topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
O preço do índio Imprimir E-mail
Escrito por Rogério Grassetto Teixeira da Cunha   
Sexta, 11 de Julho de 2008
Recomendar

 

Você sabia que o preço do índio subiu mais de 1500% em pouco mais de três anos, valendo mais de mil dólares o quilo em agosto de 2006? Refiro-me aqui ao elemento químico índio. Isto vem ocorrendo devido à exploração e uso cada vez mais intensos e à diminuição dos estoques, tal como tem acontecido com um sem-número de outros minerais. O problema é que extraímos recursos naturais para a produção de bens e serviços como se eles tivessem suprimento infinito. Isto se dá não só com minérios, mas com petróleo, gás, energia e água (para não falar das espécies animais e vegetais), com tudo, em suma. Esta é uma relação doente com o planeta. Para piorar, os arautos e soldados do modelo econômico vigente ainda defendem com unhas e dentes na mídia a necessidade imperiosa de crescimento constante, infinito e o mais acelerado possível. Ou seja, além de extrairmos os recursos como se eles não tivessem fim, ainda colocamos o pé no acelerador e achamos isso bonito.

 

Certos cientistas já começaram a tentar quantificar o tempo que as reservas de certos elementos químicos irão durar. Os resultados, em muitos casos, são alarmantes. A revista de divulgação científica New Scientist publicou um interessante artigo a este respeito ("Earth's natural wealth: an audit", do volume 2605). As reservas de zinco (metal utilizado para inúmeros fins, desde a fabricação de telhas até processos de galvanização), por exemplo, devem acabar em 2037. O famoso chumbo, usado para fabricar desde pesos para pesca até canos e pilhas, deve agüentar ainda uns 40 anos. Já o ouro poderá durar um pouco mais: 45 anos. A sua irmã pobre, prata, não está tão bem: as reservas devem resistir por 29 anos. Já o menos conhecido antimônio, fundamental para a fabricação de alguns medicamentos (como este que vos escreve pode atestar, por ter tomado o dito cujo para curar-se de leishmaniose), além de materiais anti-chamas, deve durar de 15 a 30 anos se nada for feito em termos de reciclagem. E a tenebrosa lista prossegue: estanho (40 anos), urânio (59), cobre (61), níquel (90).

Em todos os casos citados, os prazos de validade dos estoques minerais literalmente despencam se considerarmos a hipótese do mundo consumi-los a taxas que sejam apenas a metade das apresentadas pelos EUA. Desnecessário lembrar que chegar a taxas iguais às americanas é o sonho dourado da maioria dos economistas.

 

No caso de elementos químicos menos conhecidos, mas amplamente utilizados, as durações calculadas são igualmente assustadoras. Quatro deles chamaram-me particularmente a atenção. O térbio parece ser o mais crítico de todos. O elemento, usado na fabricação de alguns tipos de lâmpadas fluorescentes (além de lasers e alguns equipamentos eletrônicos), tem reservas estimadas até 2012, antes mesmo que a Copa do Mundo venha ao Brasil. Vejam que o colorido da festa já pode ficar prejudicado por falta de térbio. Você sabe em casa quando o açúcar ou o arroz estão acabando. Mas não tem noção quanto ao térbio disponível no planeta. Mas atenção, ele está acabando. E, diferentemente dos grãos, não dá para aumentar a sua produção, porque o que há já está pronto, disponível na natureza. As buscas por novas reservas podem ser intensificadas, mas isso também tem efeito limitado. Mesmo argumentando-se que as estimativas são alarmistas (como feito para alguns elementos), e mesmo que os prazos sejam maiores, isto não invalida o aspecto fundamental: as reservas minerais são finitas. Ponto.

 

O háfnio, um metal de nome exótico, que será cada vez mais empregado nas novas gerações de chips de computadores (além de ser necessário em reatores nucleares e alguns tipos de lâmpadas incandescentes), talvez acabe em 2017. O metal índio, lembrado no começo do artigo, é cada vez mais importante em tecnologias emergentes, como uma nova geração de células solares (de painéis fotovoltaicos, usados para conversão de energia solar em elétrica), além de ser usado em telas de cristal líquido, deve durar ainda de cinco a dez anos.

 

No caso do tântalo, utilizado na fabricação de equipamentos eletrônicos compactos (como telefones celulares e computadores), lentes de câmeras fotográficas e motores a jato, as implicações foram mais além. A matéria da New Scientist lembra que a guerra civil na República Democrática do Congo, de 1998 a 2002, tinha como um dos motivos o controle das riquezas minerais do país, dentre elas as maiores minas de tântalo na África. Imaginem quantas guerras não surgirão em função dos estoques destas várias outras substâncias que tendem a acabar rapidamente.

 

Infelizmente, os recursos minerais da Terra são finitos. E uma hora vão acabar. E logo, como no caso de vários exemplos que citei. A despeito de inúmeras pessoas e movimentos lúcidos virem alertando para isto há algum tempo, não se percebe mudança significativa de rumos da economia global. Pelo contrário. Pode-se notar inclusive certo "contra-ataque" ao movimento ambientalista, demonizado como inimigo do emprego e do desenvolvimento.

 

Ainda assim, tenho esperança de que a humanidade, conforme os minérios e elementos químicos comecem a acabar, passe a dar-se conta do absurdo de tratarmos os recursos naturais como se eles viessem de fontes infinitas. Aí talvez percebamos que a reciclagem é o mínimo dos mínimos a ser feito, não só com latinhas de alumínio e papelão, mas com o háfnio, o térbio e o índio, com todos os recursos naturais. Talvez comecemos a perceber que necessitamos de uma nova forma de lidar com o planeta, que precisamos de uma sociedade que não seja voltada ao consumismo e de uma economia que não seja baseada no absurdo princípio do crescimento eterno.

 

Rogério Grassetto Teixeira da Cunha, biólogo, é doutor em Comportamento Animal pela Universidade de Saint Andrews.

 

E-mail: rogcunha(0)hotmail.com

 

Recomendar
Última atualização em Segunda, 14 de Julho de 2008
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates