As muralhas devastadas do rio Xingu

 

Apesar de todas as controvérsias quanto ao projeto de construção da hidrelétrica de Belo Monte, no Pará, o presidente da Eletronorte, Jorge Palmeira, parece ignorar as dificuldades. Pelo menos é o que se pode concluir de suas recentes declarações à imprensa paraense.

 

Segundo ele, até o final de agosto serão concluídos os estudos de viabilidade da hidrelétrica da usina, já no primeiro semestre de 2009 serão concluídos todos os estudos ambientais e de viabilidade econômica do empreendimento e (independente de qualquer resultado que estes "estudos" possam gerar) as obras deverão começar no início de 2010, com uma previsão de cinco anos para entrada em funcionamento da usina.

 

As previsões do presidente da Eletronorte são, evidentemente, bravatas. O cronograma por ele apresentado só seria possível se não houvesse resistências à obra, o que não é o caso. Em defesa do rio, além dos índios e dos ambientalistas, há o Ministério Público Federal, que deve questionar os estudos e o processo de licitação, pois as empresas que estão fazendo os estudos técnicos são as mesmas que participarão da concorrência para a construção das barragens. Eu acredito que esta usina não sai por pelo menos outros dez anos. Mas as armações pelos barramentos do rio, e contra a floresta, seguem em curso acelerado.

 

Acabo de retornar de uma fascinante viagem pelo Xingu, quando subimos o rio até a Terra Indígena Kayapó, no sul do estado, onde, para a minha realização, fomos levados por um cacique a um grupo de macacos-aranha em um ponto excepcionalmente preservado da cadeia de montanhas florestadas que acompanha o curso do rio.

 

wikimapia_rioxingu.jpg
Imagens de satélite - Wikimapia
http://wikimapia.org/#lat=-6.4463177&lon=-51.1083984&z=7&l=0&m

 

A viagem ao Xingu foi parte do que seria um curso de campo para nove universitários desenvolvido na base de pesquisas do Pinkaití, na aldeia Aukre, sobre conservação e a vida social dos Kayapó. Sete deles vieram de universidades norte-americanas e dois da Universidade de Brasília (tendo sua participação subsidiada pelos alunos norte-americanos).

 

wikimapia_projetopinkaiti.jpg
Imagens de satélite - Wikimapia
http://wikimapia.org/#lat=-7.7824314&lon=-51.9079971&z=12&l=0&

 

Lamentavelmente, apesar de nossos esforços de planejamento e organização, os procedimentos burocráticos para concessão de autorizações para cursos em terras indígenas são extremamente complicados e, na última hora, o curso teve de ser cancelado. Porém, ainda conseguimos a tempo a autorização da FUNAI para uma visita às aldeias Kokraimoro e Pykararankre, às margens do grande rio, na porção norte da Terra Kayapó.

 

wikimapia_aldeiaindigena.jpg
Imagens de satélite - Wikimapia
http://wikimapia.org/#lat=-7.4571082&lon=-52.6613438&z=18&l=0&m=a&v=2

 

Graças a esta visita, pude testemunhar o estado de abandono e as altíssimas taxas de desmatamento no município de São Felix do Xingu, além do limite norte da terra indígena, notoriamente as mais elevadas de toda a Amazônia brasileira. Se o contato com este dado pelas notícias dos jornais já dói, nada se compara a testemunhar, a partir do leito do rio, a derrubada em andamento das matas que cobrem as serras que acompanham seu curso, devastando assim as molduras daquele cartão postal magnífico. Serras às vezes tão altas que até lembram a Serra do Mar, na costa brasileira e, conseqüentemente, trazem à memória a triste história da devastação da Mata Atlântica durante os ciclos da cana-de-açúcar e do café.

 

wikimapia_saofelixdoxingu.jpg
Imagens de satélite - Wikimapia
http://wikimapia.org/#lat=-6.6646076&lon=-51.8774414&z=9&l=0&m=a&v=2

 

Alguns dos estudantes que acompanhávamos nunca tinham deixado os Estados Unidos e nenhum dos estrangeiros jamais pisara em um país de terceiro mundo. Na estrada para São Felix do Xingu, a cidade às margens do rio mais próxima à Terra Kayapó, passamos pelo local do famoso massacre dos sem-terra em Eldorado dos Carajás. Ali há hoje um museu improvisado em estado de abandono quase completo e um monumento muito tocante em homenagem aos mortos, erguido pelo MST, que consiste do conjunto de dezenove imensos troncos de castanheiras mortas pelo fogo, reunidos e chumbados no chão com cimento. As árvores queimadas representam cada uma das vítimas do massacre, em um protesto duplo contra a violência aos seres humanos e à natureza.

 

Ao longo das estradas do sul do Pará, ficou claro para os visitantes (se ainda houvesse alguma dúvida) que as leis ambientais brasileiras, como a que determina a preservação de uma elevada percentagem de matas e cerrados nativos em propriedades rurais, não passam de palavras no papel. Quase nada sobrou da vegetação que havia ali. E apesar de o município de São Felix do Xingu ter o maior rebanho bovino do Brasil, cruzando a estrada (em asfaltamento) que leva à cidade na beira do rio, avistei pouquíssimos animais. A explicação que me deram para isso é sinistra: os pastos à beira da estrada já são "velhos", pois foram formados na década de 1980, quando a estrada para o oeste foi aberta. Agora, a maior parte do gado está longe, além da vista de quem corta a estrada principal para São Felix, distante, para o norte e para o sul, em direção à mata. É mais barato desmatar para a formação de um novo pasto do que recuperar uma pastagem velha, que, dentre outras coisas, exige que sua terra seja arada e revirada.

 

Foi somente chegando em São Felix, passando do ônibus para o barco que nos levaria rio-acima, e deixando a cidade para trás, que realmente nos sentimos adentrando a Amazônia. O Xingu é um rio maravilhoso. Suas águas verdes, praias, ilhas e corredeiras são uma alegria para os sentidos. Uma pintura que só não é mais bela porque a moldura de montanhas, ao fundo, sofre um acelerado processo de desmatamento. Nem mais alegre porque o rio, as praias, os pedrais e as corredeiras, que ainda escapam da degradação humana, estão ameaçados pelo avanço das hidrelétricas.

 

O que sobrou da mata da beira do rio na maior parte do trecho até o início da terra indígena estava ressequido, depauperado pelos madeireiros, ameaçado pelo fogo e semi-abandonado. E o que resta da fauna é intensamente caçado, como pudemos perceber pelo número de disparos ouvidos à noite enquanto acampávamos nas ilhas, viajando Xingu acima. Então, espécies sensíveis à pressão de caça, como os macacos-aranha que veríamos mais tarde em abundância, já na reserva Kayapó, não têm como se sustentar ali. Felizmente, cruzados os limites da Terra Kayapó, pudemos apreciar a natureza preservada, como era há até poucos anos em toda a extensão do Xingu.

 

Fomos recebidos com festa nas duas aldeias. Os Kayapó, além de orgulhosos de sua cultura e da preservação de suas terras, estavam felizes com a presença dos estudantes, que pagaram cada um 400 dólares pela visita. Além de desenvolverem uma atividade econômica verdadeiramente sustentável com a visita dos estudantes às suas terras, os índios também contribuíram para a economia do resto do Brasil, pois os norte-americanos gastaram pelo menos outros três mil dólares cada em outras partes do país. E podem contribuir muito mais, se o potencial de aproveitamento turístico de suas terras for desenvolvido.

 

 rodolfo_fotosdoxingu.jpg

 

Fora dos limites da Terra Indígena, apesar de tantos desmatamentos às margens do Xingu, se vi meia dúzia de vacas pastando nessas montanhas foi muito. Desmatamentos, é bom que se diga e repita, duplamente criminosos, pois, além de estarem à beira de rio, o que é proibido (e que rio!), foram feitos na serra, o que também é ilegal. Então, por que, nos dias de hoje, em que se fala tanto em preservação, se desmata tanto justamente ali, bem na beira daquele rio fabuloso? Não se faz nada para evitar esse crime porque, aos olhos dos governantes, não há motivo para aquelas montanhas serem florestadas. Para eles, antes de molduras de um quadro maravilhoso para o deleite dos visitantes do Xingu, elas são as paredes dos reservatórios das futuras hidrelétricas.

 

Rodolfo Salm, PhD em Ciências Ambientais pela Universidade de East Anglia, é professor da Universidade Federal do Pará.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #4 ECOLOGIA X PROGRESSO OU DESENVOLVIMENTO Cléo Amaro de Oliveira Martins 23-04-2010 17:50
O assunto é grave e antigo , ecologia , significa deixar o rio xingu como esta , ou pelo que li como deveria estar. Com matas nas margens , populaçoes assistidas inclusive a indigena. Porém existem o aumento das populaçoes gerando o aumento Kw per/capta, são milhoes , pode implicar SIM EM APAGOES. Como será ficarmos horas nos elevadores trancados, caos nos transportes, hospitais UTIS, mercados com toneladas de alimentos estragados etc. Além disso queremos na área industrial milhares de empregos, a Usina pode gerar,ali no local, e com o uso de matéria prima nacional, e incrementar a industria com KVas.principlamente a metalurgica, e até da construção civil.
Cumpre sopesar ou avançamos para o progresso que esta na nossa bandeira,ou não chegamos ao desenvolvimento. Nós não temos suficiencia energética ainda . Cléo é estudante da Escola Superior de Guerra , Advogado, colaborado r voluntário.
Citar
0 #3 o rio xingu hojemaria juliana sousa dos santos 24-09-2008 15:07
No meu ponto de vista etnico,eu acho
muito errado o que fiserao com o rio
xingu
Citar
0 #2 vigilanteLarissa Barreto 18-08-2008 16:37
Rodolfo esta de parabens pela materia. Eh sempre gratificante pra nos, pesquisadores e profesores univesitarios, saber que existem profissionais preocupados com a preservacao ambiental, com essa visao nao so de mero expectador mas de vigilante. Parabens Rodolfo por voce sempre agir em prol da melhoria da conciencia humana e etica e, contribuir pra abrir a mente nao so dos governantes e empresarios mas de muitos da comunidade cientifica oxidados e bobos da corte.
Citar
0 #1 DesolaçãoNelson Antônio Fazenda 15-08-2008 19:25
Importante e ao mesmo tempo triste testemunho, meu caro Rodolfo. Eu me pergunto se sobra alguma esperança para nós brasileiros e à humanidade ao saber o que está acontecendo aí no norte, apesar de tantas advertências sobre a necessidade da preservação do meio ambiente. O pior é constatarmos que tudo isso ocorre sob o governo que elegemos para agir de uma forma bem diferente dessa. Infelizmente, aqui no sul, apesar de já termos devastado quase tudo o que tínhamos de belas matas, de nascentes e da fauna, a sanha destruidora segue célere. A cada viagem que faço pelas cidades ao redor de Passo Fundo, aqui no norte do Rio Grande do Sul, minha decepção aumenta. Em nome da gana de encher os bolsos com mais dinheiro, nossos agricultores estão destruindo o que resta de matas e "rapando" o topo dos morros. E, como se não bastassem tais crimes, cometem outro ainda pior: a secagem de banhados. É desolador.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados