topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Venezuela e Bolívia Imprimir E-mail
Escrito por Frei Betto   
Terça, 12 de Agosto de 2008
Recomendar

 

Andei, em julho, por Venezuela e Bolívia. Dois países governados por figuras singulares em busca de alternativas ao neoliberalismo: Hugo Chávez e Evo Morales. Os dois, eleitos democraticamente (Chávez reeleito).

 

Uma primavera política sopra sobre a América Latina. Após décadas de ditaduras militares (made in USA) e governos neoliberais corruptos (made in Consenso de Washington) – Collor no Brasil, Menem na Argentina, Fujimori no Peru, Andrés Perez na Venezuela e Sánchez de Losada na Bolívia –, os eleitores optam por eleger políticos de extração social popular e/ou identificados com movimentos sociais progressistas.

 

Estive em Barquisimeto, capital musical da Venezuela, a convite da Universidade Politécnica. Participei de seminário sobre extensão universitária como forma de solidariedade aos setores da população marginalizados ou excluídos.

 

Encontrei uma nação dividida. Chávez encarna, para uns, o messias, para outros, o diabo. O primeiro grupo fala entusiasmado das organizações "comunales" (versão venezuelana do orçamento participativo) e da crescente interação entre sociedade civil e poder público. Reconhece a melhoria nos salários, no consumo de bens duráveis (sobretudo carros) e nos serviços de saúde, educação e construção de moradias populares.

 

Montado em seus barris de petróleo (a Venezuela é o segundo exportador para os EUA, depois da Arábia Saudita), o país se dá o direito de promover grandes investimentos em sua infra-estrutura.

 

O repúdio a Chávez vem da oligarquia que, graças aos petrodólares e à corrupção, fazia de Miami sua capital. E também de setores da classe média, descontentes com o freqüente desabastecimento de gêneros de primeira necessidade e a inflação anual atingindo 21%.

 

A oposição, respaldada pelos bispos católicos, acusa Chávez de "cubanizar" o país, devido ao grande número de médicos e professores cubanos atuantes em programas sociais voltados aos mais pobres. Incomoda-se também com a retórica presidencial centrada na Revolução Bolivariana "rumo ao socialismo do século XXI".

 

Em La Paz, participei do encontro de intelectuais e artistas, de vários países, pela unidade e soberania da Bolívia. Presentes, alguns ministros da cultura de países latino-americanos, incluído Juca Ferreira, que agora ocupa o lugar deixado por Gilberto Gil. Tivemos a oportunidade de estar com Evo Morales. Aprovou-se uma declaração de apoio ao seu governo.

 

O plebiscito revogatório é um recurso sumamente democrático (adotado também na Venezuela) que obriga o presidente, em pleno mandato, a se submeter à apreciação do eleitorado. Toda a nação se transforma num grande palco de debates a respeito da administração federal.

 

Morales é uma figura singular. Oriundo da etnia aymara, de líder indígena se tornou dirigente sindical. Num país de 9 milhões de habitantes, dos quais 1/3 vive no exterior em busca de melhores condições de vida, ele trata de fazer a Bolívia se apropriar de suas fontes energéticas, como o gás, e dos minerais preciosos, até agora explorados por transnacionais, inclusive a Petrobras.

 

Chávez e Morales enfrentam o grande desafio histórico de promover reformas estruturais em seus países pela via democrática e pacífica. Os dois sofrem pressão constante da Casa Branca e da oligarquia nativa. Na Bolívia, há um forte movimento por autonomia de algumas regiões, com nítidas tendências separatistas (apoiadas pelo governo norte-americano).

 

Tanto a Chávez quanto a Morales, se impõe a exigência – urgente – de darem consistência à organização e mobilização populares, a seus partidos políticos e, sobretudo, ao projeto de nação que pretendem implantar – o que hoje transparece confusamente numa retórica esquerdista que os pobres não entendem, a classe média teme e a rica repudia.

 

No Brasil, o governo Lula optou por um desenvolvimentismo sem inflação descontrolada e com forte viés social, através de políticas compensatórias (e não emancipatórias) como o Bolsa Família – tudo dentro dos marcos do neoliberalismo. Na Venezuela e na Bolívia, a opção é romper esses marcos e promover reformas estruturais de modo a construir um modelo de sociedade com menos desigualdade e mais participação popular.

 

O futuro é imprevisível. Uma coisa, porém, é óbvia: em nenhuma outra parte do mundo há tanta esperança, tanta busca de alternativas, tanta utopia, como hoje na América Latina. Tomara que o sonho se transforme em realidade.

 

Frei Betto é escritor, autor de "Calendário do Poder" (Rocco), entre outras obras.

 

Recomendar
Última atualização em Terça, 12 de Agosto de 2008
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates