Cinco mil em Sobradinho

0
0
0
s2sdefault

 

Cinco mil pessoas caminharam das 8 da noite do sábado até às 4 da manhã do Domingo em Sobradinho. Era a Romaria das Águas e a entrega do prêmio de direitos humanos da Pax Christi International a D. Luis Cappio. Terminamos às margens do São Francisco, repartindo o pão. Caminharam conosco D. Cappio, D. Tomás Balduino, Gilberto Miranda (Movimento dos Artistas), Laura Vargas (representante da Pax Christi), representantes de igrejas, movimentos, de índios, quilombolas, pescadores. Uma caminhada bonita, com música, sob o luar do sertão e do brilho da Via Láctea.

 

Poucos metros à frente estava o Exército, ocupando a parede da barragem de Sobradinho. É surrealista que um governo coloque continuamente o Exército para assustar índios, quilombolas, ribeirinhos, trabalhadores rurais, lideranças que sempre votaram nesse governo. Talvez seja uma forma nobre de responder a todos aqueles que se rebelam contra uma obra injusta que faz como vítima – sempre – exatamente os setores mais oprimidos da história do Brasil em todas as épocas.

 

Enquanto caminhávamos aqui os franciscanos entregavam a Lula uma carta contra o etanol e a transposição do São Francisco. Sinal que os irmãos de Francisco estão a fim de recuperar o carisma de seu fundador.

 

A festa continua, a caminhada também. Dias de reflexão sobre o futuro desse país e da humanidade virão necessariamente, por bem ou por mal. O cérebro ossificado dos governantes atuais e do grande capital não tem futuro. Podem ter certeza, nós estaremos presentes e a defesa do São Francisco não é moda passageira. Água para todos os nordestinos e comida na mesa do povo continuam nossas bandeiras irrenunciáveis. Na hora certa voltaremos.

 

Roberto Malvezzi (Gogó) é coordenador da CPT – Comissão Pastoral da Terra.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #1 Transposição de valoresClauber Rosivan 22-10-2008 15:12
É, de fato, de se estranhar um governo que teve (atualmente a mídia parece reforçar isto em vista, é claro, de interesses sempre mais mergulhados na escusidades)apoio das classes populares, volta-se contra quem o elegeu sem dó, sem memória, sem a mínima consideração...De modo simbólico e até irônico o projeto de transposição das águas do grande Chico parece mesmo marcar de modo emblemático, também, a transposição de posturas deste governo; uma transposição de interesses, de valores, de ideais traídos, de feições maquiladas e, por isso, inexpressivas, enfim, muito nos estranha um discurso dito popular degradar-se em bestialidades dignas de seres mutantes, inconstantes e desmemoriados.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados