Olimpíadas da China e lixo midiático

 

Num artigo corajoso e lúcido, o respeitado intelectual César Benjamin, que recentemente estreou uma coluna semanal na Folha de S. Paulo, desafinou o coro quase unânime da mídia burguesa na cobertura das Olimpíadas da China. "É deveras impressionante o lixo ideológico que a imprensa tem produzido ao cobrir as Olimpíadas. Em geral, os repórteres buscam sempre os ângulos mais negativos, mesmo à custa de adentrar o ridículo", dispara logo no primeiro parágrafo, o que pode até custar o seu reduzido espaço na Folha, um jornal que se diz pluralista, mas que tem marcado a cobertura com a mais rancorosa manipulação anticomunista, típica dos tempos da "guerra fria".

 

O artigo relata "coisas incríveis" transmitidas pela TV que incomodam até os críticos à esquerda da complexa experiência chinesa. "O locutor ressalta o caráter repressivo do regime, enquanto as imagens mostram, como prova disso, um grupo de guardas de trânsito e câmeras de televisão que monitoram avenidas. O locutor fala do controle do Partido Comunista sobre as pessoas, enquanto na tela aparecem torcedores que preparam uma coreografia. Manifestações com menos de cinco indivíduos são tratadas como acontecimentos épicos. Se houver um pouco maiores, é a prova de que o povo está contra o governo. Se não houver, é a prova de que a repressão é terrível".

 

Já na mídia impressa, como a Folha, "repórteres monotemáticos escrevem todos os dias sobre a falta de liberdade de expressão, carregando nas tintas, para cumprir a pauta que receberam dos chefes. Se não cumprirem, serão demitidos. Defendem, pois, uma liberdade que eles mesmos não têm". Ao final do artigo, César Benjamin apela ao bom jornalismo, mais informativo e menos deturpado. "Agora que os jogos começaram, torço para que o lixo ideológico se retraia, para que finalmente possamos prestar atenção nos atletas. A festa lhes pertence. Tomara que seja linda".

 

A campanha prévia de sabotagem

 

O texto indignado e corajoso da César Benjamin expressa bem o sentimento das pessoas com um mínimo de senso crítico. É deplorável assistir nas telinhas o destaque dado ao discurso petulante do carniceiro George Bush, na abertura dos jogos, em defesa dos direitos humanos. Logo ele que é culpado por um milhão de mortos no Iraque invadido e dizimado; que incentiva abertamente as torturas nos campos de concentração de Guantánamo e Abu Gharib; que banca a Patriot-Act, que restringe as liberdades democráticas nos EUA. É repugnante ouvir o italiano Silvio Berlusconi, o francês Nicolas Sarkozy e outros fascistas europeus condenando a falta de democracia na China, isto após aprovarem a abominável lei da "Diretiva do Retorno" contra os imigrantes.

 

Como já havia antecipado Michel Chossudovsky, professor da Universidade de Ottawa, a mídia mundial promoveu intensa campanha prévia visando sabotar a Olimpíada de Pequim. Sua última e desesperada cartada foi o vídeo do Partido Islâmico do Turquistão contendo ameaças de ataques terroristas na China. No mês de julho, dois atentados no interior foram assumidos por esta seita, "apoiada pelo Serviço de Inteligência do Paquistão, que atua em estreita colaboração com a CIA, a agência de espionagem dos EUA". A campanha midiática contou também com as ameaças do Dalai Lama, o "pacifista" que apoiou a invasão do Iraque, e com outras manipulações grotescas.

 

Apesar da ofensiva, a Olimpíada começou e, como diz César Benjamin, "tomara que seja linda".

 

Altamiro Borges é jornalista, membro do Comitê Central do PC do B e autor do livro recém-lançado "Sindicalismo, resistência e alternativas" (Editora Anita Garibaldi).

 

{moscomment}

Comentários   

0 #4 China ..ahhh...China....Tiago 13-08-2008 11:03
Como diz o comercial...
Citar
0 #3 Tereza 13-08-2008 02:52
Caros
Por razoes de estudo, estou na Inglaterra. Por onde ando, seja na cidade em que moro, no norte, seja em Londres, tem uma camera me 'espionando'. O que eles aqui chamam de CCTV. Os olhos do Big Brother estao la, me olhando, e a todos os demais. O sentido de liberdade, aqui, restringise-se a deles. Estive no museu Britanico, simbolo maior da usurpacao do patrimonio cultural alheio (embora, reconheco, e fantastico), e pasma, vi uma placa, em que o museu, 'compungido' com a destruicao de Bagda (quem destruiu?), esta oferencendo apoio para recuperacao daquele patrimonio. E finaliza por nos convidar a visitar a 'sala' onde algumas das novas riquesas sao exibidas. Pois bem, aqui a cobertura ds Olipiadas chega a enojar. Cada medalha ganha pela China e quase lamentada pela imprensa. Finalizo com uma interessante frase (e conselho) que li de manifestantes chiseses em relacao a cobertura da midia inglesa sobre a crise no Tibet: 'Estudem historia, nao Midia!'
Abracos
Citar
0 #2 nem exageros nem segueirakathyne walcker 12-08-2008 19:05
É de comum acordo que a mídia global está usando do sensacionalismo para \"atacar\" a China, mostrando ao mundo suas piores características. Esta é de fato, e obviamente, mais uma arma dos países capitalista para tentar abalar e até vingar-se da china pelo sucesso do seu capitalismo social. Mas por outro lado também não se pode esquecer que nada irá livrar a China de ser um país antidemocrático, o USA invadiram o Iraque por petróleo, mas lá existe a liberdade de expressão e religiosa, realidade bem diferente da vivida pelos chineses, e vale lembrar que está já matou muitos e continua matando no Tibet e no Curdistão. o que quero dizer é não podemos mostrar apenas o lado podre da China, ela é um país rico culturalmente e isso precisa e deve ser valorizado, mas não podemos fechar os olhos para os horrores praticados pelo estado.
Citar
0 #1 Olimpíadas da China e lixo midiáticoCarlos Ruy N Barbosa 12-08-2008 13:03
O Altamiro e o Cid a guisa de, com razão, reclamar da posição coletiva da impresa em ressaltar sempre os fatores negativos do sistema Chines, passam direto para a defesa ampla e irrestrita do sistema sem fazer as necessárias críticas. As duas posições estão erradas, somente a da mídia em geral faz mais "barulho". Altamiro e Cid: é necessário ser criticamente verdadeiro, afinal não dá para defender a China quanto ao Tibet, ou de qualquer outro país ao desrrespeito aos direitos humanos.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados