topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
A defensiva estratégica socialista Imprimir E-mail
Escrito por Wladimir Pomar   
Segunda, 15 de Setembro de 2008
Recomendar

 

A defensiva estratégica socialista teve início nos anos 1970. Mas a maior parte da esquerda, no mundo todo, teve pouca percepção de que a vitória vietnamita era o ápice do grande impulso da luta de classes em todo o mundo e que, a partir dela, o que ocorreu foi uma redução gradativa, mas forte, dos movimentos massivos e das guerras revolucionárias que haviam marcado os anos precedentes.

 

Embora movimentos guerrilheiros ainda tenham se mantido em alguns países, quem quer que faça um balanço cuidadoso dos anos que se seguiram à derrota norte-americana no Vietnã vislumbrará facilmente uma curva descendente. Isto, por si só, já seria suficiente para fazer com que os socialistas revissem suas estratégias e considerassem a necessidade de colocar-se em defensiva.

 

Ao lado disso, a União Soviética e os países socialistas do leste europeu esgotavam suas tentativas de construir o socialismo "puro", vendo-se constrangidos a buscar novos caminhos. Os primeiros sinais dessa crise apareceram no início dos anos 1960, e daí em diante só se agravaram. A China, por seu turno, em meados dessa mesma década, ingressou na mais radical tentativa de desenvolver suas forças produtivas através da participação coletiva massiva.

 

Quando os anos 1970 findaram, a União Soviética e os países socialistas do leste europeu, assim como Cuba e Vietnã, já haviam entrado em estagnação econômica e social. E a China, tendo esgotado o empuxo da Revolução Cultural, entrava num intenso processo de reformas para desenvolver-se, incluindo a retomada da economia de mercado.

 

Por outro lado, nesse mesmo período, os países imperialistas da América e da Europa ingressaram numa reestruturação profunda, para tentar superar sua tendência de queda da taxa média de lucro, agravada pelo surgimento de novos concorrentes capitalistas, como o Japão e os Tigres Asiáticos. Beneficiados pela guerra da Coréia e pelos planos norte-americanos de ajuda financeira e econômica para conter a expansão chinesa, o Japão se tornara uma nova potência econômica, enquanto os Tigres demonstravam uma competitividade inusitada.

 

Portanto, durante os anos 1970, seja pelo declínio das lutas de massas e revolucionárias, seja pelo esgotamento das tentativas de desenvolver as forças produtivas por meio do uso exclusivo da propriedade social, seja ainda pelo novo padrão de expansão capitalista, o socialismo já havia entrado em profunda defensiva estratégica.

 

O não reconhecimento desse fato, tanto econômico quanto social e político, levou comunistas e socialistas a adotarem políticas erráticas e a realizarem aventuras dos mais diferentes tipos, à esquerda e à direita, tanto nos países socialistas quanto nos capitalistas. O que contribuiu, em grande medida, para a vergonhosa derrocada dos regimes socialistas, na União Soviética e no leste europeu.

 

Assim, bem vistas as coisas, a defensiva estratégica do socialismo tem causas objetivas bem visíveis, fincadas no declínio momentâneo da luta de classes, na derrota do tipo soviético de construção socialista e na reestruturação que começou a levar o capitalismo a uma nova etapa de seu desenvolvimento.

 

Wladimir Pomar é analista político e escritor.

 

Recomendar
Última atualização em Segunda, 15 de Setembro de 2008
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates