanos, também estiveram presentes às manifestações para tentar evitar confrontos violentos.

 

Em terceiro lugar, o governo demonstrou total intransigência diante dos grevistas. Ciente de que o salário dos policiais está defasado, ele se recusou a atender a reivindicação de 15% de reajuste. Ofereceu apenas 6,2%, sem incorporar os adicionais, e fechou os canais de diálogo. Os grevistas até suspenderam o movimento por dois dias, numa tentativa de retomar as negociações, mas não amainaram a postura truculenta de Serra. "Não recebemos nenhuma proposta concreta", criticou, na ocasião, Sérgio Roque, presidente da Associação dos Delegados de Polícia de São Paulo.

 

Até a seção paulista da Ordem dos Advogados do Brasil, presidida por um aliado do governador, Luiz D’Urso, emitiu nota criticando a intransigência. A OAB-SP havia se oferecido para mediar as negociações, mas o secretário de Segurança Pública, Ronaldo Marzagão, sequer deu retorno à proposta – "o que é uma desconsideração com a instituição e com a própria classe profissional". Agora, José Serra tenta encontrar bodes expiatórios e fazer uso eleitoreiro da greve para ajudar o seu candidato laranja à prefeitura da capital, o demo Gilberto Kassab.

 

Altamiro Borges é jornalista, membro do Comitê Central do PC do B e autor do livro recém-lançado "Sindicalismo, resistência e alternativas" (Editora Anita Garibaldi).

 

{moscomment}

Comentários   

0 #2 João Batista 23-10-2008 14:34
Quando comecei a ler a reportagem, já notei tratar-se de Petista. Porque os funcionários do BB e da CEF ficarma tanto tempo em greve, foi intransigência do Lula? e engraçado é que esta greve passou despercebida, nenhum petista se envolveu nem comentou nada. O PC da B também esta tentando eleger um boneco de pano como vice prefeito na chapa da Martaxa para em 2010 tentar assumir a Prefeitura de SP.
Citar
0 #1 truculenciaDionesio C. Pacheco 23-10-2008 14:19
É simplismente lamentável, esse tipo de politico só olha para o próprio umbigo, ele não mora na periferia, e qundo sai às no oficial, que provalmente é à prova de bala, e mais um erxercito de homens altamente treinados para lhe dar segurança total. Mesma assim ele pretende ser Presidente da República do Brasil, já pensou?
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados