topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Perversão tributária Imprimir E-mail
Escrito por Osiris Lopes Filho   
Qui, 26 de Junho de 2008
Recomendar

 

Critica-se o sistema tributário nacional por se apoiar, em demasia, em tributos indiretos. No mínimo 70% da nossa arrecadação tributária concentram-se nesse tipo de tributos: II, IPI, ICMS, PIS, COFINS, FUST.

 

Essa denominação deriva do fato de a pessoa que tem a incumbência legal, por ser o contribuinte do tributo, de realizar o seu pagamento conseguir transferi-lo para terceiro, por mecanismo de mercado embutido no preço da mercadoria ou serviço.

 

No ciclo econômico, da produção ao consumo, essa transferência vai sendo realizada mediante os tributos que incidem nas suas várias etapas, até ser absorvido pelo consumidor final, incluído no preço de aquisição.

 

Já houve época em que, na teoria tributária, se fazia distinção entre o contribuinte de direito e o de fato. Contribuinte de direito assim considerado o determinado pela lei, e que tem o encargo de pagar o tributo; contribuinte de fato, o que absorve o montante do tributo, incluído no preço final da mercadoria ou serviço, vale dizer, o que paga o pato.

 

Condena-se esse tipo de tributação pelo seu efeito regressivo. Como tal, considera-se que, quanto menor for a renda disponível do consumidor final dos bens adquiridos, maior será a carga tributária absorvida nessa aquisição; por outro lado, quanto maior a renda, menor será a carga tributária do consumidor final. Beneficia os ricos, sacrifica os pobres.

 

Por ocasião da mais importante reforma tributária ocorrida no país, em 1966, foi objeto de debate a forma de se realizar a incidência dos tributos que se aplicam sobre as vendas. Decidiu-se espertamente. Esconde-se o tributo do povo. O IPI, que se aplica sobre os produtos industrializados, em operações majoritariamente praticadas entre o produtor e o comerciante, é calculado "por fora". Por exemplo, numa operação em que o preço do produto é de R$ 100,00, e a sua alíquota 20%, o montante do IPI constante na nota fiscal será R$ 20,00. Já o ICMS sobre a mesma mercadoria, a uma alíquota de 25%, será calculando "por dentro", incluído o imposto no preço da mercadoria. Na nota fiscal não aparecerá. A conseqüência é a de que essa alíquota de 25% será nominal, pois a alíquota efetiva será de 33%. O consumidor final, que absorve a carga tributária, não vê o imposto e não dimensiona o seu peso. Paga e não bufa.

 

A proposta do governo Lula de reforma tributária (PEC 233/08) prevê a criação de um novo tributo sobre circulação de bens e prestação de serviços, atribuído à União, mantendo o IPI da União, o ICMS dos estados e o ISS dos municípios. Portanto, agrava-se a carga tributária indireta sobre a mesma materialidade econômica. Explicitamente estabelece que esse novo imposto "integrará a sua própria base de cálculo". Forma matreira de declarar que o seu cálculo será "por dentro". Esconde-se o imposto, aumenta-se a alíquota efetiva, engana-se o povo consumidor, que mais uma vez pagará uma conta espoliativa. Discurso generoso, ação perversa. Eis a realidade.

 

O presidente Lula, em episódios desagradáveis de seu governo, tem declarado que o que ocorria não era do seu conhecimento.

 

Pois bem. Sirvo-me deste artigo para alertar. Constitui fato vergonhoso introduzir dispositivo na Constituição que consagra a enrolação e a espoliação do povo brasileiro. É demais.

 

Osiris de Azevedo Lopes Filho, advogado, professor de Direito na universidade de Brasília (UnB) e ex-secretário da Receita Federal. E-mail: osirisfilho(0)azevedolopes.adv.br

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates