Felizes sem saber?

 

 

Pesquisa divulgada a 11 de abril, pela agência russa RIA-Novosti, mostra que 48% dos russos apóiam a idéia de reedificar o socialismo em seu país, enquanto 17% acham razoável e 37% são contra.

 

Mais da metade dos pesquisados considera o sistema socialista mais vantajoso que o sistema capitalista. 71% acham maior a segurança do sistema social, 63% a educação, 60% o caráter acessível e de boa qualidade da assistência médica, 62% a igualdade de oportunidades para todos os membros da sociedade e a harmonia de relações entre diversos povos e etnias, e 54% as garantias de segurança pessoal e ordem pública. Ou seja, mesmo uma parte dos que são contra a reedificação do socialismo na Rússia vê vantagens nesse sistema, em comparação com o capitalismo.

Mesmo numa questão tão polêmica, relacionada com o socialismo praticado na ex-União Soviética, como a liberdade de informação e o acesso a valores culturais, 40% consideram que o socialismo oferece mais oportunidades que o capitalismo em relação a isso, enquanto 38% discordam. Na opinião dos russos, o socialismo só apresenta desvantagens em relação ao capitalismo quanto ao interesse das pessoas pelo trabalho e à qualidade dos artigos produzidos. 45% declararam que no capitalismo o interesse pelo trabalho é maior, e 51% pensam que os produtos são de melhor qualidade.

Seriam os russos felizes sem saber? Ou apenas estão aprendendo com a vida as vantagens e desvantagens do capitalismo e daquele socialismo tentado entre as décadas de 30 e 80 do século passado? De qualquer modo, diante desse aprendizado, 20% acham mais conveniente reedificar um sistema socialista de modelo sueco, 12% preferem um modelo próprio, desde o início, 6% propõem aproveitar a experiência chinesa de economia de mercado, e apenas 1% acredita que o melhor modelo é o praticado na República Popular Democrática da Coréia.

Em outras palavras, mesmo havendo experimentado um tipo de socialismo que não deu certo, a maior parte dos russos pode agora compará-lo com o capitalismo, e descobrir seus aspectos mais vantajosos. E, mesmo sem ter noção clara do socialismo como uma formação econômico-social de transição, em que um novo modo de produção social convive e luta com o modo de produção capitalista, a maior parte deles parece entender que é preciso contar com algum tipo de capitalismo para desenvolver as forças produtivas (sintetizado no interesse pelo trabalho e nos artigos de melhor qualidade).

 

Como pretendem os russos edificar um novo tipo de socialismo? 56% acham que só através de uma revolução, enquanto 15% acreditam que será possível uma transição pacífica. Portanto, qualquer que seja o caminho a ser escolhido, parece que o socialismo voltou à pauta da sociedade russa.

 

 

Wladimir Pomar é escritor e analista político. 

 

Para comentar este artigo, clique {ln:comente 'aqui}. 

 

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados