topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Os ribeirinhos do Médio Xingu (1) Imprimir E-mail
Escrito por Lisa Feder   
Terça, 15 de Julho de 2008
Recomendar

 

Subindo o Rio Xingu, de Altamira, em uma longa canoa de metal, em direção ao sul, apreciamos o frescor da paisagem. O nível da água estava alto, era estação chuvosa e por instantes o céu ficava azul e brilhante, marcado por nuvens brancas inchadas. De tempos em tempos, uma clareira pequena aparecia na floresta, com uma ou duas casas feitas de madeira ou palha, com canoas compridas de madeira estacionadas à margem do rio e, de vez em quando, um ou outro barco grande de madeira, coloridos. Passamos por várias pessoas pescando na beira do rio com redes e linhas. Nosso barqueiro, Herculano, soltava um grito de saudações a todos por quem passávamos e cada um deles inevitavelmente respondia a saudação. Eles são ribeirinhos. Herculano também era um.

 

O Rio Xingu corta o Pará quase inteiro de norte ao sul e é um dos maiores tributários do Rio Amazonas. Em alguns pontos, mede até mais do que um quilômetro de lado a lado. E é salpicado por milhares de ilhas, grandes e pequenas. A posse do rio e de suas margens são extremamente valiosas ao Brasil. A água na estação chuvosa representa um recurso energético enorme e o governo brasileiro tem tentado há algum tempo construir uma barragem hidrelétrica nessa região. Em 1989, o Banco Mundial, que havia aprovado um projeto de financiar a barragem, foi forçado a cancelar seus planos graças aos enormes protestos dos povos indígenas, os quais ganharam reconhecimento internacional. Se a barragem fosse construída, inundaria algumas áreas indígenas e diminuiria o nível do rio em outras áreas, ameaçando o sustento dos ribeirinhos. Aspirantes a fazendeiros, madeireiros e outros vêm em multidões (como bandos de aves de rapina) à região da Bacia do Rio Xingu, perseguindo as terras parcamente habitadas e os preciosos recursos que a floresta amazônica e o rio dão.

 

Nós éramos sete pessoas no barco, incluindo o piloto. Russ e eu somos os únicos norte-americanos. Estávamos filmando um documentário sobre economias alternativas da região amazônica que geram renda sustentável com produtos renováveis da floresta, como a venda internacional do açaí e da castanha, entre outros. Além da roupa básica, levávamos redes, mosquiteiros, e, mais importante, duas câmeras de vídeo de alta-definição, que protegemos da chuva com uma enorme lona amarela. Nossa equipe incluía uma liderança ambiental local, Tarcisio, seu filho de 14 anos e Herculano. Também levamos um técnico de rádio-amador e três rádios para instalar em três comunidades ribeirinhas. Às vezes um ribeirinho ou dois pegava carona conosco.

 

Herculano não estava apenas sendo simpático com os seus gritos de saudação. Ele conhecia cada uma das 56 famílias ao longo da enorme porção do rio Xingu entre Altamira e São Félix do Xingu. Ele nasceu numa família de ribeirinhos que tem vivido na beira dessa gigante serpente aquática por gerações. Ele cresceu na roça, pescando e coletando frutas, vegetais e castanhas na floresta. Hoje, ele é marido e pai orgulhoso de dois jovens. Mas agora, ao invés de viver da terra, a família ocupa um pequeno apartamento na cidade de Altamira.

 

Herculano nos descreveu o dia em que lhe foi dada a ordem de desocupação da sua terra. Os homens chegaram à casa dele mostrando títulos da terra, argumentando que os títulos são a prova da posse da terra. Falaram para Herculano que ele estava ocupando a terra deles e que ele deveria partir com todas as suas coisas dentro de alguns dias. Chocado e confuso, ele decidiu obedecer. Alguns dias depois, ele parou um barco indo para Altamira e embarcou o que tinha, com a esposa e duas crianças, indo morar na cidade. Quase sem um trocado e sem noção da vida na cidade, ele começou a buscar um lugar onde sua família pudesse ficar. Logo, Herculano encontrou Tarcisio, ligado aos povos tradicionais, que cresceu em Altamira perto de grupos indígenas e ribeirinhos. Tarcisio contou-nos que a família de Herculano não foi a única a receber tais ameaçadas. Ele explicou que os fazendeiros compraram títulos ilegais de propriedade da terra de grileiros. Com o suporte de Tarcisio, Herculano se deu conta do seu novo papel na vida, como advogado dos direitos humanos da comunidade de ribeirinhos.

 

Nos quatro anos seguintes, Herculano subiu e desceu o rio falando com seus vizinhos ribeirinhos, registrando depoimentos e levando-os ao governo, em Altamira e Brasília, enquanto a família dele ficava na cidade. Então, ele foi reconhecido entre os fazendeiros e grileiros como uma ameaça aos seus objetivos de ocupação inteira da terra e foi colocado pela máfia local em uma posição alta na lista de executáveis, junto com seu amigo Tarcisio.

 

Agora, nós, Russ e eu, estávamos com esses homens, da lista de executáveis, viajando a várias dessas comunidades locais que decidiram ficar na sua terra e agüentar as ameaças dos fazendeiros. Nós estávamos ali para filmar depoimentos a fim de mandá-los à capital, Brasília, para uma reunião sobre os direitos dos ribeirinhos que aconteceria na semana seguinte. Antes de subir no barco, me preocupei, pensando na ansiedade da minha família lá nos EUA. Não ajudou nada Tarcisio ter nos falado, ainda no hotel em Belém, que a viagem poderia ser perigosa. Racionalizando, imaginei que esses grileiros responsáveis pelo assassinato da irmã Dorothy Stang, em 2005, não me conheciam e não teriam nenhuma razão para me matar. Mas eu também não queria estar na linha de fogo!

 

Continua

 

Lisa Feder é antropóloga norte-americana e faz trabalhos na Terra Indígena Kayapó.

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates