topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Quem criou Vinicius? Imprimir E-mail
Escrito por Manuel Domingos   
Terça, 24 de Junho de 2008
Recomendar

 

A bestialidade do tenente Vinicius Ghidetti e de seus comandados desperta perguntas difíceis. O Exército deve voltar-se para a ordem pública? Há oficiais negociando com bandidos? O Exército envolveu-se em ações eleitoreiras?

 

O ambiente eleitoral favorece o destaque às maquinações do bispo Crivella, mas a primeira pergunta, de longe, é mais relevante, já que diz respeito à destinação da força militar custeada pela sociedade.

 

Uma força armada se organiza em vista de inimigos potenciais ou declarados. Contra quem o Exército deve se preparar? O problema sempre esteve em pauta, complicando-se desde o fim da ditadura militar e da guerra fria, quando o comunismo deixou de ser visto como grande ameaça. As Forças Armadas ficaram sem inimigo claramente definido.

 

Frente à insegurança das cidades, muitos vêem no Exército um possível instrumento contra a bandidagem. Comandantes militares rejeitam, sem solidez, a idéia; argúem problemas jurídicos. A questão está em aberto, como mostra a fala do governo diante das repercussões do crime. Em nome do presidente Lula, o general Jorge Félix vê o caso como fato isolado, insuficiente para a retirada das tropas do local; o ministro Jobim e o general Enzo Peri, comandante do Exército, defendem que a corporação continue agindo na cidade, mas com tropas "mais preparadas".

 

Preparadas para quê? No passado remoto, o Exército recebia missões voltadas para a "ordem interna", caçando escravos foragidos e massacrando sertanejos insubmissos; depois, perseguiu comunistas. Raramente enfrentou tropas estrangeiras. Hoje, há tropas preparadas para combater bandidos? Estivessem claramente voltados contra possíveis agressores estrangeiros, os comandantes responderiam à pergunta com facilidade.

 

O episódio do Morro da Providência põe sob suspeita o tipo de formação ofertada aos oficiais. Quem garante que Vinicius Ghidetti seja um caso isolado? Este oficial não foi preparado para combater em nome do povo brasileiro. Num lance, abalou a imagem com a qual o Exército tenta apresentar-se, de uma instituição a serviço da pátria.

 

Pretendendo defender sua autoridade frente aos soldados, o tenente copiou o estilo da máfia. Quem criou Vinicius? Não lhe ensinaram a diferença entre a autoridade de homem e a autoridade de fera ou este oficial ludibriou instrutores e superiores hierárquicos? Seja qual for a resposta, a corporação fracassou e o ensino militar está sob suspeita.

 

A essência da formação guerreira é o controle da violência cega inerente a confrontos armados, ensina Clausewitz. Homens em armas estão sempre a um passo da irracionalidade. Se as escolas militares admitem elementos desprovidos de sentimentos humanitários, o básico não pode ser ensinado.

 

Em nome do governo, o ministro Jobim pediu desculpas. (O general Enzo Peri não repetiu o gesto). O pedido seria mais convincente se acompanhado de uma definição clara do papel das Forças Armadas e de uma revisão do ensino militar.

 

Manuel Domingos é professor da UFC, coordenador do Observatório das Nacionalidades.

 

Recomendar
Última atualização em Quarta, 27 de Agosto de 2008
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates