Eleições confirmam momento de ‘grave’ despolitização

 

Dando seqüência à cobertura eleitoral deste Correio, o professor de história da Universidade Federal Fluminense, Marcelo Badaró, nos concedeu entrevista para analisar os desdobramentos do recente pleito em nossa vida política. De acordo com ele, o que se viu nas urnas é a confirmação de um momento de grave despolitização dos debates em geral e das massas, domadas estas últimas pelo modelo de governo assistencialista em expansão e pela descrença em verdadeiras renovações de idéias.

 

O quadro para o segundo turno tampouco pode ser considerado alentador, pois reúne candidatos da ordem, que se diferem apenas por nuances. Assim como apontou Ricardo Antunes em recente entrevista, Badaró acredita que a esquerda só poderá se revitalizar a partir das lutas sociais e populares, para que então possa confrontar, inclusive nas urnas, o atual modelo de "consenso passivo".

 

Correio da Cidadania: O que se configura na política nacional com os resultados eleitorais já consumados?

 

Marcelo Badaró: Para uma análise dos resultados eleitorais é preciso ir além das siglas partidárias e tentar perceber de que forma as eleições expressam, direta ou indiretamente, mudanças e continuidades na correlação de forças sociais. A partir "de baixo", um primeiro balanço é o de que as eleições refletem uma continuidade, no plano mais amplo, do quadro de refluxo das lutas sociais com horizonte de transformação. Olhando a partir "do alto", o que se enxerga é a consolidação de um modelo de dominação, que se fundamenta tanto na utilização de todos os aparelhos disponíveis na sociedade civil (das associações patronais disfarçadas em "não governamentais" às empresas monopolistas de comunicação) para a construção de um consenso passivo em torno das propostas das classes dominantes, no que se refere ao estrangulamento e repressão violenta, através dos braços da sociedade política, a todas as resistências contra-hegemônicas que ainda procuram se manifestar (vide aliança governos estadual e locais, Brigada Militar, Ministério Público e magistrados, para criminalizar o MST no Rio Grande do Sul; ou as ações do Ministério do Trabalho para retirar dos marcos da legalidade sindicatos combativos, como o ANDES-SN – Sindicato Nacional dos Docentes de Instituições de Ensino Superior).

 

O reflexo eleitoral desse quadro se manifesta na pequeníssima votação dos partidos que poderiam representar realmente uma alternativa à esquerda (PSOL, PSTU e PCB) e na vitória generalizada dos partidos que, com nuances, representam no poder o bloco dos interesses das classes dominantes – PT, PSDB, DEM, PMDB, PC do B, PSB, PRB, PV e aliados vários.

 

Mas tal quadro se manifesta também – e esse é um elemento ainda mais pernicioso que a vitória nas urnas da direita, porque reflete a força do consenso dominante – na completa despolitização desse processo. As campanhas se pautaram sempre – e nisso até a esquerda caiu muitas vezes – no discurso da maior eficiência na gestão dos problemas urbanos, ocultando completamente a existência e a natureza dos conflitos sociais na cidade.

 

CC: O segundo turno ainda pode significar uma reviravolta neste cenário inicial, ao menos entre as correntes dominantes?

 

MB: Não. O rearranjo que se viu nas eleições entre os partidos representativos das diversas frações das classes dominantes – com um crescimento dos espaços do PT principalmente, mas também do PC do B, a manutenção do peso da máquina do PMDB e o declínio relativo do peso do PSDB e do DEM – não vai sofrer alterações significativas no 2º. turno. Ele se sustenta no sucesso do governo Lula em promover o consenso, através da incorporação à ordem de lideranças e movimentos antes rebeldes, de apassivação da miséria através da ampliação do raio de atendidos pelas políticas assistenciais focalizadas e do estrangulamento das resistências.

 

CC: Como analisa o quadro que se desenhou para o segundo turno no Rio, com a passagem de Gabeira para o novo pleito?

 

MB: É difícil extrair qualquer grau de positividade do quadro eleitoral do Rio de Janeiro. A idéia de que "esconjuramos o demônio" (que falava em nome do "Reino de Deus") com a derrota de Crivella pode ser reconfortante para alguns, mas não basta para gerar alívio. Eduardo Paes representa o misto do oportunismo político (começou "prefeitinho" da Barra da Tijuca na primeira gestão de César Maia na cidade, saltou para o PSDB e procurou os holofotes atacando Lula e o PT na crise do mensalão, para agora desembarcar no PMDB de Sérgio Cabral, fiel aliado do governo federal e executor do genocídio urbano da política de segurança (?) pública mais assassina do país) com a capacidade de repetir sorrindo esse triste mantra do pensamento único: todos os problemas da cidade se resumem a (in)eficiência administrativa.

 

E o Gabeira é um camaleão que cultiva a imagem de ex-guerrilheiro rebelde (mas com autocrítica) para ganhar o voto do eleitorado de classe média universitária da zona sul, com a idéia de paladino da ética no Congresso Nacional, e para convencer os conservadores. Na prática é candidato em aliança com o PSDB – e agora no 2º. turno com o DEM de César Maia –, fazendo um discurso de que governará com todos os partidos, mas sem loteamento de cargos (sic). Ou seja, temos duas candidaturas que representam o mesmo: sintonia com o governo federal, discurso despolitizador da política, oportunismo completo nas alianças e nenhuma permeabilidade para os interesses populares organizados.

 

CC: Que horizonte pode vislumbrar a esquerda, com resultados tão modestos e incubada num sistema que por natureza protege os candidatos de maior poder?

 

MB: O futuro eleitoral da esquerda não depende fundamentalmente de sua participação nas eleições. A potencialização das eleições pela esquerda partidária para um projeto mais amplo de transformação social depende, principalmente, da sua capacidade de inserir-se nas e unificar as lutas sociais impulsionadas pelos movimentos e formas de organização da classe trabalhadora.

 

É justamente pela dificuldade de inserção e potencialização das lutas que a esquerda partidária tem obtido resultados eleitorais tão pífios, pois, ao contrário do que essa trágica herança petista ainda insiste em propor, mesmo nos partidos de esquerda que romperam com o PT, o caminho eleitoral conseqüente para os que buscam representar a classe trabalhadora só pode ser o da afirmação da diferença de perspectiva estratégica. Ou seja, não cabe a estes partidos apenas se comprometerem com administrações mais honestas, mais competentes, nem apenas mais democráticas, sem explicitar que os problemas da cidade decorrem da lógica do capital, expropriando e explorando a classe trabalhadora (através da exclusão em relação à posse do solo urbano; da expulsão para as periferias; da violência policial etc.).

 

Em suma, a transformação rumo ao socialismo não se fará pela via eleitoral, o que por si já coloca o foco prioritário dos partidos de esquerda nas lutas sociais. Mas mesmo para uma participação conseqüente no processo eleitoral dependemos dessa inserção no movimento real da classe e de um projeto realmente alternativo.

 

CC: Que tendências os resultados aferidos nos mostram para 2010? A influência de Lula em esferas menores da política é inferior ao que se pensava?

 

MB: Há muita indefinição no cenário mundial – e brasileiro aí incluído – por conta da crise capitalista que agora vive uma fase aguda. Daí que qualquer previsão seja absolutamente dependente dos desdobramentos desse processo, que tanto abre possibilidades para a ação das forças da transformação (mas isso dependeria do grau de organização, da capacidade de mobilização e da clareza estratégica dessas forças, e me parece que não vivemos um bom momento nesse sentido), quanto para soluções que ampliem o grau de exploração e intensifiquem os mecanismos de coerção sobre a classe trabalhadora. O quadro eleitoral de 2010 não pode ser visto fora desse cenário.

Porém, pelo que se pode inferir das eleições municipais, não vejo por que duvidar do potencial eleitoral da candidatura apoiada por Lula e seus aliados em 2010. Os programas sociais do governo são o carro chefe de uma transformação da base eleitoral – não só de Lula, mas do PT como um todo –, que antes de 2002 era predominantemente composta por setores organizados dos grandes centros, para a base atual de trabalhadores mais empobrecidos e fragmentados, com maior peso no interior e áreas mais pobres do país. Isso não deve mudar.

 

Além disso, enquanto o governo conseguir manter-se como fiel representante do bloco capital financeiro/empresários de commodities que hoje domina a cena entre as classes dominantes, Lula e seus candidatos continuarão tendo todos os recursos financeiros e apoio da mídia que necessitarem para suas campanhas.

 

CC: O Correio tem debatido a respeito de uma aparente falta de interesse do povo em participar da política atual, fenômeno que também foi observado em outros meios. Como voltar a incutir nas pessoas a idéia de que é tão possível quanto necessário participar de todo o processo por outras vias que não somente a eleitoral e de que o atual sistema na verdade pouco teria de democrático?

 

MB: O desafio da esquerda socialista é conseguir dialogar com a consciência real da maioria trabalhadora da população no sentido de que existe a possibilidade da mudança de fato através da intervenção política. Isso significa demonstrar que a transformação política vai além da simples alternância de partidos no governo. Não é uma tarefa fácil, pois muitos obstáculos estão interpostos no nosso caminho. Aqueles que se apresentaram como porta-vozes do novo (Lula e o PT, por exemplo) demonstram na prática que tudo continua na mesma, ampliando a descrença nos partidos e na ação política, mesmo entre os que perseveram numa perspectiva de luta a partir dos interesses da classe trabalhadora.

 

Por outro lado, se no fundo nada parece mudar votando PT ou PSDB, o que pode mover a escolha do eleitor/trabalhador é o pragmatismo: votar em Lula é, nesse caso, buscar a garantia de manutenção de uma política compensatória que para muitos faz a diferença entre a fome e a sobrevivência. Some-se a isso a "espetacularização" das eleições, com as campanhas milionárias e os políticos sendo vendidos como um pacote de biscoitos ou uma marca de sabão em pó pelos publicitários, para compreendermos a despolitização completa do processo eleitoral. Se a política for só isso, por que a maioria da população se interessaria por ela?

 

Gabriel Brito é jornalista; Valéria Nader, economista, é editora do Correio da Cidadania.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #5 Compra de votosJoão Batista de Andrade 23-10-2008 21:07
A esquerda se ilude quando aceita a violação da lei e também pratica a boca-de-urna. Seus militantes são sufocados pelos boqueiros profissionais. Não adianta ir para as secções eleitorais cheios de ideal. Ficam isolados no meio da multidão de boqueiros.
Se a esquerda compactua com a violação da lei, não pode condenar que os adversários o façam.
E por que a esquerda aceita a ilegalidade. Por que é ingênua. Acha que os oportunistas pagam aos cabos eleitorais para que distribuam santinhos. Mas, não é para isso que os oportunistas pagam aos cabos eleitorais. É para que os boqueiros votem neles.
Repito: os votos dos boqueiros e cabos eleitorais são comprados. Os candidatos nem se preocupam em saber se os boqueiros estão efetivamente distribuindo os santinhos. Mas, sim, se os boqueiros votaram neles.
Por isso é que a boca de urna é organizada a partir da entrega de uma cópia do título de eleitor do boqueiro ao cabo eleitoral. Com o nome na lista do candidato, o boqueiro quer mais que este candidato vença, a fim de que possa pedir um emprego depois.
Essa história de que o povo deve pegar o dinheiro do oportunista e depois votar em quem quiser, porque o voto é secreto, é uma ilusão... o boqueiro vai votar mesmo é em quem lhe pagou.
Boca de urna é o desfecho do processo de compra de voto pela violação da lei eleitoral. Começa com a distribuição das cestas básicas, passa pela oferta de churrasco e cerveja grátis e culmina com a compra de voto, disfarçada na boca de urna.
As pessoas de bem, não só as de esquerda, deveriam lançar um movimento de valorização do voto para que o povo parasse de vender a alma ao diabo.
Citar
0 #4 Sobre a despolitizaçãoMagno Oliveira 19-10-2008 13:14
Parabéns ao entrevistadores e ao entrevistado pela significativa contribuição ao debate político.
As considerações tecidas pelo companheiro Marcelo Badaró são bastante pertinentes e apontam para uma possibilidade real de trabalho dos partidos de esquerda no Brasil.
O governo Lula, mesmo sendo positivo no campo simbólico, reverteu radicalmente o programa de base do PT. Nesse sentido, houve uma interdição das resistências ao modelo capitalista, pois partidos de esquerda passaram a fazer parte da base aliada (PSB, PPS, PDT (vide o Lupi no MT), PC do B). O PSTU e o PCB mantiveram-se fiéis aos seus programas enquanto uma dissidência significativa do PT formou PSOL. Creio que o processo de politização possui dois caminhos: 1)a educação (apesar de todoas as adversidades) e a concessão de TV aberta aos Movimentos Sociais Populares; 2) a revisão radical da atual postura dos partidos de esquerda, pois já passou da hora de se unificarem na luta e na priorização de aproximarem-se mais das classes populares.
Hoje, no Brasil, os movimentos sociais fazem muito mais a diferença do que os partidos de esquerda no processo de correlação de forças.
Citar
0 #3 Os interesses da classe trabalhadoraRemindo Sauim 11-10-2008 07:36
Os interesses da classe trabalhadora são trabalho e salário digno, filhos na escola, plano de saúde, casa própria, locomoção e lazer no fim de semana. Não vejo como politizar estes itens no Brasil de hoje. Estes interesses estão mais para serem conquistados votando no sindicato do que em eleições municipais.
Citar
0 #2 o povao e os politicosDaniel 11-10-2008 04:42
Concordo com o comentario acima,de uma reeducacao politica para o povao,e a longo prazo a comecar nas escolas.
P


orem,vai ter q voltar a maioria desses professores para sala de aula, para ter uma formacao social-politica e economica para a realidade do mundo de hoje.Do jeito que esta,vai ser muito dificil obter uma transformacao que tanto se espera.
Citar
0 #1 A solução está na educação dos eleitoresFlâmeres França 10-10-2008 13:08
Para termos eleitores concientes, precisamos de um projeto educacional de longo prazo. Nossas escolas devem, alem de alfabetizar, politizar nossas crianças e jovens, dando-lhes senso crítico, para que elas possam aprender a refletir sobre o futuro do lugar onde eles vivem. Devem formar, acima de tudo, cidadãos concientes. Isso fará que o tipo de político também mude, passe a ser mais conciente e menos eleitoreiro.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados