topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Trema nunca mais Imprimir E-mail
Escrito por Gabriel Perissé   
Segunda, 11 de Agosto de 2008
Recomendar

 

Em breve, o trema deixará de ser uma preocupação. Muitos já nem davam importância à sua presença. Agora é oficial, e haverá comemoração: o novo acordo ortográfico prevê seu desaparecimento. Decreta, melhor dizendo, o seu desaparecimento, a sua extinção, a sua inexistência.

 

Sentirei falta dele. Eu que, professor e escritor, lutei durante a vida inteira pelo trema sem temor já posso prever profundas mudanças ao nosso redor. Sem este duplo ponto, nada mais será como antes.

 

O qüinqüênio ficará mais curto.

 

O liqüidificador perderá força e eficiência.

 

A nota de cinqüenta reais ficará desvalorizada.

 

O poliglota qüinqüelíngüe não dominará tão bem os seus cinco idiomas.

 

Os qüiproquós estarão para sempre resolvidos.

 

O pingüim, perplexo, andará menos charmoso.

 

O antiqüíssimo se tornará banalidade sem data, velharia sem graça.

 

Quantas conseqüências serão esquecidas por aí, no banco de praça, dentro do táxi, no meio do caminho!

 

A ambigüidade menos misteriosa, menos atraente, a arte se empobrecerá.

 

A própria Lingüística deixará de ser aquela ciência que outrora foi.

 

Os ungüentos abandonados, inúteis, inócuos, nas estantes e nos dicionários.

 

Tudo o que era subseqüente não terá mais razão de viver.

 

A lingüiça sem cor e sem gosto.

 

A eqüidade arruinada.

 

A tranqüilidade perdida.

 

O alcagüete, envergonhado de fazer o que faz, murmura: "Sem trema... que pena!".

 

Ninguém mais dará crédito ao eqüestre.

 

Vamos rir do seqüestrador, finalmente desarmado.

 

Nada mais deixará seqüelas, no corpo ou na alma, no papel ou na mente.

 

Não haverá mais argüições, e redargüir a ninguém caberá.

 

Contigüidade, coisa do passado.

 

A delinqüência mais freqüente.

 

A grandiloqüência desmoralizada, sem ter o que dizer.

 

Meu tipo sangüíneo se esvairá.

 

Ninguém agüentará coisa alguma.

 

Deus perderá ubiqüidade.

 

A iniqüidade ganhará mais espaço, na rua e na mídia.

 

O aqüífero morrerá de sede.

 

O eqüidistante inalcançável.

 

O triângulo eqüilátero cairá no chão e se quebrará em mil pedaços.

 

A eqüissonância desafinará.

 

Como transitar pela Rodovia Anhangüera outra vez?

 

Os sagüis se esconderão de nós, temendo que deles arranquemos mais alguma coisa, além do trema. Aliás, o fim do trema traz à mente alguns receios. Nada impede que, daqui a algumas décadas, a cedilha seja removida sem dó nem piedade. O til também. E o circunflexo...

 

Desmilingüido, o trema se despede de todos. Alguns lhe dizem: "já vai tarde!". O trema estremece de medo. Abre a porta dos fundos, e some.

 

Gabriel Perissé é doutor em educação pela USP e escritor.

 

Website: http://www.perisse.com.br/

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates