A crise da esquerda

 

Após a queda do muro de Berlim – que já havia sido precedida por uma forte inflexão à direita dos partidos social-democratas europeus -, boa parte da esquerda mundial passou a observar com muita atenção, e esperança, a trajetória e a ação política do Partido dos Trabalhadores e de seus aliados de esquerda aqui no Brasil.

 

O Brasil é um país marcado por gritantes desigualdades sociais, fortemente pressionado por interesses do capital internacional, mas que, desde 1989, experimentava a polarização de uma frente de esquerda que se afirmava como alternativa real de poder.

 

Essa frente de esquerda foi também um instrumento importante de resistência à ofensiva neoliberal, que nos anos 90 empreendeu em nosso país o programa de mudanças ditado pelos interesses das grandes corporações financeiras transnacionais.

 

A realização dos primeiros Fóruns Sociais Mundiais, em Porto Alegre, reforçou ainda mais essa sensibilidade e crença da esquerda internacional.

 

Contudo, a história que se deu a partir de 2002, ainda na campanha eleitoral que acabou por levar Lula à presidência da República, coroou o próprio ajuste do PT e de seus aliados à nova ordem. A história é por demais conhecida, embora haja graves divergências sobre o significado do que de fato ocorreu.

 

Para os que apóiam Lula, a busca de governabilidade, em meio à crise que se esboçou no ano eleitoral, justificou as posições assumidas pelo novo governo. Para os mais críticos, o novo PT foi apenas a conseqüência de uma metamorfose que se iniciara há alguns anos. Hoje, as evidências sobre a natureza da mudança ideológica e programática dessa frente – agora, acima de tudo, lulista – são gritantes. E tristes.

 

A principal liderança do PT depois do próprio Lula, José Dirceu – apresentado por muitos, no primeiro mandato do atual presidente, como o representante de um "pólo de esquerda" –, depois de afastado do governo, cassado e processado pelo Supremo Tribunal Federal, em denúncia apresentada pelo Procurador Geral da República, circula pelo Brasil e pelo mundo afora como lobista de interesses de grandes empresas nacionais e internacionais.

 

A recente reunião da OMC, em Genebra, expôs de forma cristalina a subordinação do governo aos interesses do agronegócio, comprometendo até mesmo a imagem que procurava ser cultivada de uma política externa independente e progressista. Como se isso pudesse ser possível, em meio às opções de uma política econômica – elogiadíssima por Lula – inteiramente controlada por um Banco Central sob o comando direto de executivos indicados por bancos internacionais.

 

O significado dessa verdadeira tragédia ainda não foi bem assimilado pelos diversos setores da esquerda que insistem em manter o seu apoio a Lula e seus partidos satélites. Sempre encontram as mais diferentes explicações e justificativas para as condutas do governo, mesmo quando ensaiam críticas.

 

Na falta de argumentos frente às evidências das opções preferenciais de Lula, optam sempre pela lembrança de que a volta dos tucanos poderia ser muito pior. Manifestam, até mesmo, muitas dúvidas sobre o que poderia ter sido feito de forma diferente. Expressam, dessa maneira, uma espécie de regressão intelectual ou abalo cognitivo. Podem alegar também a surrada razão ditada pela "atual correlação de forças".

 

No tocante à correlação de forças, a vitória eleitoral de Lula em 2002, em meio a sucessivas derrotas da direita e de seus candidatos liberais em todos os países da América Latina, com as exceções da Colômbia, do Peru e do México, deveria ser levada em conta. Bem como o próprio quadro internacional de expansão do comércio global e liquidez financeira que permitia (ao menos até meados do ano passado) uma razoável margem de manobra para mudanças importantes, conforme nos mostrou a vizinha Argentina.

 

É lógico que a coerência com um programa verdadeiro de mudanças implicaria enfrentamentos importantes com interesses estabelecidos.

 

Mas não seria esse o papel de uma esquerda, por mais cautelosa e prudente? O fato é que questões programáticas elementares, para o início de um processo de transformações estruturais em prol do mundo do trabalho, foram abandonadas, esquecidas ou mesmo renegadas. Pior: são as questões do mundo do capital que balizam o que passou a ser "o possível".

 

Mudanças substantivas na política macroeconômica; reforma tributária verdadeira; universalização, com qualidade, dos serviços públicos; fortalecimento da previdência social pública, como fator de seguridade social e de fortalecimento de mecanismos de poupança financeira estatal, sob controle social; reforma agrária para valer, e como suporte para a afirmação e prevalência de um modelo agrícola baseado na agricultura familiar, com estruturas de produção comunitárias e absorção de modernas tecnologias; além de mudanças no padrão dos meios de comunicação de massa, subordinados ao regime de concessões públicas, particularmente os canais de televisão aberta. Seriam exemplos de iniciativas programáticas, essenciais para colocar o país em uma rota de reformas, em prol do povo e do mundo do trabalho.

 

Mas tudo indica que a outrora esquerda se perdeu. Setores da vanguarda de movimentos importantes, como os dos bancários ou dos petroleiros, parecem muito mais interessados nos negócios dos seus fundos de pensão.

 

A acelerada financeirização econômica, em combinação com a aguda fragilização de mecanismos de seguridade e de solidariedade social, como é o caso das instituições de garantia de direitos sociais e igualdade de oportunidades, jogaram setores do movimento dos trabalhadores em um defensivismo que aponta para a atomização de suas bandeiras de luta e a perda da solidariedade de classe com os demais setores do mundo do trabalho.

 

A crise que vivemos, enquanto esquerda brasileira, em meio a um continente em mudanças, não é decorrente, portanto, de uma abstrata carência de projetos alternativos. Ela é fruto da posição política desses setores, que faziam parte da esquerda e que se perderam por completo em meio à mercantilização avassaladora que contamina a sociedade brasileira, sob a hegemonia dos valores e dos projetos das forças neoliberais.

 

Somente a reconstrução de um novo bloco de forças, não contaminado pela ideologia dominante, poderá criar as condições para a retomada das bandeiras da mudança e da esperança.

 

Paulo Passarinho é economista e vice-presidente do Conselho Regional de Economia do Rio de Janeiro.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #3 Lula - Cabo Anselmo - a continuaçãoCesar Rocha 18-08-2008 12:37
O grupelho chefiado pelo Lula chegou ao poder do Estado brasileiro se colocam regiamente a serviço do Capital. De certo a traição (seus efeitos) é maior que o Cabo Anselmo... afundaram (inviabilizaram?) o "projeto político" das forças de esquerdas e progressitas democráticas. Dia, após dia, os atos do governo Lula são golpes à causa do "povo". Talvez seja o caso de um estudo do "psique" do Lula - diáfano em suas viagens mundo à fora, como se fosse um "bon vivant". Animador de platéia, já disse alguém, enquanto isso seus ministros e assessores "governam e submetem-se" aos interesses do Capital.
Citar
0 #2 Armando 18-08-2008 12:31
A ascensão do lulo-petismo ao poder, precedida de uma tentativa de 'monopolização' do pensamento de esquerda - como se quem não aderisse não pudesse se considerar de esquerda - produziu um resultado perverso: qualquer postura crítica que se tenha a esse (des)governo nos coloca, automáticamente, ao lado da direita.
Claro que ninguém deve se submeter a essa chantagem política, de viés autoritário. Quem realmente se aliou à direita foi quem colocou num posto chave para a política econômica - a presidência do Banco Central - um deputado licenciado do PSDB.
O artigo é brilhante, e o comentário totalmente pertinente.
Citar
0 #1 O Jornalismo \"A Favor\"Raymundo Araujo Filho 15-08-2008 07:01
Ao meu ver, esta opção política "a direita", hoje hegemônica na "esquerda Brasileira" (certas coisas só acontecem ao Botafogo e ao Brasil), é difundida, como uma lavagem cerebral, por próceres do neo Poder, que forhjam um cotraponto com a direita orgãnica e assumidamente ideológica, para forçarem uma refração à esquerda do (des)governo Lulla.

Abaixo, vai um artigo escrito sobre um artigo de Gilson Caroni Filho, sobre a Impostura da Imprensa brasileira.
.............................
"Menas" verdade o artigo do Gilson Caroni Filho, dizendo que a mídia é implacável contra o presidente Lula. Mostra apenas um patamar das críticas e ataques comezinhos que a Mídia Corporativa faz contra o presidente Lula e o PT. Sob este ângulo, é cerrada e insana a panfletagem marron, embora muitas vezes lastreada por fatos e falcatruas, além do velho tráfico de influências, postas a serviço da direitalha, por quem deveria se dar ao respeito.

Mas, há um outro patamar de críticas, aí sim, não ao presidente Lula e o PT. Aportam assuntos como as macro políticas econômicas do (des)governo deste, que foi eleito pra uma mudança de agenda de seu antecessor FHC, mas aprofundou-a, com um marketingue que confunde esmolas com políticas compensatórias, como carro chefe.

Além de ter se igualado moralmente também aos seus antecessores, no que se refere à ética política.

Poderia citar muitas políticas deste (des)governo não criticadas pela chamada Mídia Corporativa, que não passa do maior complexo de panfletagem marron, que se conhece.

Poderia contestar o artigo sobre a crise dos alimentos e a inflação "meramente especulativa". Ora! toda a inflação é especulativa, a favor do Capital. O dado aqui no Brasil é a exposição de nossa economia aos requebros das Bolsas de Futuro dos Alimentos, ao qual Lula vem atrelando a nossa economia de exportação de produtos primários (commodities).
Portanto, as macropolíticas de Lula quanto a paralisação da Reforma Agrária e apoio irrestrito ao agronegócio, é causa e não efeito desta crise. Mas isso, a Imprensa Marron Corporativa não critica. A manutenção do superávite primário, como garantia do pagamento régio ao capital especulativo, com a dívida pública brasileira, é elogiado de forma contumaz, através do silêncio, por esta gente.

Aplaudem também, o consumo financiado pela agiotagem internacional, onde o consumidor para ter acessos a bens não duráveis e tecnológicos, têm de pagar por dois valores, para obter apenas um. É uma agiotagem escorchante legalizada e estimulada pelo (des)governo Lula. Exonera-se salário(=Trabalho) para a voracidade das financeiras, que chegam a ganhar 50%, sobre custo de 2% para o seu capital.

Sobre os Leilões das Bacias Petrolíferas brasileiras, inclusive com restrições para a própria PETROBRÁS participar, além de 8% das compras, cobrem este assunto como se o Haroldo Lima da ANP fosse o ídolo do Capitalismo, mesmo sendo um quadro do quadrado PC do B.

Poderia eu me referir ao estranho silêncio da Mídia Marron para as peripércias do presidente do Banco Central, o inefável HM, a fazer "mini reformas" no sistema financeiro que apenas fizeram aumentar, em média, cerca de 250% as tarifas bancárias.

Sem contar com a transformação da cobrança de impulsos para minuto na telefonia, de forma que as operadoras aumentaram seus lucros e custo de operações em mais do que 100%, do dia para a noite. Poderia eu lembrar ao Gilson Caroni o silêncio generoso sobre o recém escândalo das operações de "Swap" mantidas generosamente aos especuladores pelo presidente do BC, foram retiradas das contas públicas, por darem, só neste semestre, um prejuízo de R$26Bi, que pode ser muito maior, segundo o economista Carlos Lessa, ex presidente do BNDES, e da base aliada do presidente Lula.

Assim, macularia ainda mais o deficite público brasileiro, insustentável a esta altura. Ano passado, em Outubro mais precisamente, a União repassou para o BC, a título de "cobertura" aos prejuízos pela compra de dólar pelo BC, a quantia de R$80 Bi, ignorados por estes que Gilson Caroni diz combater o governo do presidente Lula.

A Imprensa também acaba de silenciar sobre o aumento de 50 para , vejam bem, 1500ha como limite do tamanho de terras a serem automaticamente escrituradas na Amazônia. Afinal, o governo Lula acaba de transfortmar uma Lei que protegeria o pequeno posseiro, para locupletar os grileiros.

Não é não, Gilson Caroni Filho! A Imprensa Corporativa Marron é muito condescendente com as políticas do presidente Lula, ao contrário do que dizes. E, se o é pessoalmente com ele ou não, sinceramente não é do meu interesse. Eu trato é de política. Eles apenas batem, criticam e denunciam comezinhamente e sobre futilidades, o presidente Lula e sua turma. Mas não criticam, em hipótese nenhuma, o (des)governo Lula, pelo menos nas suas (dele) macro políticas, totalmente de acordo com as diretrizes internacionais da Globalização Capitalista, sob a égide do neoliberalismo.

Aqui, não se briga por mudança de Modelo. Luta-se apenas para a gerência da entrega do país, seu Povo e suas riquezas, à sanha assassina dos donos do Capital. Apenas, Lula faz um papel pior a que todos os outros deste conluio. Pois é o único egresso da classe pobre e operária no Brasil, mas que fraquejou moralmente (pois ideologia nunca teve mesmo) frente as enormes tarefas para mudar este país, COM O POVO, e não sem ele.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados