Kaputt, de Curzio Malaparte

 

Há livros que fazem grande sucesso em uma determinada época e depois saem praticamente de circulação. Alguns deles não ultrapassam o interesse momentâneo do público pelo tema que abordam e não têm mesmo porque permanecer. Outros, porém, embora escritos para responder a um momento da história, alcançam uma profundidade que os atualiza quando o assunto que os motivou volta à baila.

 

É o caso de Kaputt, uma obra de grande sucesso nos anos que se seguiram ao fim da Segunda Guerra Mundial. Seu título diz tudo; no idioma alemão, Kaputt quer dizer quebrado, acabado, que se fez em pedaços, que foi à breca.

 

O autor do livro, italiano Curzio Malaparte, mistura de escritor, teórico político, "salonier" e aventureiro, surgiu no mundo literário nos anos 20 com um ensaio de ciência política – ‘A técnica do golpe de Estado’ – a respeito da Marcha sobre Roma de Mussolini, em 1922.

 

Malaparte, inicialmente um teórico do fascismo, rompeu com essa ideologia ainda nos anos 30. Andou preso e perseguido, mas nos anos 40, mercê de sua amizade com o genro de Mussolini, o conde Ciano, conseguiu partir para a frente oriental como correspondente de guerra do jornal Corriere della Sera.

 

livro_kapput_gd.jpgO livro relata suas observações sobre as atrocidades cometidas pelos exércitos alemão e russo na Segunda Guerra Mundial na frente leste (Ucrânia, Polônia, Finlândia). Observações tanto do ângulo das trincheiras e aldeias ocupadas pelo exército alemão quanto dos salões dourados dos aristocratas, embaixadores e generais, que funcionavam normalmente em plena guerra e com os quais mantinha relações.

 

Contrapondo essas duas óticas, Malaparte retratou com frieza implacável a absoluta impotência da elite européia - culta, rica, refinada e profundamente alienada - frente à truculência do nazi-fascismo. Essa elite derrotada, mas conivente, assistia com horror, mas sem qualquer reação, a desintegração política e moral do seu mundo.

 

A violência da guerra não distinguia pessoas, animais, natureza. Tudo foi de roldão, na avalanche causada pela mescla de ódio e medo que comandava o comportamento dos dois exércitos em luta.

 

No momento em que o mundo é palco de guerras sangrentas armadas pelos países capitalistas contra as nações pobres do Oriente Médio e em que as nações africanas, assoladas pela miséria, lutam desesperadamente pela sobrevivência no meio de conflitos fratricidas, Kaputt volta a ser atual.

 

O livro narra o que acontece quando as pessoas preparadas, de bom senso, bem situadas na vida, por indiferença com a sorte dos demais, por medo de perder posições ou por mero comodismo, deixam de atalhar, enquanto é tempo, as obscuras forças que habitam o inconsciente coletivo da humanidade.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #1 ProfundidadeMarcio de Sena Bonini 27-11-2008 12:41
Possuo o livro e posso afirmar, a história é contada com muita profundidade, chegando a parecer surrealista em determinados momentos. Além de literatura encontra-se uma crítica contumaz ao comodismo da classe mais abastada da Europa.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados