Semana do migrante

0
0
0
s2sdefault

 

De 15 a 22 de junho, nesta próxima semana, a Igreja no Brasil promove a "Semana do Migrante". Sua intenção é incentivar ações em favor dos migrantes e chamar a atenção para a realidade das migrações, com as advertências que trazem.

 

O tema da Semana costuma incidir a mensagem da Campanha da Fraternidade sobre o fenômeno migratório. Daí a formulação deste ano: migração, vida e direitos. Está na cara o recado central: nas migrações, o que está em causa é a vida.

 

Os migrantes procuram sua sobrevivência. Aí reside todo o respaldo jurídico que precisa orientar o equacionamento dos complexos problemas suscitados pelo fenômeno migratório, que assume hoje feições globais.

 

É a sobrevivência que motiva os cortadores de cana a saírem de suas comunidades, no Nordeste ou em Minas, para virem ao estado de São Paulo enfrentar as duras condições de trabalho que os aguardam.

 

É também a sobrevivência que leva hoje muitas pessoas a procurar os países do norte. Só nos Estados Unidos se calcula que sejam doze milhões, número difícil de precisar, pois a ilegalidade muitas vezes impede os imigrantes até de constar oficialmente das estatísticas.

 

A Europa Ocidental, que por tradição sempre foi ponto de partida de grandes levas migratórias, está fechando cada vez mais suas fronteiras, na tentativa de impedir a entrada de imigrantes que forçam a barra de todos os lados, vindos especialmente da África, da América Latina e do Oriente Médio.

 

Justo na Semana do Migrante, no dia 18 deste mês de junho, o Parlamento Europeu vai votar um projeto de lei denominado "Diretiva de Retorno", que faculta aos governos a detenção e a expulsão dos imigrantes ilegais em seus países.

Para dar-nos conta da dureza deste dispositivo legal, basta conferir alguns dos seus tópicos. Por esta lei, os governos poderão efetuar a detenção, até por 18 meses, dos imigrantes não regularizados; a detenção de menores, ainda que por um período "tão breve quanto possível", à revelia de todos os direitos de proteção da criança; e a proibição dos imigrantes expulsos de regressarem à Europa num prazo de cinco anos.

 

Tudo isto enquanto a Europa está promovendo o "Ano Europeu do Diálogo Intercultural". Em princípio, um ano para perceber quanto às migrações poderiam propiciar um intercâmbio cultural enriquecedor, seja para as populações locais como para os imigrantes que chegam de outros lugares. Mas, ao contrário disto, enquanto na teoria se diz uma coisa, na prática se faz outra.

 

O endurecimento legal revela teimosia em não enfrentar as causas das migrações. E faz pressentir enfrentamentos maiores, que apontam para a necessidade de reformulação mais profunda no convívio da humanidade.

 

Nesta perspectiva, a Semana do Migrante deste ano, celebrada em plena eclosão da crise de alimentos, e no contexto de impasses na economia mundial, nos ajuda a perceber a urgência de reencontrar o equilíbrio e o bom senso. Para olharmos juntos o planeta terra, e fazer dele não um território de disputa predatória dos seus recursos, mas de otimização das condições de vida da humanidade, junto com a preservação da vida da própria terra.

 

Em termos próximos à Diocese de Jales, a realidade migratória vai tomando rosto bem definido com a chegada do contingente populacional que vem para o cultivo da cana.

 

Em nossa assembléia diocesana, prevista para o início de julho, não pode faltar a disposição de acolhermos estas pessoas, implantando em nossas comunidades a Pastoral dos Migrantes.

 

D. Demétrio Valentini é bispo de Jales.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #2 Migracão a EuropaMaria Gomes 18-06-2008 17:01
oi boa gente.

Muito bem ter uma semana para os migrantes.

Aqui na noruega tem migrantes e principalmente mulheres pobres que casou com noruegueses aqui. Algumas sofrem bastante e a embaizada aqui fez junto com um grupo voluntario, inclusive eu uma cartilha para estas mulheres saber dos seus direitos. vivo aqui a quase trinta anos e migracão è realmente um problema para a Europa. Bem enquanto nosso paìs tem tantos resursos e os capitalistas explora nosso povo ai com tantas privatizacao, eles explora nosso povo aqui na noruega tambem. Li que o governo Lula se preocupe com esta questão e criou varios empregos para os brasileiros/as não deixar o paìs.

Boa semanda dos migrantes brasileiros/as estou com vocês na alma e sempre sendo solidària com nosso povo Latina aqui. Maria Gomes na noruega
Citar
0 #1 Direito de cidadaniaHamilton Rodrigues 18-06-2008 11:26
Evidentemente é Direito Constitucional, de forma que esta reflexão sobre o tema Migração é prudente e necessária, o que vemos no nosso dia a dia, são despreparo da comunidade no acolhimento, que não existe, assim como a falta de infraestrutura nas cidades, nas diversas áreas habitação , saúde, educação etc.
O que assistimos de camarote são discriminação com os irmão que saem em busca de espaço, sobrevivencia.
É necessário planejamento e Políticas Públicas com participação efetiva da comunidade.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados