Grito dos excluídos 2008

0
0
0
s2sdefault

 

A 14ª edição do Grito dos Excluídos, com o lema "Vida em primeiro lugar, direitos e participação popular", mobilizou no último 7 de setembro dezenas de milhares de pessoas em todo território brasileiro. O que mais chama a atenção é o caráter nacional da iniciativa que, desde 1995, envolve movimentos e pastorais sociais, entidades e diversas organizações populares. Embora as atividades mais destacadas do Grito tenham ocorrido nas capitais dos estados e no Santuário de Aparecida, interior de São Paulo, a cada ano que passa o movimento se estende a novos municípios, dioceses, localidades, no campo e na cidade. As manifestações refletem uma pluralidade rica e variada de eventos – romarias, caminhadas, celebrações, atos públicos, entre outros –, formando uma ampla rede capilar marcada pela indignação e pela crítica, mas, ao mesmo tempo, pela ação propositiva.

 

São gritos que ganham vida e saem às ruas e praças. Explícitos uns, silenciosos outros, brotam do chão de um país onde os contrastes seguem gritantes. Como lembra o tema deste ano, está em jogo a universalização à população brasileira dos direitos básicos, tais como terra, trabalho, moradia, saúde, salário justo, lazer, transporte público, enfim, por um lado, justiça e paz para todos e, por outro, combate a todo tipo de violência.

 

Três destaques desta 14ª edição do Grito. Primeiro, num painel exposto no Santuário de Aparecida, a população foi convidada a manifestar seus gritos pessoais. Predominou a indignação frente à corrupção na política e nos poderes públicos. Daí a importância de continuar com a "Campanha ficha limpa para os candidatos", em vista das eleições municipais de 2008. Mas não basta! Além desses gritos declarados, há um grito mudo caracterizado pela apatia, o desestímulo e o descrédito popular pelo processo eleitoral que se aproxima. A própria democracia formal e representativa encontra-se enferma. Os sintomas da doença são graves e bem visíveis. É necessário avançar para formas de participação popular efetiva, a partir das bases, se queremos salvar a democracia sem qualquer tipo de adjetivação.

 

Em segundo lugar, o Grito vem incorporando cada vez mais a preocupação pelo aquecimento global e pela necessidade de preservar o meio ambiente, buscando um desenvolvimento e uma civilização sustentáveis, quer do ponto de vista ecológico, quer do ponto de vista social e cultural. Como exemplo disso, podemos citar as mobilizações em defesa do rio São Francisco. E podemos citar também a desconfiança frente à euforia manifestada pelo governo quanto à descoberta das novas reservas de petróleo, o chamado pré-sal. No contexto do aquecimento global, será lícito comemorar a perspectiva da queima de mais combustível fóssil para o ar das próximas gerações, ou investir em fontes de energia alternativa, sem comprometer, por outro lado, a produção de alimentos? Além disso, para quem será destinada essa riqueza? O discurso de que ela poderá servir ao programa de educação, por mais que respire boa vontade, parece não resistir facilmente às pressões dos senhores do petróleo, nacionais e internacionais!

 

Por fim, é sempre oportuno ater-se à espinha dorsal do Grito: a vida em primeiro lugar. Este tema acompanha as manifestações deste o início. Se a exclusão social, a violência e a morte ainda fazem parte do cotidiano de tantos brasileiros e brasileiras, o grito pela vida não pode parar. Ele está na raiz de todos os gritos, simbolizando, simultaneamente, um não ao modelo econômico neoliberal concentrador e excludente e um sim à luta por uma economia solidária e participativa, onde a vida esteja acima do lucro e do mercado!

 

Pe. Alfredo Gonçalves é assessor das pastorais sociais.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #1 Precisamos AvançarRaymundo Araujo Filho 10-09-2008 14:09
Concordo primeiramente que o Gito dos Excluídos é uma manifestação que tem como intuito principal a denúncia e direcionamento da Luta social, através de temas amplos.

Mas, já caminhamo muito. Os Movimentos Sociais até já elegeram e reelegeram um presidente da república, fermentado em seu seuio.

Mas, só andamos para trás. Segundo o MST, o governo Lula fica atrás até ao do FHC, no quesito famíçlias assentadas. E mais, o agronegócio acumulou uma força, como se o governo fosse refém dele. O que não é, em absoluto. A opção de Lula é que é dúbia e equivocada.

Portanto, qualquer reunião do movimento Social, ainda mais em toprno de questões agudas como esta, tem de servir para politizar o povo trabalhador e não anestesiar o seu protesto, a esta altura sem alvo definido, o que perde muito de sua força.

Sob estas reincvindicações descritas, infelizmente unem-se nos palanques Vítimas e Algozes.

Precisamos avançar! E só avança quem rompe círculos viciosos de apoio aos Governos que não cumprem, na verdade, com o combinado.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados