topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
A questão energética chinesa Imprimir E-mail
Escrito por Wladimir Pomar   
Segunda, 23 de Junho de 2008
Recomendar

 

A questão energética é, fora de dúvida, uma das mais complexas enfrentadas pelo desenvolvimento chinês. Primeiro, porque o crescimento econômico e social acelerado requer uma infra-estrutura energética compatível. Segundo, porque a principal fonte de energia da China é o carvão. Terceiro, porque a construção de instalações de geração elétrica de fontes mais limpas, como a hidráulica, a eólica e a nuclear, exige altos investimentos e têm maturação lenta. Quarto, porque a China ainda não é auto-suficiente em petróleo e gás. Quinto, porque o país possui condições de solo que não lhe permitem desenvolver a plantação de espécies próprias para a produção de biocombustíveis sem afetar, de algum modo, a produção agrícola de alimentos.

 

O crescimento econômico, mais rápido do que o crescimento da infra-estrutura energética de eletricidade, fez com que a China sofresse racionamentos e apagões elétricos entre 1999 e 2003. Isto levou muitos governos locais a apelarem para o uso de grupos geradores a óleo cru, ou a diesel, criando um mercado paralelo ilegal de energia elétrica, altamente poluidor.

 

Após 2002, começaram a entrar em operação os projetos hidrelétricos, em construção desde meados dos anos 1990. Entre aquele ano e 2007, a China adicionou 350 GW de energia a seu potencial elétrico, somando 720 GW de potência instalada, um excedente momentâneo de energia.

 

Isso lhe permitiu retirar de circulação, no mesmo período, 21 GW de usinas geradoras obsoletas e poluentes, reduzir de 74% para 63% a participação do carvão na matriz da energia elétrica e elevar de 2% para 20% a participação dos recursos hídricos, de 1% para 6% a participação da energia nuclear, de 1% para 4% a participação das eólicas e de 1% para 3% a participação da energia solar. Até 2015, a China deve acrescentar entre 300 e 500 GW em sua matriz de energia elétrica, com base em novas hidrelétricas, usinas nucleares, fazendas eólicas e usinas térmicas com carvão líquido.

 

De qualquer modo, se a China quiser combinar seu desenvolvimento de energia elétrica com a conservação ambiental, ela terá não só que racionalizar e economizar o uso da eletricidade, mas também reduzir radicalmente o número das usinas térmicas a carvão que utilizam tecnologias antigas e poluidoras. Neste caso, estamos falando na remodelação de cerca de 450 GW de potência instalada, o que não poderá ser realizado em curto prazo.

 

Além disso, a participação do petróleo, do gás e do carvão na matriz energética chinesa leva em conta as necessidades de outros setores econômicos altamente poluentes, como os meios de transporte, siderúrgicas e fábricas de cimento, para ficar apenas nas principais. A China produz, anualmente, mais de 8 milhões de veículos automotores, 6 milhões de tratores, 422 milhões de toneladas de aço e 1,2 bilhão de toneladas de cimento. Nessas condições, os esforços para reduzir a emissão de gases poluentes demandarão inovações e mudanças tecnológicas profundas nos sistemas produtivos e na busca de novas fontes energéticas limpas.

 

Wladimir Pomar é escritor e analista político.

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates