topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Sep   October 2016   Nov
SMTWTFS
   1
  2  3  4  5  6  7  8
  9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Desenvolvimento agrícola chinês Imprimir E-mail
Escrito por Wladimir Pomar   
Qui, 05 de Junho de 2008
Recomendar

 

Apesar dos ajustes agrários e sociais em curso, a agricultura chinesa confronta-se com algumas limitações difíceis de superar. Mesmo que não estivesse sendo pressionada pelo desenvolvimento urbano, sua área de plantio não tem possibilidade de ir muito além dos 130 milhões de hectares, por problemas de relevo físico e fertilidade do solo.

 

É verdade que, mesmo diante de tais limitações e fazendo uso de tecnologias tradicionais, os camponeses chineses conseguem produtividades relativamente altas por unidade de área. Em 2007, produziram 501 milhões de toneladas de grãos (arroz, trigo, milho, soja, sorgo etc.), 6 milhões de toneladas de algodão, 30 milhões de oleaginosas, 99 milhões de cana-de-açúcar e 52 milhões em produtos da aqüicultura. No entanto, uma produção portentosa como essa ainda é relativamente baixa, em termos per capita.

 

Outro dado importante é que, naqueles 130 milhões de hectares, trabalham 350 milhões de lavradores. Algo em torno de 0,37 hectares por lavrador. Num quadro como esse, introduzir técnicas agronômicas científicas na agricultura chinesa, elevando a produtividade por área e por trabalhador, pode significar o aumento do excedente de mão-de-obra, um problema que já afeta a China, como um todo. Atualmente, para manter a taxa de desemprego em 4%, ela precisará criar, em 2008, 10 milhões de empregos urbanos e 8 milhões de empregos rurais.

 

Apesar dessas dificuldades, a única forma de a China manter sua agricultura como "fundamento da nação", na expressão do seu atual governo, consiste em elevar, de modo sustentável, sua produção de grãos, carnes, leite e óleos, de modo a atender ao crescente poder de compra de sua população. O que implica acelerar o desenvolvimento científico e tecnológico da agricultura, melhorar as variedades de grãos, desenvolver a pecuária e a aqüicultura, melhorar as práticas agronômicas e desenvolver a infra-estrutura agrícola, em termos de suprimento de água, irrigação, energia elétrica, telecomunicações, rodovias, proteção ambiental e cultura.

 

Mas nada disso será possível se as rendas rurais não forem elevadas, se as empresas industriais e comerciais de cantão e povoado não forem capazes de absorver os excedentes da força de trabalho agrícola, se a educação vocacional e técnica das populações rurais não for elevada, se as ações de alívio da pobreza rural não forem intensificadas e se os serviços públicos de seguridade social não forem capazes de atender aos desafios do aumento da produtividade estrutural de sua agricultura.

 

Assim, não é por acaso que o atual movimento de ajustes na agricultura chinesa esteja tomando, como ponto de partida, não as medidas de caráter estritamente econômico, mas principalmente as medidas de caráter social. Somente com uma base social mais sólida, a agricultura chinesa poderá dar um novo salto.

 

Wladimir Pomar é escritor e analista político.

 

Recomendar
Última atualização em Qui, 05 de Junho de 2008
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates