Abandonar ‘armadilha eleitoral institucional’ é o desafio da esquerda

 

A poucos dias de mais uma eleição para prefeituras e câmaras de todo o país, o Correio entrevistou o sociólogo Ricardo Antunes para analisar o atual processo eleitoral e como hoje a população se comporta diante dele.

 

Para o professor da Unicamp, as posturas e propostas dos candidatos já não atraem tanta atenção da população, pois os mesmos já colocaram a credibilidade do exercício político abaixo, desestimulando uma maior participação popular. De acordo com Antunes, partidos de verdadeira oposição às políticas vigentes, como o PSOL e o PSTU, devem deixar a corrida eleitoral em segundo plano, priorizando as lutas populares e sociais, o que lhes permitiria angariar uma base popular mais coesa e preparada para realmente fazer frente aos partidos dominantes.

 

Antunes aponta ainda como imprescindível que não se aceite mais a dívida pública nos moldes em que ela é concebida. Sem essa premissa e sem conselhos populares para discutir a aplicação do orçamento da cidade, não acredita que se faça uma gestão que atenda aos anseios das camadas desfavorecidas e majoritárias da Paulicéia.

 

Correio da Cidadania: Como você enxerga hoje a cidade e o estado de São Paulo? Quais são os problemas e questões mais prementes?

 

Ricardo Antunes: A cidade e o estado de São Paulo são uma fotografia aprofundada das contradições brasileiras, um pouco da história do desenvolvimento urbano do país e capitalista recentes, com todas as suas mazelas e seqüelas presentes. Isto é a cidade de São Paulo, marcada por bolsões cada vez maiores de populações precarizadas, informalizadas e desempregadas.

 

O descuido com a atividade pública em São Paulo é completo, indo do abandono total da saúde, previdência e educação pública até o que diz respeito à vida, como lazer, esportes, expressões artísticas, coisas para as quais essas camadas são absolutamente desconsideradas.

 

São Paulo é uma fotografia da tragédia do capitalismo brasileiro, de nossa inserção subalterna e destrutiva na economia globalizada, que penaliza fundamentalmente a classe trabalhadora e seus estratos mais pauperizados da população.

 

A cidade, portanto, retrata o capitalismo hoje dominante. Na ponta de cima, o mundo financeirizado, brutalmente enriquecido e que hoje passa por uma crise estrutural profunda; na sua base, ficam as classes trabalhadoras profundamente pauperizadas e vulneráveis, sendo que, digamos assim, percebem-se várias clivagens entre esses trabalhadores. Uma parte possui alguma condição no emprego, outros estão terceirizados e precarizados e há ainda os que ocupam os bolsões de desemprego. Este é o retrato de São Paulo.

 

CC: Qual a sua visão sobre esse período pré-eleitoral em nosso estado? A população não lhe parece dessa vez muito indiferente?

 

RA: Digamos muito indiferente! A população tem se dado conta nos últimos processos eleitorais, há vários anos, que as eleições vêm sendo uma sucessão de disputas cada vez mais restritas aos políticos tradicionais. E os partidos em sua grande maioria se tornaram partidos de políticos profissionais. É como se as eleições hoje fossem uma sucessão de um candidato ao anterior, que sai desgastado e volta quatro anos depois; quem está no partido A vai para o partido B, volta amanhã para o A e depois pula para o C, de modo que a população tem a sensação de que o processo eleitoral se resume a uma disputa entre os mesmos. E essa disputa acaba fazendo com que ela não localize diferenças fundamentais nas propostas dos partidos, pois estão em quase sua inteira totalidade, com honrosas e pequeninas exceções, subsumidas à política do "é dando que se recebe", política dos partidos tradicionais.

 

É como se tivéssemos a seguinte situação: a política eleitoral é dominada pelos partidos tradicionais, configurando o exercício da política tradicional. Há, portanto, como resposta a isso, um certo movimento anti-político, embora este seja dúplice. Por um lado, é anti-político por conta de amplas camadas da população que vêem a política como o exercício da troca de favores. Em outro pólo, é também anti-político por causa de grupos sociais mais organizados, que mesmo minoritários recusam a luta política, por não quererem confundi-la com a luta eleitoral.

 

Posto tudo isso, o exercício a ser feito é descobrir como colocar em prática uma política radical, que seria a única forma de se contrapor a esse marasmo da política eleitoral, coisa que os partidos de esquerda estão com muita dificuldade em realizar. Suporia transcender o espaço da luta eleitoral parlamentar para a luta extra-institucional, mais calcada na organização da classe trabalhadora, dos movimentos populares e das inúmeras camadas que compõem o mundo do trabalho, de modo a organizá-los pela base, permitindo assim germinar novas formas de política marcadas por uma concepção radical.

 

Como os partidos não têm conseguido realizar isso, vemos o exercício da política tradicional. Um exemplo, para que não fique algo muito abstrato, de quem mais chega perto de uma política alternativa e radical é o MST, no sentido de que tem como eixo da sua ação a organização popular dos sem terra, das camadas pauperizadas da população do campo e também das cidades, que não possuem mais terra no campo nem trabalho na cidade, vivendo, então, em busca de outra forma de vida e sociabilidade.

 

O MST, portanto, organiza essa base popular, que impulsiona um outro tipo de luta política, aí sim de perfil mais radical. Por isso digo que o MST é quem mais se aproxima de colocar em prática tais diretrizes. O PT há muito tempo abandonou essa proposta. Se algum dia nos anos 80 passou perto, quando impulsionava as lutas sociais, hoje se tornou o que o Marx chamou de "o partido da ordem", o partido que faz todas as concessões necessárias para se manter no poder, como qualquer outro partido burguês tradicional. Basta ver que o PT tem dentro de si figuras que no passado recente estavam comprometidas com o pior da direita brasileira, como comprova o campo de apoio existente em torno da candidatura da Marta à prefeitura.

 

O PSOL e o PSTU exercem uma política eleitoral alternativa, mas com muita dificuldade, de várias ordens e dimensões. Naturalmente pela fragilidade de suas densidades social e popular, eles não conseguem se apresentar à população como uma outra forma de fazer a política radical; acabam sendo também confundidos como praticantes da mesma política, que faz com que a população, ao final do seu cálculo, trate a eleição deste ano com absoluta frieza. Vai decidir, digamos assim, muito em função das disjunções do lulismo. O que significa? Ela olha para o Lula, depois para as alternativas em jogo (PSDB e DEM) e conclui que são todos farinha do mesmo saco. No entanto, o governo Lula praticou um assistencialismo mais amplificado do que o aquele ultra-restrito, seletivo e elitista do PSDB ou do ex-PFL, o DEM, ironicamente chamado de Democratas.

 

Sabemos que o governo Lula também conta com essa aceitação popular porque garantiu a remuneração das classes dominantes, dos bancos e do grande capital como nunca na história do país. O próprio já cansou de dizer que nunca os ricos ganharam tanto dinheiro como em seu governo.

 

Então vejamos: atendendo aos interesses dos que mandam e alargando a sua base, sua massa de manobra, sobre os estratos mais pauperizados, ele tende a ter, dentro da frieza eleitoral, um resultado melhor no conjunto do país. São Paulo ainda é uma incógnita, pois, se a Marta tem mais votação, e nas pesquisas tem tido um desempenho melhor, é evidente que a separação Alckmin/Kassab é algo que se reconcilia no segundo turno.

 

Alckmin, Kassab e Maluf no segundo turno de um lado e somente a Marta no outro deixa a situação menos tranqüila para o PT, ainda mais lembrando que São Paulo frequentemente tem o voto mais conservador. E neste caso é realmente difícil saber qual desses pólos é mais conservador, pois todos têm muito dessa cara.

 

CC: Dentro deste cenário, você citou que, mesmo com dificuldades, o PSOL e o PSTU têm uma política eleitoral alternativa. Qual é a diferença entre o projeto desses partidos e o dos demais para as cidades?

 

RA: O projeto do PSOL e do PSTU, na frente de esquerda (uma pena o PCB não ter participado), é um pequeno pólo unificado, que no meu entender só pode fazer algum sentido se for capaz de, primeiramente, não querer se mostrar como um partido capaz de oferecer alternativas dentro da ordem. Se a esquerda tentar se mostrar moderada para ganhar votos, estará aniquilando seu projeto. O papel eleitoral da esquerda no momento seria ter a coragem de denunciar os mais graves problemas da cidade e do estado, sem a preocupação de com isso perder votos. Pelo contrário, ela não deve ter uma preocupação eleitoreira, mas sim uma preocupação de utilizar o momento eleitoral como forma de conscientizar a todos sobre a tragédia do país e da cidade, além da necessidade de uma outra alternativa, socialista.

 

Frequentemente o PSOL também esbarra em seus próprios limites. Isso porque uma parte do seu conjunto ainda é formada por filhos do PT, que não querem, digamos assim, cometer os mesmos equívocos petistas. Mas a questão do PT não passa por ter nascido corretamente e aos poucos ter se deformado. Os vícios do PT são mais profundos; desde cedo, tornou-se um partido prevalentemente eleitoral e parlamentar. Se o partido calibra sua ação para este terreno, deixa de priorizar o que é decisivo, no caso as organizações populares e sociais.

 

Sendo assim, olhemos o erro que o PSOL em parte já vem cometendo: ao invés de centrar seu oxigênio, que não é muito por se tratar de um partido pequeno, na organização das lutas sociais e populares, fica gastando o que tem nas campanhas eleitorais. É o mesmo foco do PT.

 

Não adianta ser mais agressivo na campanha eleitoral, porque a população acaba não dando muita credibilidade a isso. Nós temos de construir a organização popular pela base, pois respaldados nesta organização é que a luta política e eleitoral pode ter alguma conseqüência. Mas que, de toda forma, deve ser sempre secundária, nunca prioritária. Seria preciso, portanto, dar uma virada no caminho que está sendo seguido.

 

O PSOL, infelizmente, em meu juízo e como parte dele, desde sua fundação, tem optado muito mais por tentar crescer nas eleições (algo quase impossível objetivamente) e com isso não tem fortalecido a sua ramificação nas forças sociais do trabalho, nos novos estratos da classe trabalhadora, da classe operária industrial, dos trabalhadores rurais, dos assalariados médios - aos montes pelo país, no telemarketing, no comércio, supermercados, nos trabalhadores informalizados, como é o caso dos motoboys, entregadores etc. -, e nas periferias, onde, digamos assim, se dá o espaço da população pobre. O espaço desta população está calcado nesses cinturões que caracterizam a periferia paulistana.

 

Como o PSOL direciona sua energia, não muito potente, no processo eleitoral, o partido acaba se exaurindo e obtém resultados muito tímidos, ficando paralisado numa luta contra os gigantes e perdendo a possibilidade de se fortalecer nos sindicatos, nas fábricas, nos campos, nos bairros operários e na periferia. Em suma, nos movimentos sociais.

 

Esse é o limite maior da esquerda hoje aglutinada em São Paulo, no caso o PSOL e o PSTU. Eles fazem as denúncias necessárias, mas talvez o movimento devesse ser um pouco diferente, como vínhamos fazendo, ao menos desde a fundação do PSOL.

 

CC: Essa metodologia por você sugerida parece ser praticamente o único meio de fazer com que uma candidatura de outro viés político prospere em meio ao monopólio da mídia e às disparidades financeiras de campanha, especialmente em uma cidade como São Paulo.

 

RA: Claro, primeiro deve-se ter base popular. Segundo, não fazer da eleição um trampolim eleitoral para os políticos. Por exemplo: ao invés de lançar candidatos que já são deputados, como todos os partidos fazem para fortalecer sua votação, deveríamos tentar organizar as bases assalariadas e a partir delas propiciar o nascimento de lideranças políticas que pudessem envolver algum tipo de atuação, mas respaldada nessa base social, o que de certo modo é feito pelo MST, por isso os citei.

 

 

Na medida em que temos pouca organização social e política pela base, em que os partidos não exercitam nenhuma tentativa de elaboração de uma política radical, resta participar do processo eleitoral com tom um pouco mais crítico do que o dos partidos dominantes. Isso não mexe com a população, porque ela não atribui credibilidade a tal proposta e não a vê como factível eleitoralmente. É uma armadilha, da qual é preciso sair.

 

Este é o desafio da esquerda: sair da armadilha eleitoral institucional. Isso não significa não participar das eleições, mas sim participar com outro conteúdo, densidade e substância, que só virão por meio de uma impulsão popular, o que nós ainda não possuímos.

 

CC: Em resumo, deve-se buscar uma força que não existisse somente em épocas de eleição.

 

RA: Pelo contrário, uma força que participaria das eleições sem tê-las como prioridade, pois em primeiro lugar viria sempre a organização e o avanço da causa popular, dentro dos quais a luta eleitoral seria apenas mais uma batalha, não a mais importante, pois as lutas extra-institucionais ocupam este lugar.

 

Um exemplo: a ocupação da USP no ano passado. Teve muito mais importância política para São Paulo, e até para o país, que as eleições. Em um, dois meses de ocupação, a luta social e estudantil autêntica chacoalhou a política tradicional do país. Tantas vezes o MST já fez isso, tantas vezes as greves do ABC paulista paravam o país e traziam uma nova substância à luta política...

 

As eleições têm sido o eterno suceder da mesmice, onde tudo vale para que nada de substancial aconteça. E a população percebe isso.

 

CC: O que vê para o futuro da cidade de São Paulo com a vitória de algum dos candidatos de maior poder?

 

RA: Bom, tanto com Marta, como com Kassab ou Alckmin, para não falar da figura grotesca do Maluf, nós já sabemos como serão seus governos. Todos serão governos que vão recauchutar a cidade sem tocar em nenhuma das suas questões fundamentais. Desde as questões da periferia, da habitação popular, da destruição do meio ambiente da capital, até a própria questão do trânsito, cuja equação passaria por um enfrentamento, por exemplo, da política comandada pela indústria automobilística, coisa que nenhum desses candidatos chegaria sequer perto de fazer.

 

Não que sejam idênticos, não são, mas são faixas de diferenças que não alteram a qualidade entre eles. Dessa forma, com a vitória da PT, do PSDB ou do DEM, teremos variantes distintas do mesmo. O mesmo seria o quê? Recauchutar a cidade e ganhar forças para outras eleições. O que a Marta quer? Ganhar em São Paulo para poder fortalecer em 2010 a sucessão presidencial, por ela própria ou em nome do PT. Vencendo em São Paulo e mesmo não se postulando em 2010, terá a máquina da prefeitura à sua disposição para apoiar a candidatura do PT. O que quer o Alckmin? A mesma coisa, um trampolim para 2010. O mesmo faz o Kassab e o ex-PFL.

 

A população percebeu que são todos políticos de trampolim de plantão. E o PSOL não pode realizar essa mesma política, de ter uma candidatura para fortalecer outra candidatura e assim por diante.

 

 

A bússola da política deve ter um norte completamente diferente do que aquele que se vê no exercício da política tradicional. Isso, portanto, seria o embrião de uma política radical, capaz de combater ao mesmo tempo a política tradicional e a anti-política. Este seria o esboço do exercício de uma política radical.

 

CC: Por fim, como considera que os candidatos devam lidar com o orçamento dos municípios e com a dívida pública?

 

RA: A primeira coisa: a dívida pública, dentro de um país que possui os juros mais altos do mundo, já é uma forma de atar o governo eleito ao exercício da política tradicional e dominante.

 

Portanto, em relação à dívida pública, e isso o Ivan Valente apontou em alguns debates, é inaceitável que uma gestão de uma prefeitura com alguma inspiração popular seja a prisioneira que vemos ser, completamente corroída pelos juros altos, garantidores da remuneração do grande capital financeiro. O orçamento está diretamente ligado a isso e, se parte dele é destinada a garantir a remuneração da dívida, a prefeitura já se encontra semi-aniquilada.

 

Imagino que seriam dois os movimentos necessários: o primeiro é enfrentar a questão da dívida pública não aceitando o pagamento do que já foi quitado há muito tempo, o que acarreta uma luta política complicada, mas imprescindível.

 

O segundo é o seguinte: o orçamento da prefeitura tem de passar por uma discussão nos conselhos populares, de maneira que a população diga em que se investirá ou não. Isso o PT ensaiou em alguns de seus melhores momentos, no que se chamou de orçamento participativo, mas logo abandonou. Muito cedo o PT chafurdou no pior da política tradicional.

 

O orçamento deveria ser a combinação de um planejamento elaborado pela prefeitura sob a condução de conselhos populares. Fora isso, não faz o menor sentido participar da gestão de uma prefeitura somente para gerir a ordem segundo as diretrizes dominantes.

 

Gabriel Brito é jornalista; Valéria Nader, economista, é editora do Correio da Cidadania.

 

 

{moscomment}

Comentários   

0 #13 Armando 08-10-2008 14:28
"O proletariado, dividido e diminuído, deixou de ser crível como agente histórico da transformação social preconizada por Marx". - Eric Hobsbawm.
Citar
0 #12 Armando 26-09-2008 09:49
\"Não é a predominância dos motivos econômicos na explicação da História que distingue o marxismo da ciência burguesa: é o ponto de vista da totalidade.\" - Lukács.
Citar
0 #11 A prática que pode levar até a cegueiraYANG CHUNG 25-09-2008 11:40
Gostaria de fazer uma pequena digressão sobre os dois últimos comentários feitos, ainda que de forma resumida, para não perder muito tempo em discussões que nem sempre vale a pena ter:

1 - Tive a oportunidade de ser formador do MST(de Sergipe)por cerca de 1 ano e é por isso que sei muito bem do que estou falando...Não fiquei em bares da moda da esquerda ou espaços meramente acadêmicos, institucionais.
Na verdade, desde o 1 ano da minha graduação fui em acampamentos, assentamentos e mobilizaçõs(ainda como pesquisador-aqui na Bahia)e depois quando estava fazendo especialização em História Social e Educação) como formador(em quase todo o estado de Sergipe).Além disso, escrevi 2 monografias sobre o MST, sobre a religiosidade popular nos movimentos sociais de Canudos e do MST. Creio que sei algo do que estou falando...

2 -Cansei de uma retórica hipócrita sobre os movimentos sociais, sobre o falso radicalismo do MST(embora reconheça grandes qualidades deste movimento). Refleti muito antes de tecer qualquer comentário sobre o movimento, até para não parecer injusto, mas sejamos bem realistas..Não existe uma perspectiva contra-hegemônica(e com certeza atribuo uma grande importância às questões e discussões teóricas, conceituais para não deturparmos o conceito tão bem formulado por Antônio Gramsci.

3 -Não é apenas a prática da formação e da mobilização que gera uma politização, acúmulo de forças, capaz de gerar uma contestação clarificadora e contestatória que leve as bases a serem protagonistas, particípes do processo de transformação das sua vidas.E, principalmente,de uma forma em que elas compreendam todos os dramas dos séculos do seu própio povo, os motivos das suas derrotas perante a classe dominante ao longo dos séculos e as condições para a construção da sua vitória.
O proceso e interpretação de uma determinada realidade(do ponto de vista conjuntural e estrutural) é guiado pelas vanguardas, pelas direções das organizações que possuem um grau de compreeensão da realidade acima dos outros, das suas bases, embora situação explosiva destas contribua muito para também guia-las. Nesse sentido as direções precisam ter coragem, firmeza(por que não dizer messiânica ?)como afirmou Erneste Bloc e Wlater Benjamin para alavancar a vitória dos trabalhadores?
São as direções que acabam guiando a luta, a capacidade mobilizadora e de avanço desse grande movimento social chamado MST. Mas que se apequenou, sim, porque não deixa claro para a sua base, para a esquerda brasileira e para a opinião pública o que significa o bolsa escola, bolsa família e outras políticas compensatórias que não alteram substancialmente a capacidade contestatória do cidadão, terminando por humilha-lo e deixa-lo como mero esmolar e pedinte.
Pra terminar, creio que uma grande luta é feita com firmeza e identidade de classe inabalável como afirmava Florestam Fernandes! Por isso renunciei a continuar em uma prática que estava me cegando como formador...

Yang Chung é Mestrando do PPGCS da UFBA
Citar
0 #10 Classes (cagetorias) sociais no CapitaliCésar Rocha 25-09-2008 11:33
Meu caro Armando o conhecimento elucidativo da gênese-e-estruturação histórica do SISTEMA capitalista irá te permitir, de maneira fenomenológica a compreensão da "ordem social" (societas)sob a égide do Capital. Sim, cartesianamente o sistema capitalista é dualista. Visto que o "pensée cartesiano" é fundante não somente na ESTRUTURAÇÃO das ciências (direcionalidades) do modo de produção capitalista, como também, sua fundamentação ideológica (justificadora)...cujo triunfo se dá com as idéias iluministras inebriadas de uma "razão soberba". E por extensão das relações sociais! Meu caro, não tem jeito, sob capitalismo, mexe e remexe, mas ao "espremer" só se encontra DUAS CLASSES: capitalistas (expropriadores) e trabalhadores (produtores) envolvidas com a geração de riquezas. È corrente a "presdigitação" dos "pensadores" das diversas Escola de Admnistração para (re)inventar termos, sem conceitos, para escamotear a realidade da espoliação do trabalho e expropriação da riqurza gerada por ele. Ou você imagina que "colaborador" não é trabalhador assalariado, mesmo quando terceirizados e/ou PJs, etc.? Ou ainda, não inporta a forma, mas que os rentitas fazem parte da classe dos capitalistas? Uai, simplista é tua opinião, desprovida de conhecimento histórico e sociológico quanto a natureza da sociedade capitalista! Aí sim está a (im)pura ideologia e (es)mera retórica. Nem um "tiquinho" de dialética, sô. Por fim: quero acreditar que você é uma pessoa séria e indignada diante da SOCIEDADE em que se mora. Saudações
Citar
0 #9 Fuga à luta políticaAntônio Augusto 24-09-2008 15:08
Não adianta à esquerda deblaterar contra as eleições nem fugir ao seu enfrentamento. Só avançaremos pela luta política, em que as eleições jogam grande papel.
Só com a luta política enfrentaremos as terríveis mazelas do capitalismo, no nosso caso ainda acentuadas pelo capitalismo hipertardio e dependente.
O que é necessário é ter propostas acertadas à luta democrática , condizentes com o nível de consciência e as aspirações populares. Só através da luta democrática conseqüente avançaremos para nosso objetivo maior, o socialismo.
Se nos refugiarmos na fraseologia pseudo-radical, ficaremos satisfeitos no gueto, da maneira mais estéril, como o PSTU e grande parte do PSOL.
Ultra-esquerdismo que deixa a direita com mãos livres para agir contra o povo. Ultra-esquerdismo que fortalece o oportunismo de direita em setores de esquerda.
Ultra-esquerdismo que precisa ser combatido para que a política de esquerda ganhe apoio popular, cresça cada vez mais, tenha condições de disputar a direção do nosso país e venha a pôr na ordem do dia a transformação revolucionária do Brasil.
Citar
0 #8 Armando 24-09-2008 15:01
A idéia apriorística da existência de uma classe trabalhadora \"em si\", e em oposição à outra - esse dualismo cartesiano - é muito confortável, mas reducionista, simplista e, ao mesmo tempo, oportunista e burra. Mera retórica e pura Ideologia.

É a metafísica da preguiça mental e do imobilismo, que serve apenas para aplacar as consciências de intelectualóides pseudo-esquerdistas, restritos às academias, aos bares da moda e aos espaços institucionais de militância - e até instâncias de poder - onde os discursos obedecem à códigos pré-estabelecidos, e servem apenas para justificar sua incompetência e inoperância.

Uma classe social se constitui - ou não - num processo dialético entre a \'práxis\' (aquela a que me referi no primeiro comentário) e um pensamento que a critique, para a formação de uma consciência de classe \'para si\'. O que, no Brasil, infelizmente, ainda não aconteceu. Talvez pela origem de classe pequeno-burguesa da nossa esquerda, sempre tão ciosa do seu messianismo, mas incapaz de, na prática, como diz o poeta, ir até aonde o povo está, por puro comodismo.

Por outro lado, é um prazer ler um comentário brilhante como o de Raymundo Araújo Filho. O depoimento comovente de alguém que labuta numa prática real, de superação qualitativa, e que reflete sobre a sua experiência. Que há de se multiplicar pelo exemplo e se constituir como agente eficiente da tansformação social que sonhamos para o Brasil, independentemente das manobras rasteiras e dos discursos vazios dos arautos da transformação, que na prática são reacionários e acabam por barrar, ou atrasar, essa transformação.
Citar
0 #7 Eleições e o mito de SísifoRaymundo Araujo Filho 23-09-2008 11:03
Outro dia estava na fazenda em que trabalho com produção ecológica de leite, quando ao fazer uma tarefa diária e comum em toda a criação de vacas leiteiras, veio-me à memória a história do mito de Sisifo.

Como sabem, o enredo deste arquétipo humano diz respeito á condição de um ser, condenado a carregar uma grande pedra morro acima, vê-la rolar morro abaixo, para ele ir buscá-la e tornar a levá-la para cima e ver acontecer tudo de novo, e pela eternidade. Esta foi a condenação divina, à Sísifo.

E eu, todos os dias a carregar esterco das vacas recém ordenhadas, em várias “viagens” de carrinho de mão, do curral para a esterqueira, distante cerca de 50 metros e com ligeira inclinação para cima, aumentando o esforço para que possamos cumprir tal tarefa, repetitiva e diária, na atividade leiteira. Considero ente o “momento zen” da suave e doce vida no campo.

Lembrei-me logo de Sísifo, relacionando que esta atividade diária exercida no meio rural tem tido resultados econômicos desastrosos para o produtor, apenas engordando os poucos laticínios (muitos estrangeiros) que monopolizam o setor e, de forma cartelizada e ilegal (com o beneplácito dos governos) dita os preços pagos ao produtor. Por isso estamos aqui na fazenda, finalizando a construção de uma pequena fábrica artesanal, para comercializarmos, nós mesmos, nossos queijos e produtos derivados do leite.

Mas Sísifo tem me aparecido constantemente. Outro dia estava dentro do ônibus que me leva da cidade até a fazenda, no final da tarde, em estrada que liga dois minúsculos municípios mineiros, e vi uma jovem de uns 18 anos, sentada no banco da frente lendo.....O Mito de Sísifo. Estranho e pujante país, este Brasil...

Recorreu-me imediatamente o meu pensamento dos dias anteriores, quando carregava o esterco para a esterqueira.

E me veio à memória, a melhor interpretação do mito de Sísifo que conheço. Esta interpretação pertence ao grande escritor argelino, Albert Camus, que no meu entender sempre fez um contraponto intelectual instigante ao existencialista Jean Paul Sartre, este o preferido das esquerdas marxistas e quetais. Camus sempre foi um “maldito”. Muito sedento por independência e autonomia política, para os então partidários de Estálim e do imperial-socialismo, que ainda tinha o seu charme no pós guerra.

Albert Camus, neste seu livro tese sobre o mito de Sísifo, logo na primeira página diz que se a Filosofia emanada por alguns filósofos, fosse seguida pelos seus próprios autores (citando um postulado de Nieztche), nada restaria senão o suicídio para muitos. No meu entender, este foi um fino chiste lançado na direção de Sartre e seu existencialismo (“o inferno são os outros”), ressaltando a visão de um verdadeiro intelectual não colonizado, como foi Camus.

Mas não só isso (seria muito pouco para Camus). Discorre belamente sobre o dilema entre valer ou não valer a pena viver. Acaba com qualquer hipocrisia, muito corriqueira na época, principalmente entre os chamados existencialistas que, mantendo os privilégios de suas vidas burguesas ou pequeno burguesas emanavam uma visão deprimida da existência humana. Camus era da Argélia, país colonizado e trucidado militarmente pelos franceses. Talvez não tivesse tempo (nem estômago) para estas contradições sartrinianas.

Assim sempre foi o existencialismo sartrinano, aos meus olhos. Uma total dissonância entre o pensar e o agir.

Mas Camus fala de Sísifo sob um aspecto totalmente inusitado. Ele busca descobrir que tipo de motivação impelia Síssifo a continuar com energia suficiente para a sua tarefa penosa, inútil e eterna.

Nos brinda o genial escritor argelino, nos estimulando a pensar na sensação de alívio, relaxamento e descanso, sentida por Sísifo, a cada ciclo terminado de sua tarefa-castigo, sensação esta que se dava exatamente quando ele iniciava a descida do morro, de mãos vazias, sem ter de empurrar a miserável pedra, morro acima, completamente extenuado. Um momento de prazer (=gozo) recorrente, previsível e eterno, assim como o seu castigo.

E conclui que é denotando os momentos de felicidade que podemos ter em nossas vidas, que se justifica o próprio ato de viver. A busca incessante da “felicidade plena”, nada mais é do que uma postura neurótica e típicamente pequeno burguesa, e um prato cheio para lamúrias existencialistas.

Ao meu ver, é por isso que o existencialismo de Camus corre para uma direção totalmente diferente ao de Sartre e seus seguidores. Um cidadão, como Camus nascido em um país ocupado e colonizado por outro, não pode se dar ao luxo de choramingos. Tem de decidir, no dia a dia, se a vida vale a pena, e sem os deleites da vida burguesa. Já os sartrinianos....

Penso agora nas eleições brasileiras.

Vejo-as como um exercício semelhante ao castigo imposto a Sísifo. De dois em dois anos, a população é convocada sob festa e arroubos cívicos a “decidir” o futuro da nação, elegendo representantes (que na verdade, têm representado apenas seus próprios interesses). Para, logo depois o pleito, amargar quatro anos de decepções e desmazelos, quanto a atuação de seus “representantes”. O pleito eleitoral seria aquele frugal momento de “gozo cívico” em frente a tal urna eletrônica que, mesmo sem fornecer nenhuma garantia de lisura eleitoral, relaxa e renova as falsas esperanças. Os quatro anos seguintes são os que carregamos nas costas e morro acima as pedras e os eleitos, que se deleitam às nossas custas.

Que motivação pode ter um eleitorado para que, de dois em dois anos compareça às urnas, para eleger representantes ilusórios de sua cidadania? Só me ocorre que, tal como Sísifo, a população na certeza de ter algum parco gozo de dois em dois anos, com as eleições, submete-se nos quatro anos seguintes, a amargura dos desmandos em seu nome, exercido pelos políticos que elege, como se fosse a única tarefa possível para o exercício da cidadania.
A certeza de um parco momento de relaxamento e esperanças (mesmos vãs), já aquieta o nosso povo impedindo que acorde deste pesadelo de dominação econômica, militar e comercial que nos é imposta pelo neoliberalismo capitalista..

Acorda Povo Sísifo! Voto Nulo Nelles!

*Raymundo Araujo Filho é médico veterinário homeopata e admirador de intelectuais verdadeiros.

P.S. - Como forma de angariarmos simpatia popular para a proposta do Voto Nulo como protesto eleitoral, penso que tentar eleger parlamentares que tenham uma perspectiva da utilização do parlamento para a contestação da ordem burguesa, sem a participação no jogo do Poder, ainda vale a pena. Portanto o Voto Nulo para os cargos executivos é a proposta que abraço taticamente, neste momento.
Citar
0 #6 Os limites e dificuldades do MST e dos mYANG CHUNG 23-09-2008 10:21
Concordo com quase todos os elementos que o professor Ricardo Antunes aborda, menos um...Se por um lado o MST se dedica em constuir uma base popular e inúmeras lideranças políticas respaldadas no trabalho de base, de formação, por outro lado, existem inúmeras disputas dentro dos movimentos sobre o lançamento de candidaturas para vereadores e ocupação de cargos(como secretarias). O que muitas vezes freia a capacidade contestatória e de mobilização das suas bases.
O MST faz críticas parciais ao Governo Lula e acaba contribuindo, decisivamente, para a estabilização do bloco de poder vigente.
O MST e outros movimentos sociais representam, no meu entendimento, resistências e enfrentamentos, mas não uma perspectica e contribuição para uma contra-hegemonia, tanto na sociedade civil, como também aonde interfere diretamente na sociedade política.
Caso contrário estaria apoiando no plano institucional o PSOL e o PSTU e de forma explícita, pública!!!
Não adianta o movimento criticar o projeto de Transposição das águas do rio São Francisco e simplesmente apoiar às políticas compensatórias.Aonde está o caráter estrutural, a discussão da ligação da Transposição com o verdadeiro cerne dessa questão?
Não deixo de reconhecer o valor de inúmeras lideranças do movimento pela sua longa trajetória política e também da capacidade de mobilização e enfreantamento que o acúmulo teórico, sujetivo e místico podem gerar, entretanto, insisto que esperava a iniciativa dessas lideranças para que houvessa uma politização gigantesca na sociedade civil e mais especificamente na base do movimento sobre as questões e dilemas estruturais da sociedade brasileira.
Sei que existem inúmeras dificuldades e contradições nesse processo, diversos elementos da nossa formação social que retardam esse avanço, no entanto, creio que a esquerda brasileira e os movimentos sociais(especialmente o MST) perderam uma grande oportunidade histórica de pressionar o governo Lula para que enfrentasse os interesses do capital( como está ocorrendo na Venezuela, na Bolívia e no Equador).
Citar
0 #5 Nem tão assistencialistaFábio Luiz 23-09-2008 05:44
Admiro muito os escritos do Professor Ricardo Antunes, mas penso que se equivoca no instante em que iguala o PT aos demais partidos de direita, sobretudo quando afirma na entrevista, em outras palavras, que o PT reproduz as práticas assistencialistas dos partidos de direita. Em abril estive na Câmara dos Deputados em Brasília torcendo pela aprovação da EC 29 que assegura recursos para a saúde (SUS). Embora não tenha sido votada, fui testemunha de que os representantes do PT acreditam e defendem um Sistema de Saúde público e universal. Não sei se o professor, bem como os leitores, conhecem à fundo a proposta do Programa Bolsa Família e do Sistema Único de Assistencia Social. Vale a pena ler e apreender que sua proposta traz uma perspectiva de emancipação e protagonismo do sujeito social. Desconsiderem no entanto o que alguns prefeitos tem feito com o Programa quando utilizam mal o recurso e desvirtuam a proposta original. É claro que, do meu restrito ponto de vista, o PT erra, como qualquer outro erraria, ao acreditar, por exemplo, que o ensino de graduação à distância como mecanismo de democratização da educação se constitui alternativa viável. Contudo, em nenhum outro momento da história deste país, a noção de política pública de direito foi tão difundida. Não sou filiado ao PT, mas acredito que o governo Lula é o melhor que este país já teve. Pode parecer loucura, mas acho e espero que, misturar-se aos neo-liberais foi somente uma estratégia de \"empatia\" (ver com os olhos do outro), para então mudar, aos poucos, a realidade destrutiva imposta pela direita conservadora e elitista.
Citar
0 #4 Cesar Rocha 22-09-2008 15:26
Pertienente à entrevista. Concordo que falta aos militantes (ativistas) de esquerda a inserção/compromisso com a luta dos excluídos. Relativizar a "via institucional". Retomar a luta de classes. Hoje a esquerda está literária! Em tempo: Armando (do comentário) permita-me discordar do teu comentário. No capitalismo só existe duas CLASSES capitalista e trabalhadores. Não confunda "função/ocupação" com categoria (ôntico) do SER TRABALHADOR
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados