Pré-sal e aquecimento global

0
0
0
s2sdefault

A euforia que tomou conta do governo brasileiro e das corporações do petróleo com a descoberta dos campos do pré-sal em nossos mares parece incontida. O presidente já fala em gastar o dinheiro em atividades sociais, o ministro da cultura já reivindica parte do dinheiro para atividades culturais, já se fala no Brasil como potência exportadora, enfim, uma mágica das profundezas da terra para o povo brasileiro.

 

Incrível como é o pensamento linear, sua inflexibilidade mental. A ironia brasileira é que, justamente quando a humanidade tem que encarar o aquecimento global - que tudo indica pôr em risco milhões e milhões de vidas -, quando colhemos todos os frutos amargos da "civilização do petróleo", o Brasil acaba de ser premiado com mais petróleo. Mais uma vez os discursos ufanistas, fáceis, até mesmo irresponsáveis, tomam contam do cenário brasileiro, sem nenhum exercício crítico. A única discussão em pauta é o modelo de exploração dos novos campos.

 

A Petrobrás é fruto da luta do povo brasileiro, a exploração do petróleo em nosso território foi uma longa luta política e tecnológica. Não tínhamos a visão dos impactos que a exploração intensa dessa fonte energética causaria sobre o planeta. Hoje, a opinião de alguns cientistas é radical: "temos que substituir todas as fontes de energia fóssil num prazo de vinte anos para evitarmos o colapso de todo sistema" (Lovelock).

Para fundamentar sua tese, propõe inclusive a energia nuclear como a única capaz de facilitar a transição da civilização do petróleo para uma nova era de energias limpas, por hora insuficientes para bancar a demanda da civilização contemporânea. A energia nuclear seria um mal menor, diante da hecatombe planetária que seria a morte das algas marinhas quando a concentração de CO² atingir 500 ppm (parte por milhão) na atmosfera. Se isso acontecer, a vida só seria possível onde hoje estão os pólos terrestres.

 

Como quebrar a euforia brasileira, ou ao menos ajudar nossas autoridades a colocarem os pés no chão? É possível que corporações e autoridades tenham uma visão mais holística da realidade? Parece impossível. O capital não tem autocrítica e as autoridades postas a seu serviço menos ainda.

 

Roberto Malvezzi (Gogó) é coordenador da CPT (Comissão Pastoral da Terra).

 

{moscomment}

Comentários   

0 #4 ajudem o planeta terra.karla 09-12-2009 09:43
por favor alguem ai conseguiria pensar no futuro de nosso plsneta. a ganancia nao pode ser maior q nossa vontade de viver.
Citar
0 #3 Daiane Dario 16-09-2008 13:44
Adorei seu ponto de vista Roberto.É a mais pura verdade que um mundo que está prestes a sumir não deixa a ganacia de lado, muda de idéia muito rápido e esquece de suas virtudes.
Parabéns!
Citar
0 #2 Antonio Julio 11-09-2008 05:09
Parabéns!!!
Citar
0 #1 Maria Fernanda 07-09-2008 04:14
Então devemos fazer o que com esse óleo? Fingir que não temos ou darmos pros gringos queimarem em suas casas e carrões? Temos direito sim ao nosso ciclo do petróleo, ou só os países ricos têm direito ao conforto?
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados