Caminhos de Ferro

0
0
0
s2sdefault

 

Dentre as inúmeras canções brasileiras que aprecio está "Ponta de Areia", de Milton Nascimento e Fernando Brant, entre outras razões por seu tom evidentemente nostálgico sobre uma faceta da cultura brasileira que não vivi, mas que também me causa nostalgia: os tempos áureos do trem no Brasil. Parafraseando Renato Russo, é a saudade que sinto daquilo que não vi. A canção versa sobre a desativação da estrada de ferro Bahia-Minas, que unia a cidade de Araçuaí, no norte mineiro, com Caravelas, no litoral sul da Bahia.

 

Pois bem, a cerca de 400 km ao norte dali está sendo urdida a construção de outra ferrovia, nada bucólica e poética como a cantada por Milton. Refiro-me ao projeto que ligará o oeste da Amazônia brasileira ao oceano Atlântico. Mais precisamente, Vilhena, em Rondônia, a um ponto entre Ilhéus e Itacaré, na Bahia, região famosa pelas belas praias e natureza, que recentemente foi notícia com o desaparecimento, nas suas proximidades, de um avião monomotor onde viajavam empresários ingleses. Os desaparecidos estavam justamente interessados em um projeto turístico em Itacaré, não muito longe dali. Além do acidente, as recentes notícias de planos do governo para a região não são nada boas para as suas empresas e é bom começarem a recolher o projeto, pois em breve as praias locais podem ficar bem menos atraentes.

 

Sempre fui um árduo defensor das ferrovias, não apenas por razões emocionais, mas também pelas ambientais. Para cargas, os trens carregam muito mais peso por unidade de combustível consumido que caminhões. Num mundo às voltas com aquecimento global, estoques limitados e preços galopantes de petróleo, isto não é pouca coisa. O mesmo se dá com o transporte de passageiros em relação aos ônibus, aliado ainda à maior velocidade e conforto. Por isso tudo, nunca pensei que fosse ser ferrenhamente contrário a um projeto de ferrovia.

 

O traçado da Ferrovia Leste-Oeste, como é chamada a obra (incluída no PAC), começa perto da fronteira com a Bolívia, em um dos estados que mais têm colaborado com os índices recordes de devastação da floresta amazônica, com vistas à pecuária e à sojicultura. A ferrovia segue rasgando todo o estado de Mato Grosso, de oeste a leste, na sua porção central, estado este, é bom lembrar, que é campeão do desmatamento, não só da Amazônia, mas também do Cerrado, novamente devido ao gado e à soja, além do milho. Em seguida, a ferrovia entra pelo norte de Goiás, onde encontra a Norte-Sul. Ali, ela sofre uma descontinuidade e segue para o leste a partir de um ponto mais acima, no sul de Tocantins, entrando pelo oeste da Bahia e cortando todo o estado até chegar ao litoral. Em todas essas regiões também se verifica uma forte expansão do agronegócio, onde quem sofre é predominantemente o Cerrado. Em sua ponta no litoral planeja-se a construção de um mega-complexo portuário, o Porto Sul, outra das pérolas ambientais do PAC.

 

Pois bem, não é necessário ser vidente para saber qual será o resultado da ferrovia: forte expansão do desmatamento para conversão em pastagens e plantações de grãos numa enorme faixa de cada lado da linha, com a grande facilitação do escoamento promovida pela mesma. Fosse apenas para escoar as plantações já existentes, e se não avançasse tanto para o norte do país, a construção da ferrovia até poderia ser considerada uma boa idéia.

 

Mas, dado o pífio interesse de fiscalização ambiental e de planejamento do uso do solo demonstrados em todos os níveis de governo nos últimos anos (ou mesmo a omissão, complacência ou conivência com o desmatamento), só podemos temer o pior. Ainda mais se somarmos a isto a voracidade do agronegócio nacional, os louvores feitos a eles pela mídia e pelos economistas (e pelo governo), e a visão que trata o Brasil como mero fornecedor de commodities ao mundo.

 

De mais a mais, só reforça um modelo produtivo que não traz desenvolvimento real ao país, baseado na exportação de produtos agrícolas de baixo valor agregado, que geram uma quantidade muito menor de empregos ao longo da cadeia produtiva em comparação com o verificado nos setores industriais.

 

Para quem duvida das intenções das forças por trás da ferrovia, adivinhe só qual é o foco esperado para o Porto Sul? Bingo: soja, minério de ferro e biocombustíveis. Quanto ao segundo item, o porto seria o destino final de um mineroduto que sairá de Caetité, na Bahia, que conta com um enorme reservatório de minério de ferro. As informações sobre a propriedade da empresa que detém os direitos de exploração na região, a Bahia Mineração Ltda., são bastante controversas. De certo, temos que ela não é nacional e que o alvo inicial é a exportação para a Ásia (e por lá quem mais tem fome de ferro são a China e a Índia).

 

Novamente, é o Brasil exportando produtos baratos, ajudando o desenvolvimento alheio, perdendo ainda parte do lucro com isto e ficando com um ônus ambiental. Tudo em troca de meia dúzia de empregos e alguns dólares a mais para fazer propaganda de uma balança comercial positiva. Ah, um detalhe extra: na região de Caitité há também urânio. Dada a importância estratégia deste mineral, é para se colocar as barbas de molho. No mínimo.

 

O que impressiona é a voracidade e a pressa do governo da Bahia e dos que desejam o projeto, o mesmo rolo compressor visto em várias obras ambientalmente duvidosas do PAC. Tudo está sendo feito com uma celeridade "nunca antes vista na história deste país".

 

Querem tudo para ontem, licenciamento ambiental inclusive (óbvio, quanto menor o tempo e maior a pressão, menos chance de a coisa ser bem feita, o que poderia melar os planos dourados). Alguns dos argumentos usados são os mesmos de sempre: "vai gerar não sei quantos empregos", "vamos fazer tudo com o máximo cuidado ambiental", "os impactos serão mínimos", "vai trazer desenvolvimento e revitalização para a região". A mesma ladainha, desta vez com algumas adições, como a de que o porto será de uma modalidade que causará menos impacto, que várias ações mitigadoras já foram planejadas etc. Só não sei como um mega-complexo portuário prevendo terminal de ferrovia, mais locais de estocagem, mais cinco novas rodovias, mais aeroporto, mais mineroduto, conseguirá ser ambientalmente amigável. Talvez seja uma limitação mental deste articulista.

 

Há ainda alguns detalhes incômodos. Primeiro, parte do projeto está dentro de uma APA (Área de Proteção Ambiental), o que por si só demanda maiores cuidados. Segundo, está numa região ainda com razoável preservação de Mata Atlântica, pela forma de cultivo do cacau (na sombra), preservando parte do dossel de floresta nativa. Terceiro, ela possui um excelente potencial para o desenvolvimento do eco-turismo e de atividades menos impactantes, inclusive a continuação da cultura cacaueira. Quanto aos tais empregos gerados, lá e em outros locais, pode-se notar que toda a multiplicidade de referências na internet parte de uma fonte única, que cita de oito a dez mil empregos na fase de implantação. Mas nada se fala sobre quando as obras acabarem.

 

Lembrando novamente a poesia de Brant e Nascimento, a Maria-Fumaça que fazia em Ponta de Areia o seu ponto final e "cantava" para "moças, flores, janelas e quintais", enchia de alegria a vidas das pessoas, ligando Minas Gerais ao mar. Já a ferrovia que ligará Rondônia à Ponta da Tulha, em Ilhéus, deixará um rastro de desmatamentos e destruição e, na paisagem vazia, um grito, um ai, matas esquecidas, fumaça nos ramais.

 

Rogério Grassetto Teixeira da Cunha, biólogo, é doutor em Comportamento Animal pela Universidade de Saint Andrews.

 

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

{moscomment}

Comentários   

0 #4 Adilson Nascimento dos Santos 01-07-2008 06:18
Desculpe-me mais discordo dos teus comentarios sobre o porto, sou um Ilheense que mora fora da sua cidade natal a 32 anos justo por não ter oportunidades na cidade em que nasci. E hoje quando é possivél se progredir com investimentos de grande porte, temos o disprazer em ver que existe sei lá porque as pessoas que torcem contra, usando a demagogia do meio ambiente.
Deixe Ilheus crescer é justo por isto que perdemos muitos investimentos, inclusive para Itabuna, serve como um dos exemplos a Petrobrás que viveu muito anos em Ilheus e hoje está em Itabuna, que nem tem nada a haver com Petrobras, e fora outros investimentos que foram para lá justo devido aos contras. Deixem Ilheus crescer o progresso é o porto sim, é o aeroporto sim, são estradas sim. E não demagogias que não levam a nada só distroem.
Viva Ilheus nos seus 127 anos de cidadania, apesar dos contras.
Citar
0 #3 VERGONHA.....BRASILhuesler anton 18-06-2008 17:03
O Brasil nao deve exportar sua materia prima para enriquecer outros países e deixando para
si um rastro de destruiçao no
meio ambiente. O Basil deveria
usar seus recursos em seu próprio beneficio com isso teria
milhóes de embregos, e aí sim,
exportaria os produtos meio prontos e prontos. A maréria prima pertence ao povo,e não aos
políticos corruptos.
Mesmo o Brasil vende as Bezerras que no futuro daria Leite. ACORDA POVO BRASILEIRO. DEFENDE O QUE É SEU.
Citar
0 #2 \"Progresso\" SEM FuturoGutenberg Berbert de Castro 13-06-2008 12:08
Fui nascido e criado em Ilheus na Bahia (meus familiares moram la) e hoje resido em Nova York...Acabei de ler o triste e magnificamente EXPLICITO texto de titulo CAMINHOS DE FERRO redigido pelo Dr. Rogerio Grassetto Teixeira da Cunha...E posso acrescentar sem sombra de duvidas que existem documentos ( na Internet) sobre a possibilidade (ja presente) da Conexao Ferroviaria/Portuaria entre o Oceano Pacifico (Norte do Peru, regiao de Piura pelo Puerto de Bayovar,ja existente) com o Oceano Atlantico (Sul da Bahia/Brasil, na cidade de Ilheus pelo Porto Sul)...Essa conexao Ferroviaria denominar-se-a FERROVIA TRANSULAMERICANA...E sua finalidade principal e unica eh o escoamente/exportacao de materias prima organica e inorganica para paises diversos entre eles: Estados Unidos, China, India,Japao,Canada etc...E QUASE NINGUEM SABE DISSO!!!...Tudo esta sendo feito na surdina...Sem maiores alardes...Um horror!!!
Existe,hoje, um grupo de pessoas da Sociedade Ilheense engajadas na Luta CONTRA a Construcao do Porto Sul...Recentemente montaram uma associacao LEGAL chamada ACAO ILHEUS(AAI)...que objetiva um Progresso RESPONSAVEL E VERDE...Um Progresso edificado atraves do equilibrio entre o Homem e o seu Meio Ambiente...Um Progresso que em harmonia com o Planeta beneficie continuadamente as futuras geracoes.
Sinto-me aterrorizado ao ver que a cidade de ILHEUS e REGIAO no Sul da Bahia estao a ponto de perder a sua unica e verdadeira riqueza: -A Sua Abencoada Natureza!!!
E O MUNDO TEM QUE SABER DISSO!!!...ISSO NAO PODE SER PERMITIDO!!!...QUEREMOS UMA POLITICA GOVERNADA PELA RESPONSABILIDADE, TRANSPARENCIA E RESPEITO!!!! QUEREMOS ,SEMPRE, UM PLANETA VIVO !!!!...
Citar
0 #1 Ferrovia leste-oesteHélio Q. Jost 12-05-2008 18:18
Outro dia recebi um e-mail "denunciando" a falta de investimentos pelo Governo Federal em infraestrutura. Mostrava uma cidadezinha no norte de Mato Grosso, pontes quebradas e caminhões atolados. Só faltou dizer que o "dono" da cidadezinha entrou naquele matão, criou uma cidade sem infraestrutura e em desobediência à Lei de Loteamentos e Estatuto da Cidade. De sobra, vendeu enormes áreas de terras públicas a fazendeiros que desmataram áreas imensas, cuja madeira vai pras serrarias, claro. Adivinhem o continham os caminhões atolados? Isto mesmo: MADEIRA. Quer dizer a reclamada INFRAESTRUTURA seria prá atender uns poucos que querem enriquecer às custas dos investimentos públicos, para valorizar as propriedades griladas. E ainda são contra a reforma agrária,...
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados