Obama contra a mediocridade

0
0
0
s2sdefault

 

O discurso de Barack Obama na Convenção do Partido Democrata, em 28 de agosto, traz novos elementos simbólicos para o cenário político. É claro que não se pode prever que o conteúdo de sua fala irá se traduzir em mudanças concretas, mesmo que chegue à Casa Branca. Também não podemos esquecer o poder econômico que controla os processos eleitorais capitalistas. Porém, a análise deste discurso pode contribuir com nossas reflexões sobre o papel de lideranças políticas na conscientização da sociedade.

 

Pela primeira vez desde o período da Guerra Fria, um candidato à presidência dos Estados Unidos (seja democrata ou republicano) não utiliza como arma central de campanha a ideologia do inimigo externo. Essa simbologia é extremamente significativa, pois foi utilizada para justificar a política externa de guerra que o país tem exercido durante muitas décadas.

 

Podemos citar a ocupação da Coréia, que marca a política do período pós-guerra em 1945, passando pelo apoio à sucessão de golpes militares na América Latina iniciada em 1954 na Guatemala, a invasão da Baia dos Porcos em Cuba (1961), a Guerra no Vietnã (1964 a 1973), o golpe militar na Indonésia (1965), a invasão de Granada (1983), o bombardeio na Síria (1986), a invasão do Panamá (1989), a ocupação do Haiti (1994), a guerra na Somália (1994), a Guerra do Golfo (1991), até as invasões mais recentes do Afeganistão (2001) e Iraque (2003), só para ficar em alguns exemplos. Esta lista é na verdade bem maior e se traduz em milhões de pessoas mortas e feridas.

 

Portanto, é significativo que Barack Obama repita a frase de Martin Luther King, "não podemos caminhar sozinhos", e afirme que a segurança interna do país depende de uma transformação nas relações exteriores. Só o tempo dirá se essa frase vai se traduzir concretamente, pois há obstáculos objetivos, como a própria dependência econômica da indústria da guerra, além da ideologia conservadora que permanece no discurso do próprio Obama, principalmente quando o tema é a "segurança" de Israel.

 

Mas há outro ponto central no programa de governo apresentado durante seu primeiro discurso oficial como candidato. Obama propõe que os Estados Unidos deixem de depender do petróleo do Oriente Médio em um período de dez anos. Seria possível interpretar essa mensagem como uma mudança na estratégia militar do país, já que as intervenções dos Estados Unidos na região têm como principal objetivo o controle do petróleo.

 

Obama propõe que os Estados Unidos tornem-se auto-suficientes em produção de energia e promete investimentos em fontes alternativas, como a solar, a eólica e os agrocombustíveis de segunda geração. Na mídia comercial brasileira, os comentários expressaram opiniões a partir da lógica de um modelo econômico baseado na exportação de commodities e produtos primários. De acordo com os interesses do agronegócio brasileiro, a eleição de um republicano nos Estados Unidos favoreceria a política voltada para o mercado externo.

 

Outras propostas apresentadas por Obama são garantir seguridade social (saúde e previdência) e educação (desde o ensino infantil até a universidade) para toda a população, aumentar os impostos de grandes empresas e diminuir os impostos dos trabalhadores. Simbolicamente, ele resgata a idéia do "sonho americano", mas de uma forma diferente. Na concepção liberal, essa ideologia serve para estimular o individualismo e a mentalidade do "self-made man", onde o que vale é a força de vontade pessoal, pois o sistema econômico é perfeito e não há desigualdade. Portanto, se você está desempregado, doente ou sem-teto, o problema é seu.

 

Em sua fala, Obama reconhece e, mais do que isso, enfatiza as desigualdades econômicas existentes no país e propõe um outro tipo de "sonho americano", onde o Estado é responsável por prover condições de vida com dignidade. Lembrando sua infância em Chicago, Obama cita como "heróis" os operários desempregados. Ele defende também o pagamento igualitário de salários e oportunidades eqüitativas de trabalho para homens e mulheres. Ao terminar o discurso, Obama diz que essa eleição não é sobre ele, mas sobre a sociedade estadunidense.

 

Independente das condições objetivas, ou como se costuma dizer no Brasil, da "correlação de forças", há uma mudança na pauta dessa campanha eleitoral. E essa talvez seja a principal contribuição de uma liderança política: transformar o discurso oficial em um processo de politização da opinião pública. Esse é um elemento essencial para aqueles que pretendem mudar a correlação de forças e não apenas sucumbir diante das estruturas de poder existentes.

 

As análises históricas e atuais da atuação do Partido Democrata nos Estados Unidos não trazem grandes perspectivas de mudanças. Porém, nesses tempos de eleições municipais e alianças para a próxima corrida presidencial no Brasil, o discurso de Barack Obama soa como uma brisa, pois foge da mediocridade e nos lembra que necessitamos de mais inteligência e utopia na política.

 

Maria Luisa Mendonça é jornalista e coordenadora da Rede Social de Justiça e Direitos Humanos.

 

Originalmente publicado na Alai.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #1 Devagar com o Andor....Raymundo Araujo Filho 08-09-2008 14:49
As frases abaixo são de um conhecido político americano. Leia até o final para descobrir de quem é:

1) "a situação melhorou", sobre o Iraque.

2) "O Afeganistão é uma guerra que temos que ganhar"

3) "Depois serão os aliados da Otan que deverão decidir sua contribuição", defendendo o envio de mais tropas (americanas e de seus aliados) para a ocupação do Afeganistão.

4) "muito agradecido pela presença de tropas francesas", agradecendo o presidente fracês, Sarkozy, pela colaboração na ocupação do Afeganistão.

5) "Guerras nunca são fáceis, mas a que se trava no Afeganistão tem que ser ganha"

6) "Acredito que este tem de ser o foco central, o front central, em nossa batalha contra o terrorismo", sobre o Afeganistão.

7) "Um dos grandes erros que cometemos na estratégia depois do 11 de Setembro foi fracassar na conclusão do serviço aqui, em concentrar nossa atenção aqui.", sobre a ocupação do Afeganistão.

8) "Está começando a haver um crescente consenso de que é hora de nós retirarmos algumas de nossas tropas de combate do Iraque, deslocá-las para cá, no Afeganistão, e eu acho que temos de agarrar essa oportunidade."

9) "Nós precisamos de mais tropas, mais helicópteros, melhor uso da inteligência e mais assistência não-militar para conquistar nossa missão lá", sobre o Afeganistão.

10) "A ameaça iraniana é grave, e meu objetivo (...) será eliminá-la"

11) "Precisamos de uma política diplomática que defenda claramente nossos interesses."

12) "Recentemente, acredita-se que a diplomacia não pode ser dura"

13) "deve ser objeto de sanções econômicas e de uma diplomacia direta, agressiva", sobre o Irã.

14) "O Irã é uma grande ameaça."


Pois é...se você pensou em George Bush, ERROU. Todas as frases acima são do candidato democrata Barack Obama. Se não acredita abra os links abaixo e confira:

Frases 1, 2, 3, 4, 5:
http://noticias.terra.com.br/mundo/eleicoesnoseua2008/interna/0,,OI3030632-EI10986,00-Obama+e+Sarkozy+querem+mais+tropas+no+Afeganistao.html

Frases 6, 7, 8:
http://noticias.terra.com.br/mundo/eleicoesnoseua2008/interna/0,,OI3019820-EI10986,00.html

Frase 9:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u422214.shtml

Frases 10, 11, 12:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u408710.shtml

Frase 13:
http://www.estadao.com.br/internacional/not_int203035,0.htm
Frase 14:
http://www.estadao.com.br/internacional/not_int203027,0.htm
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados