topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
A nova questão agrária chinesa Imprimir E-mail
Escrito por Wladimir Pomar   
Segunda, 19 de Maio de 2008
Recomendar

 

Como vimos, a questão agrária assumiu proporções que passaram a afetar não apenas os funcionários locais, agentes imobiliários e camponeses que utilizam sua força de trabalho para retirar da terra seu sustento, mas também o conjunto do país.

 

É verdade que, inicialmente, os governos locais desempenharam papel importante nos casos de disputas fundiárias. Funcionários de diferentes níveis se envolveram nas transações de compra e venda de terras, muitos deles apropriando-se ilegalmente de fazendas coletivas, distribuindo seu solo para uso não-agrícola e realizando negociatas com companhias imobiliárias.

 

Em muitos casos, havia apenas a ânsia dos governos locais em realizarem o crescimento econômico e elevarem a renda fiscal. Para estimular o crescimento, acharam que o caminho mais facial seria arrancar as parcelas dos camponeses, de modo a atrair investimentos para a construção civil das cidades e para a implantação de novas zonas ou áreas industriais. E, para elevar a renda fiscal, como resposta às exigências da reforma tributária dos anos 1990, consideraram que o redirecionamento das terras agrícolas, para projetos que gerassem mais taxas e receitas, seria o caminho mais adequado.

 

Essa obsessão dos governos locais abriu as comportas para a ação dos construtores civis, muitos dos quais receberam delegação para construírem moradias e prédios industriais e comerciais. É verdade que, com isso, criaram empregos e estimularam a economia, canalizando recursos para os cofres das prefeituras. Entretanto, ao entrar em parceria com os construtores civis, muitos funcionários corruptos enriqueceram a si próprios.

 

Esse ataque sobre as terras agrícolas ocorreu, em grande parte, porque os direitos de propriedade da terra na China tornaram-se obscuros, com a adoção da economia de mercado. Legalmente, a terra pertence à nação, sendo gerenciada pelo governo central, através de seus funcionários. Porém, não existe qualquer regulamentação legal a respeito e não é fácil aos funcionários do governo central responderem prontamente quando alertados de práticas suspeitas.

 

Desse modo, no início do século 21, os governos locais haviam se tornado beneficiários, em larga escala, da apropriação de terras para a construção de prédios e de fábricas. Por outro lado, alguns milhões de camponeses se tornaram sem-terra, sendo esta a causa principal dos distúrbios que se espraiaram pelas zonas rurais e deixaram alarmado o governo central.

 

Além disso, cresceu a preocupação sobre a habilidade da China em alimentar a si própria se suas escassas terras aráveis forem reduzidas ainda mais. Nessas condições, um novo e forte ajuste, ou mesmo uma reforma agrária voltada para aumentar os direitos camponeses e garantir a segurança alimentar da China, tornou-se um dos principais itens da agenda do governo.

 

Wladimir Pomar é escritor e analista político.

 

Recomendar
Última atualização em Segunda, 19 de Maio de 2008
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates