Movimentos Sociais: a causa e o método

0
0
0
s2sdefault

 

Um breve comentário sobre a pesquisa encomendada pela Vale do Rio Doce para auferir a visão da população brasileira sobre os Movimentos Sociais.

 

Há erros primários nos quesitos da pesquisa, demonstrando que os próprios pesquisadores desconhecem o que pesquisam. Por exemplo, a Pastoral da Terra nunca foi movimento social. É apenas uma pastoral que presta serviços ao povo do campo. A pastoral não tem base popular própria. Portanto, não faz nenhum sentido estatístico colocá-la ao lado dos reais movimentos.

 

Mas a pesquisa é muito interessante. Regra geral, a população concorda com a causa dos movimentos do campo, particularmente a reforma agrária. Discordam do método. Daí duas conclusões simples: apesar de a mídia bater todos os dias que a causa é anacrônica, não conseguiu modificar a opinião pública. Portanto, a causa dos movimentos, aos olhos do povo brasileiro, é justa e atual.

 

Segundo, a pesquisa mostra que a grande mídia conseguiu transferir a imagem de violentos exatamente para aqueles que são as vítimas da violência. A Pastoral da Terra, em seu Caderno de Conflitos, já registrou o assassinato de mais de 1500 lideranças rurais por conflitos de terra desde 1985. Que alguém aponte alguma lista de fazendeiros mortos. Portanto, se a grande mídia quiser ir às raízes da violência no campo, ela sabe muito bem onde elas estão.

 

Seria interessantíssima uma pesquisa sobre o agronegócio. O que será que pensa o povo brasileiro a respeito da concentração da terra, do trabalho escravo, do trabalho degradante nos canaviais, do desmatamento da Amazônia, da violência sobre as comunidades tradicionais, sobre os indígenas, dos assassinatos dos trabalhadores rurais?

 

Para nós que defendemos a causa dos movimentos não deixa de ser uma ótima notícia. Vamos continuar as lutas por nossas justas causas. Duvido que outros métodos sejam aceitos. Na verdade, quando a grande mídia ataca o método, na verdade está atacando a causa. Qualquer método será válido, desde que não interfira realmente na iníqua estrutura agrária brasileira.

 

Conclusão: os movimentos, agora respaldados por pesquisas encomendadas por seus adversários, têm até a obrigação de continuar com sua luta justa e apoiada pelo povo brasileiro. Talvez seja hora de serem mais inteligentes nas manifestações, não perante a mídia, mas perante o povo que os apóia.

 

Por fim, não há o que temer da grande mídia. Essa pesquisa é a prova dos nove de que, falem o que quiserem, o que é justo tem sua força própria.

 

Roberto Malvezzi (Gogó) é coordenador da CPT.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #3 Santana 09-07-2008 17:58
Schaedler antes de tudo, vamos perceber o que são práticas terroristas para a mídia que tem o poder de forma a opinião pública??? O que compreendo são resistencias que é algo natural de qualquer movimento social na utilização de estratégias para a lutar dos oprimidos. Ou não existe oprimidos para vc é apenas algo criado pelos Movimentos Sociais para atrai a simpatia do povo???
Citar
0 #2 Schaedler 25-06-2008 14:37
Primeiro, os fins não justificam os meios.
Segundo, a Pastoral da Terra apóia sim os tais "movimentos sociais", portanto está ao lado deles.
Terceiro, incentivar o uso de táticas terroristas não é um modo inteligente de conseguir a simpatia do povo...
Citar
0 #1 Justino Cosme 25-06-2008 14:36
Quero dizer que o artigo é muito interessante por vem deleitar, de maneir sem igual, da propria pesquisa feita pela burguesa. Sabidamente, o autor foi muito feliz, aliás, ele sempre é feliz nos textos que escrevem. Sendo assim, espero encontrá-lo pessoalmente na Roma da Terra, em Bom Jesusa da Lapa, para parabeniá-lo pessoalmente, por este e outros textos.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados