topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Eleição e política Imprimir E-mail
Escrito por Maria Rosa de Miranda Coutinho   
Segunda, 12 de Maio de 2008
Recomendar

 

O ano que iniciamos é, sem dúvida, de grande discussão política. Um ano eleitoral que começa a demonstrar que o povo brasileiro mais uma vez vive as decepções política/econômica, mas, sobretudo, a desconfiança com sistema representativo.

 

Continuamos com as dificuldades sociais de outrora, como os escândalos de corrupção nas diversas regiões do país. Lamentavelmente, os estados e municípios andam comprometidos com a falta de ética e com o descaso quanto aos inúmeros problemas na saúde e educação principalmente.

 

A política está doente e isso graças a pouca importância dada à democracia que já estacionou, há tempos, nos antigos espaços e discursos políticos.

 

Embora a sociedade brasileira seja movida por um sistema político partidário, a democracia deixou de existir na verdadeira concepção da palavra, ou seja, deputados e senadores simplesmente deixaram de representar o povo para defender interesses empresariais. Assim, de acordo com Benjamim Lago no livro Curso de Sociologia Política, de 2002, houve várias definições de política na história da sociedade e os gregos tendiam a associar política à ética. Tal visão pode dificultar a percepção de procedimentos antiéticos usados no exercício do poder.

 

Quando se percebe através de resultados concretos a inoperância e abatimento dos movimentos populares, é possível então afirmar que a política legítima necessita urgentemente de um antídoto contra as alianças mafiosas dos políticos, contra a incompetência dos que assumem o poder e contra o discurso demagógico e cínico de muitos líderes políticos que já foram chamados de "esquerda".

 

Em breve veremos os partidos se articulando a respeito de seu candidato e para isso haverá ainda muito jogo de cintura e declarações acaloradas. Contudo, o povo precisa estar ciente que a política atual e a que assistiremos na próxima eleição é aquela que está doente há décadas e tem como base os conchavos políticos que estão longe de interessar às reivindicações populares.

 

Talvez, os políticos carismáticos sejam mais uma vez os que irão agradar a opinião pública com suas promessas de campanha. Todavia, é bom lembrarmos que a política pura e verdadeira é a que guarda na memória a história e esta, quem sabe, tem dificuldade de se impor.

 

Se a democracia social, política e econômica ficou para trás, a verdadeira política que já adoeceu permanecerá invisível aos olhos de quem espera muito mais do poder político, não só no Brasil, mas também na América Latina.

 

Dessa forma, concluímos que a política está decadente nos diferentes espaços de poder, insistindo em ignorar os interesses sociais tanto no que diz respeito a uma direção política internacional quanto numa escala menor como a administração municipal.

 

O voto ainda é um exercício de poder, mas este deve tomar cuidado com o poder pouco democrático.

 

Por outro lado, apesar das deficiências aqui comentadas, é preciso ainda acreditar numa nova prática política, que deixa o campo do fanatismo ou da criminalidade e parte para um caminho aberto ao diálogo e ao compromisso com a justiça social.

 

Esperamos por uma nova política: íntegra, ética e bem intencionada. Não é possível que o poder sobreviva muito tempo dentro dos moldes atuais de representatividade. Por isso, resta-nos torcer pela boa recuperação da política que adoeceu.

 

Maria Rosa de Miranda Coutinho é mestre em Ciências Sociais.

 

E-mail: mariarosacoutinho(0)yahoo.com.br">mariarosacoutinho(0)yahoo.com.br

 

Recomendar
Última atualização em Qui, 19 de Junho de 2008
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates