topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Marina, veja só Imprimir E-mail
Escrito por Rogério Grassetto Teixeira da Cunha   
Qui, 29 de Maio de 2008
Recomendar

 

A reboque de sua saída do Ministério do Meio Ambiente, todos os veículos de comunicação, não apenas os alternativos e os ligados ao meio ambiente, foram inundados por artigos e análises sobre seu ato. No caso da grande mídia corporativa, isso se deu possivelmente com vistas a tirar também mais uma casquinha do governo, como de costume. É interessante avaliar o conteúdo destes textos, pois eles funcionam como um termômetro do pensamento das forças econômicas que ditam a linha editorial destes veículos. Tomemos o mais emblemático deles, Marina: a revista Veja.

 

Na edição de 21 de maio, saiu uma matéria-artigo (já que a revista não faz reportagens, mas apenas textos editoriais, com conteúdo abertamente opinativo e tendencioso) sobre a sua saída. Veja, Marina, que os autores tentaram (ou fingiram tentar), sem sucesso, equilibrar a defesa de algumas de suas posturas com posições desenvolvimentistas, mais ao gosto dos leitores da publicação e das forças econômicas por trás dela. Tentaram, no entanto, defender uma linha impraticável: de que é possível conciliar "a equação" crescimento econômico e preservação ambiental. Veja, Marina, que uma das frases iniciais a seu respeito ("Marina teve de sair porque não soube solucionar essa equação") é lapidar.

 

Creio que não se pode dizer que você não soube "solucionar essa equação" por duas razões. Em primeiro lugar, penso que você nem queria encontrar essa solução. Conhecedora como é da problemática ambiental, certamente compreende que simplesmente não há como conciliar crescimento constante e eterno (a irreal base da noção de desenvolvimento tal como entendida atualmente) com preservação. Sabe que são passíveis de discussão outras questões, tais como se devemos tolerar algum grau de destruição para almejarmos certo crescimento econômico e uma melhor qualidade de vida para a população, ou como buscar formas de desenvolvimento e distribuição de renda que não estejam baseadas no crescimento eterno.

 

A segunda razão pela qual a afirmação da revista erra em relação à sua atuação é que nunca lhe foram dadas as ferramentas e o poder necessários para buscar caminhos alternativos de desenvolvimento. Dada a conjuntura de forças atual, é muito difícil ter alguém com peso suficiente para trilhar tais caminhos. Quem quer que ocupe a pasta passaria e passará pelas mesmas dificuldades. Isto é, se tiver interesse em tentar...

 

Veja, Marina, que o texto segue com outra passagem brilhante: "para dar o salto econômico de que necessita, o Brasil não pode abrir mão de seu potencial agropecuário ou de investir na geração de energia. Tampouco pode destruir um bioma que é ao mesmo tempo um patrimônio nacional a ser preservado e um foco de interesse internacional". Sabemos que o Brasil necessita menos de um salto econômico que de um desenvolvimento mais justo e distribuidor de riqueza gerada.

 

Além disso, o que querem eles dizer com "potencial agropecuário"? Já exploramos uma quantidade de terras cuja produção seria suficiente para alimentar com sobras toda nossa população e, de quebra, fornecer combustível para a frota nacional. E ainda sobraria espaço para exportação de alguns excedentes. Não precisamos mais explorar este "potencial". Mesmo que concordemos com a necessidade de crescimento econômico por certo tempo, não precisaríamos baseá-lo no crescimento da exportação de produtos agrícolas in natura ou apenas minimamente processados. O passivo ambiental no campo é grande e a geração de empregos proporcionalmente a outros setores é menor. E, como você bem sabe, no Brasil, explorar este potencial significa, sim, destruição.

 

Quanto à energia, há inúmeras outras formas mais racionais de obtê-la sem violar os últimos grandes rios do Brasil em bom estado de preservação. Aqui, novamente, a construção das usinas significa destruir parte do bioma. Não há como "solucionar esta equação". É uma coisa ou outra. Pode-se destruir mais ou menos, mas a destruição sempre ocorrerá.

 

Inegavelmente séria, você, discípula de Chico Mendes, até que tentou, e desculpe-me por colocar isso de forma tão direta, mas a revista acerta quando diz que você "nunca passou de um ícone, uma peça de marketing exibida pelo governo Lula para mostrar uma suposta vocação ambientalista". Depois de tantas esperanças acumuladas, você merecia um governo melhor. Na verdade, nós todos merecíamos. Porém, a revista desliza quando afirma que enquanto você "se mostrou apenas um ícone, Minc é um ambientalista que se adequou às políticas de desenvolvimento". O erro aqui é um só, o verbo usado na sentença. "Cedeu", "foi seduzido" ou "foi cooptado" seriam redações mais precisas que "se adequou". Isto porque sabemos dolorosamente que, tal como estas políticas são aplicadas por aqui, não há como conciliá-las com real preservação ambiental. Para adequar-se a elas não precisamos de um ambientalista, bastaria um tecnocrata.

 

Veja, Marina, que a visão de mundo da revista desnuda-se de vez logo em seguida ao dizer que sua postura "era de preservação incondicional da Amazônia, admitindo apenas ilhas de agricultura de subsistência e de proteção de pequenas comunidades, como a de seringueiros e castanheiros". E que o seu discurso "eficiente na teoria e para conquistar a simpatia internacional (...) bateu de frente com as necessidades práticas do país, como a construção de estradas, a mineração, a geração de energia elétrica, a agricultura e a pecuária".

 

Ao colocar as coisas nestes termos, sutilmente atacam a sua imagem, ao retratar-te como uma pessoa visionária, lunática, fora da realidade. Na verdade, os alucinados são eles.

 

Analisemos o que a revista entende por "necessidades práticas do país". Não me consta que você fosse contra a construção de estradas, mineração, novas fontes de geração de energia, nem muito menos contra o agronegócio. Acredito que era e continua sendo contra estradas na Amazônia (o grande vetor de desmatamento na região), apesar de que, no governo, você não tinha condições políticas de seguir atacando projetos como o da pavimentação da BR-163. Era contra a mineração ilegal ou mesmo o desregramento da legalizada e contra a instalação de usinas hidrelétricas na Amazônia (pois sabe do impacto que elas causarão por lá e que haveria como suprir a demanda de outras formas). E era, sim, contra a expansão desenfreada e desregrada da pecuária e da agricultura nos biomas brasileiros, desrespeitando as leis, gerando desmatamento e prejudicando a imagem do Brasil no exterior. Não contra o agronegócio em si, pois é uma pessoa sensata.

 

Continuo com a opinião de que você cedeu demais em alguns pontos (como a divisão do Ibama) e errou em outros (como as concessões de florestas públicas). Porém, várias de suas derrotas (a liberação dos transgênicos, a importação de pneus usados, o licenciamento das usinas no rio Madeira, entre outras) foram na verdade devidas à pouca força política do Ministério. Somando-se a isto, temos a mentalidade desenvolvimentista reinante e que impregnou o governo até a alma, que ainda se aliou a forças predatórias e criou uma base de apoio extremamente ampla e heterogênea onde estão incluídas várias das forças ruralistas mais nocivas ao meio ambiente. Com isto, manteve e até reforçou o já grande poder destas forças. Lula foi ainda seduzido, de corpo e alma, pelo agronegócio nacional e se tornou voluntariamente um arauto do mesmo. Incorporou a noção subdesenvolvida do papel principal que nos é reservado pelas forças políticas mundiais, de fornecedor de commodities agrícolas, de celeiro, granja e, mais recentemente, de futura bomba de combustível do mundo.

 

Neste contexto todo, apesar de suas falhas e derrotas, acho que você fez o possível politicamente. E, se tivesse estômago para tal, acho que deveria ter continuado no ministério, pois talvez conseguisse continuar brecando um pouco a sanha predatória. Talvez conseguisse colocar algumas condições para as obras destruidoras, o que o nosso ministro "acelerador-de-licenças", cheio de bravatas verbais e coletes de bolinhas, possivelmente não tentará com a mesma disposição. A sua imagem iria desgastar-se mais e mais perante os ambientalistas, é verdade, mas a causa é nobre. Se você fosse ficando no ministério, a despeito da vontade de Lula de mandá-la às favas, e não se demitisse, mas forçasse o presidente a fazê-lo, conseguiria com isto causar um impacto muito maior. Mas acho que não faria isto. Todos temos nossos limites.

 

Rogério Grassetto Teixeira da Cunha é biólogo e doutor em Comportamento Animal pela Universidade de Saint Andrews.

 

E-mail: rogcunha(0)hotmail.com

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates