topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Quênia: civilização-barbárie Imprimir E-mail
Escrito por Grupo São Paulo   
Quarta, 11 de Junho de 2008
Recomendar

 

Cerca de 1.500 mortos e mais de 300 mil refugiados, guerra entre etnias, casas incendiadas, mulheres violentadas: era este o saldo, no final de março, dos distúrbios que se seguiram às eleições presidenciais no Quênia, realizadas em dezembro de 2007, e que levaram à constituição de um governo de coalizão em abril deste ano. O estopim da violência: acusações de fraude eleitoral. No final de abril, foi assassinado o presidente da Aliança Nacional da Juventude do Quênia, braço político de uma seita declarada ilegal.

 

O Quênia é um dos países economicamente mais ricos da África, fundamental para toda a costa oriental do continente. Foi colônia da Inglaterra, interessada em minerais preciosos, madeiras e especiarias, entre 1890 e 1963, ano em que os britânicos foram expulsos e no qual a Inglaterra reconheceu sua independência. No início da década de 1950, surgiu o primeiro movimento organizado de independência e luta pela terra, sendo que desde o começo do século XX o Quênia já vinha sendo palco de revoltas contra os colonizadores. A organização como país é uma construção política decorrente da colonização, que usava também como arma a divisão de etnias aliadas e a união de rivais. Há, no país, mais de 50 tribos divididas entre sete etnias distintas.

 

A crise do Quênia "pôs à mostra as tensões de classe que vinham aflorando de modo esparso há mais de cem anos", segundo o jornalista Oduor Ong'wen, membro do Fórum Social Africano.

 

A realidade do país fala por si: na capital Nairóbi, dois terços dos habitantes ocupam apenas 8% da área da cidade, vivendo em favelas; mais de 63% da população urbana não têm acesso à água potável; dois em cada três quenianos sobrevivem com menos de um dólar por dia e grandes extensões de terra pertencem a alguns poucos, enquanto o número dos sem-teto e dos sem-terra aumenta cada vez mais, também por conta da violência durante o processo eleitoral – no final de abril, mais de 140 mil pessoas ainda viviam em tendas.

 

O jornalista Oduor também relata que o Vale da Fenda, rica região agrícola do país, foi o epicentro dos conflitos. Região fortemente explorada pelos colonizadores britânicos, o vale é palco de disputas sobre a propriedade da terra desde a ocupação colonial. Lá os colonos ingleses se apropriaram de grandes extensões de terra pertencentes aos quenianos, pagando uma quantia irrisória por hectare. Alguns foram ludibriados ao serem induzidos a firmar acordos desvantajosos com os colonizadores e outros foram retirados à força de sua terra comunal. Com o processo de independência, os conflitos pela terra continuaram.

 

"Os quenianos não estão polarizados porque pertencem a diferentes subnacionalidades. Isso ocorre porque se relacionam de modo diferente com os recursos e forças produtivas do país", analisa o jornalista Oduor em artigo publicado no semanário eletrônico Correio da Cidadania ("Classes e parentescos nos campos da morte do Quênia"). No artigo, Oduor nota como o Quênia e o conjunto dos países africanos são vistos como ainda não alcançados pela "civilização". Mas que civilização é essa?

 

O uso que as potências imperialistas (as colonizadoras do passado) fazem das rivalidades étnicas para melhor dominar os povos africanos e o diferente tratamento dado (quando dado) pelos meios de comunicação aos diferentes povos do mundo são problemas políticos.

 

Onde inscrever, entretanto, o fenômeno da rivalidade étnica? Qual a lógica que leva um ser humano com raízes em um determinado grupo étnico a voltar-se contra um ser humano de outro grupo étnico? Outra questão que vem à tona é a sempre presente violência sexual praticada em conflitos. Alguns homens – sim, machos da espécie humana – transformam o corpo em poderosa e violenta arma para subjugar o "inimigo", personificado nas mulheres do grupo rival.

 

A construção do mundo novo abrange mais do que a luta política. Mas é preciso atuar sempre nos dois campos. Enquanto estes problemas não forem superados, não haverá paz na África.

 

Andrea Paes Alberico, Alejandro Buenrostro y Arellano, José Juliano de Carvalho Filho, Marietta Sampaio e Thomaz Ferreira Jensen do Grupo de São Paulo, um grupo de 10 pessoas que se revezam na redação e revisão coletiva dos artigos de análise de Contexto Internacional do Boletim Rede, editado pelo Centro Alceu Amoroso Lima para a Liberdade, de Petrópolis, RJ.

 

Contato: gruposp(0)correiocidadania.com.br.

 

Artigo publicado na edição de maio de 2008 do Boletim Rede.

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates