A volta da energia nuclear

0
0
0
s2sdefault

 

Existe uma íntima correlação entre a crise energética e o aquecimento global, afinal, o aquecimento é fruto particularmente da queima de combustíveis fósseis, que emitem CO², o gás básico do efeito estufa. Diante da crise energética mundial, aprofundada pelo aquecimento global, a energia nuclear voltou ao topo do debate. Se durante muitos anos ela foi contestada pelo movimento ambientalista, agora produz contradições mesmo dentro dele, a exemplo do renomado cientista James Lovelock. Para ele, a energia nuclear é a panacéia para a crise de energia e a única resposta imediata ao aquecimento global.

 

Segundo Lovelock, diante da tragédia que pode ser o aquecimento global, todos os outros problemas atuais da humanidade são irrelevantes. Ele defende a teoria, testada em modelagem de computador, que, se a concentração de CO² atingir 500 ppm (parte por milhão) na atmosfera, as algas marinhas morrerão e o aquecimento deixará de ser gradativo para explodir de forma incontrolável. A única forma de evitar esse apocalipse seria a retomada imediata da energia nuclear. Só essa matriz energética teria a capacidade de suprir toda a demanda da humanidade atual, substituindo completamente o uso das energias advindas de matriz fóssil – carvão, petróleo, gás etc. – e dessa forma evitar a emissão de CO² na atmosfera. Nesse caso, vê o uso da energia atômica como um mal menor, até que as demais fontes consideradas limpas – solar, eólica etc. – realmente possam suprir a energia necessária para bancar a civilização humana.

 

Lovelock merece respeito e sua tese merece consideração. Entretanto, ele não questiona o uso predador de energia pela civilização contemporânea e quer salvar o modelo civilizatório a qualquer preço. Mais o que pode ser a saída para os países frios, não precisa ser para um país tropical como o nosso.

 

Cientistas brasileiros afirmam que o Brasil tem sim potencial eólico, solar e de biomassa suficiente para evitar o investimento em energia nuclear. Ainda mais, o Brasil precisa adotar um plano de eficiência energética, já que nosso desperdício é da ordem de 15% do total, suficiente para abastecer todo o Nordeste durante um ano (www.ietec.com.br).

 

O retorno brasileiro à energia nuclear, com mais seis usinas até 2030, sendo duas no Vale do São Francisco, assusta o povo brasileiro, particularmente os ambientalistas. Sua contribuição será de apenas 5% na demanda elétrica do país. Embora a geração dessa energia não emita CO², a humanidade ainda não está totalmente segura em relação aos seus resíduos. Ainda mais, nada garante que a multiplicação de energia nuclear terá sempre fins pacíficos, embora as regras internacionais sejam absolutamente severas. Portanto, minimizar os riscos dessa matriz energética também pode ter conseqüências graves.

 

O Brasil ainda tem tempo, outras fontes de energia seguras e limpas que podem ser exploradas num mixer gigantesco antes de pensar em intensificar seu programa nuclear.

 

Roberto Malvezzi (Gogó) é coordenador da CPT (Comissão Pastoral da Terra).

Publicado originalmente na Família Cristã, n° 873, pg. 38.

 

{moscomment}

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados