CEBS do Nordeste

 

Lá foi o trem das CEBs do Nordeste em direção a São Luis, carregando em seu matulão o xote, maracatu, baião, fé, axé, alegria, esperança e luta. Não faltou o "boi de São Luiz". Na simplicidade de sempre, nas dificuldades de sempre, na luta de sempre. Cerca de 500 pessoas, tirando recursos do próprio bolso para poder estar lá, pensar, celebrar e ir à frente.

 

Padres, muito poucos, mas fiéis. Bispos, menos ainda, mas proféticos. Os religiosos e religiosas do meio popular nunca faltam.

 

Qual a missão da Igreja de Base na luta ecológica do Nordeste? Essa era a pergunta fundamental. E já existe tanta luta! Nossas comunidades estão envolvidas com as cisternas, com as sementes, com a reciclagem do lixo, com a luta pela terra, com as populações de rua das grandes cidades, lendo a bíblia com um olhar ecológico. Os índios de várias nações estavam presentes. Desse velho baú sempre é possível retirar coisas velhas e novas.

 

A região Nordeste é a mais ameaçada pela mudança climática no Brasil. Cada grau de elevação na temperatura tem efeitos desastrosos para nossa realidade. Segundo os geógrafos, mesmo na atual condição climática do planeta, o Nordeste é a única região brasileira sujeita à desertificação. A Amazônia pode até virar uma savana, mas não um deserto. As demais regiões brasileiras sempre terão chuva, a não ser que a mudança climática altere todo o clima do planeta. Mas aí já será outra história.

 

Por ora, o Nordeste tem beleza, praias, sol, biodiversidade, água abundante e mal aproveitada e, sobretudo, tem um povo que dança melhor, que canta melhor, que vive mais feliz, apesar de todos os pesares. Não é o paraíso em função das injustiças sociais e da pobreza, mas bem que poderia ser.

 

Nossas lutas não têm sido vãs. As últimas estatísticas dizem que a mortalidade infantil por aqui caiu 70% nos últimos 10 anos. Não é preciso ser mágico para saber que se deve à melhor qualidade de água das cisternas, do trabalho da Pastoral da Criança, de algumas políticas governamentais de apoio às populações mais pobres. O mínimo do mínimo já é suficiente para salvar tantas vidas. Portanto, já é a diferença entre a vida e a morte.

 

Nossas comunidades nordestinas hoje não estão sós, já não são a força hegemônica nas mobilizações de base. Mas continuam vivas. Quem não acredita, precisa ver: basta ouvir o toque da zabumba e um texto do evangelho.

 

Roberto Malvezzi (Gogó) é coordenador da CPT.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #2 Lutas e LabutasPedro Cerqueira Melo 03-02-2009 21:01
Olá camaradas, sou Pedro Melo um sertanejo de Santanopolis, e vivo em Cruz das almas na Bahia e milito na PJ, sou catequista, e participo do sindicato motivado por esta IGREJA, QUE É VIVA E ESTAR PRESENTE NO MEIO DO POVO.
Como é importante e eficaz aparticipação das CEBs na contrução da vida aqui no Nordeste, e como muitos camaradas da nossa igreja comanda projetos de vida e dignidade para a população do nordeste, seja nas associações, nos sindicatos, nos partidos e principalmente nas PASTORAIS, bem como, familia, juventude, "como são aguerridos nossos jovens',e outras que rvelam a presença de CRISTO na história.
Citar
0 #1 parabenizarjose manoel da silva neto 01-08-2008 13:59
venha aqui parabenizar o correio pela matéria colocada, pois as cebs é o caminho do século, pois lá estão os profetas e as profetizas...
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados