Biocombustíveis: mídia faz samba de uma nota só

0
0
0
s2sdefault

 

Nesses tempos de crise alimentar, com preços subindo e comida faltando em várias partes do Globo, tudo isso em pleno século XXI, são várias as discussões que têm vindo à tona. Desde análises mais profundas até puras especulações, discorre-se sobre o aumento da demanda mundial por alimentos puxado pelo estrondoso crescimento de economias como a chinesa; o abandono da regulação sobre esse mercado, com o fim dos estoques reguladores e a prevalência dos interesses especulativos; e também a utilização crescente de terras para os cultivos destinados aos biocombustíveis, comprometendo assim a produção de alimentos.

 

Não é o objetivo aqui entrar no mérito específico dessa problemática, avaliando cada um desses determinantes. Análises com este enfoque vêm sendo trazidas corriqueiramente por este mesmo Correio, a exemplo, dentre vários outros, de entrevista recentemente concedida pelo geógrafo Ariovaldo Umbelino, da USP. A preocupação maior é chamar a atenção para a forma como o assunto vem sendo tratado pelos meios de comunicação, particularmente no que se refere ao item supra-referido sobre os biocombustíveis, em função da abordagem que o tema mereceu nos últimos dias.

 

Em uma série de reportagens especiais sobre a fome em seu jornal das 22 horas, a Globonews apresentou, nos dias 6 e 7 de junho, relatos de especialistas e professores da USP, FGV e da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), focados no impacto do etanol na produção de alimentos em nosso país. A partir da exposição de uma série de dados e de uma caprichada apresentação de imagens, qual não foi a surpresa em perceber, nos dois dias, que as matérias haviam chegado aos seus finais e todos os especialistas tinham expressado a mesma opinião.

 

Citando as cifras relativas aos hectares que poderão ser ocupados pela cana comparativamente às terras agricultáveis e às outras culturas, foram unânimes esses especialistas em suas apreciações de que, no Brasil, sobram terras para o etanol a partir da cana. De forma alguma, portanto, essa cultura vai tomar o lugar dos alimentos. Vários entrevistados foram também peremptórios em afirmar que seria impossível a cana expandir-se pela Amazônia, em função dos custos muito mais elevados nessa região relativamente a outras localidades mais propícias à sua cultura.

 

Será que a emissora, em sua busca de estudiosos do ramo, deparou-se, coincidentemente, somente com portadores dessa visão? Difícil de acreditar em tal hipótese, pelo menos para aqueles que assistem aos seus programas de debate, usualmente com três entrevistados, onde parece existir um ‘perigoso’ consenso. Mas, de qualquer forma, somente a própria emissora para responder a essa questão.

 

Outros meios de comunicação de grande porte, por sua vez, a despeito de trazerem à luz concepções mais variadas, são também porta-vozes muito mais assíduos das idéias dos defensores dos biocombustíveis, particularmente o etanol. Artigo recentemente divulgado pela Folha de S. Paulo – 07/06/08, pág. A3, de Tendências e Debates -, de autoria do renomado físico e professor emérito da Unicamp Rogério César de Cerqueira Leite, é um dos exemplos nesse sentido, dentre vários outros que poderiam ser aqui citados e que foram circulados no mesmo espaço utilizado para o artigo de Cerqueira Leite. Nesse caso específico, o físico desenvolveu uma série de argumentações para se contrapor aos questionamentos que se levantam contra o etanol. No que concerne, por exemplo, à crítica de que ele possa invadir a Amazônia, Cerqueira Leite também acredita que as condições adversas do clima, do solo e da infra-estrutura da região, por si só, impediriam essa invasão.

 

Mesmo que, conforme salientado, o intuito dessas linhas não seja entrar no mérito e julgamento específico dos argumentos, vale destacar que, contrariamente ao que advogam os especialistas aqui citados, pesquisas da própria Embrapa alertam para um preocupante avanço da cana-de-açúcar no bioma amazônico. Ademais, em nenhuma das explicações ouvidas desses estudiosos, foi levantada a séria questão de que, se não é a cana que vai invadir e devastar a Amazônia, a pecuária já vem assumindo esse posto, na medida em que é empurrada pela comprovada expansão dos cultivos no sudeste.

 

Estariam alguns desses interlocutores procurados pela imprensa impregnados pelo espírito de nosso presidente, que, em seu périplo por vários países, vem fazendo uma veemente, para não dizer obstinada, defesa dos biocombustíveis? Segundo o presidente, a inflação de alimentos seria até mesmo um bom sinal, já que derivada da maior capacidade de consumo dos pobres.

 

Causalidades à parte, o que interessa é não perder de vista que um coro tão unânime não surge assim gratuitamente. Ainda que se possa imaginar, talvez ingenuamente, que os meios de comunicação ou os mandatários das nações não estejam atrelados a este coro de forma consciente, seguramente seguem um forte ‘movimento de manada’, que se ancora, cada vez mais, no indubitável poder do agronegócio.

 

Lamenta-se, nesse cenário, a enorme possibilidade de massificação da opinião pública, refém dos interesses dos grandes meios de comunicação e da impossibilidade de rompimento do cerco pelos veículos mais alternativos. Sem direito a um mínimo contraditório, poderá vir a respaldar mais uma das ‘questionáveis’ teorias de nossa economia – agora voltadas aos alimentos e à fome.

 

Valéria Nader, economista, é editora do Correio da Cidadania.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #3 Luis Augusto carvalho 14-06-2008 12:28
Gostaria de parabenizar a economista Valéria Nader pela matéria. trazendo claramente o real papel dos meios de comunicação e dos profissionais da área de colocar as informações limpas p/ o leitor poder fazer suas avaliações críticas. Valeu.
Citar
0 #2 os caos da produçao da cana-de-açucarAndré 13-06-2008 12:13
Sabemos que a produção de cana ta tomando muito espaço,entao as pessoas ao inves de estarem produzindo alimentos estao produzindo a cana-de-açucar,para a produçao do biodisel,com isso os alimentos ficam cada vez mais caro,sem falr que a carne de boi a cada dia ta aumentando cada vez mais,pois os pecuaristas estão deixando de criar boi para plantar a cana-de- açucar em seu pasto,ai ficam sem condições de criarem esses animais,entao ainda não se sabe como solucionar esse problema que a cada dia esta se agravando cada vez mais,nosso Presidente nao se posiciona como deveria.Então fica a criterio da população se manifestar ou não,pois temos direito, é um direito nosso, criticarmos o que esta certo ou não e discurtimos como melhorar ou solucionar o problema.
Citar
0 #1 Roberto F. Lima 13-06-2008 12:12
Não concordo com a opnião da jornalista por vários motivos:

- 1 - Seu argumento \"onde parece existir um ‘perigoso’ consenso\" se baseia numa insinuação de que sempre que existe consenso na mídia marrom existe algo de errado;

- 2 - Tentar desqualificar o presidente com \"em seu périplo por vários países\", demonstra seu duplo desconhecimento e uma certa dose de preconceito. Primeiro que uma das principais funções de qualquer presidente/diriginte de uma organização, empresa ou entidade é vender a imagem da mesma dentro e fora do país. Segundo a definição do aurélio \"périplo = Navegação à volta de um continente\".

- 3 - A devastação da amazônia é um fato que ocorre a décadas no Brasil, e foi acelerada na ditatura militar através do incentivo da ocupação da Amazônia por meio uma \"pecuária extensiva\", onde derrubam as árvores, fazem queimadas, deixam o solo completamente estéril e colocam um boi a cada 5 hectares.

- 4 - O solo amzônico na sua maior parte possui uma pequena camada superficial de matéria orgânica e por baixo um solo pobre, fato que sempre dificultou a exploração agrícola daquela região.

- 5 - O presidente Lula em suas viagens sempre cobra dos países desenvolvidos que se dizem preocupados com a amazônia, que eles ajudem a financiar a sua preservação.

- 6 - O fato real é que os países desenvolvidos estão interessados nos recursos minerais da amazônia e não seria surpresa se os ianques criarem um conflito armado na região entre Colômbia, FARC, Equador e Venezuela para justificar sua presença militar na região.

- 7 - O presidente Lula já deixou claro que não quer o monopólio mundial dos bioscombustíveis e que deseja compartilhar a tecnologia com os países em desenvolvimento.

- 8 - Os bioscombustíveis por serem uma solução prática e de fácil implementação, fere diretamente os interesses corparativos dos produtores e das indústrias do petróleo.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados