topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
O assassinato de Isabella e nós: como superar a violência? Imprimir E-mail
Escrito por Frei Gilvander Moreira e José Luiz Quadros de Magalhães   
Qui, 08 de Maio de 2008
Recomendar

 

No dia 29 de março de 2008, Isabella Nardoni, uma criança de 5 anos, foi assassinada e jogada do 6º. andar de um apartamento em São Paulo. Uma turba do "pega e lincha" está ameaçando linchar parentes e os eventuais assassinos dela, esquecendo-se de um direito fundamental a um julgamento justo e a ampla defesa, que todas as pessoas devem ter. A mídia, de má qualidade, condena sem julgamento e induz o povo brasileiro a ficar só observando, discutindo e se posicionando sobre o caso. Além de desviar a atenção do povo de tantos assuntos que devem ser discutidos e encarados, os principais meios de comunicação que ignoram tragédias diárias, iguais a essa, só porque acontecem com pessoas pobres, transformam essa notícia em quase única, violando direitos de privacidade e intimidade dos envolvidos. Precisamos ir além do que a mídia nos propõe para o debate diário e refletir sobre as diversas causas da violência. Como superá-la? Como construir uma sociedade de paz, com justiça social e sustentabilidade ecológica?

 

René Girard nos mostra que a violência é uma realidade humana permanente, cotidiana e universal, do âmbito privado até o familiar, da pequena sociedade até o Estado. Naturalmente tendemos à imitação. Por que desejar o que o outro deseja? Por que a criança prefere sempre o brinquedo de outra criança? Por que o rico da parábola de Natã (na Bíblia, 2º. livro de Samuel 12,1-12) quer a única ovelha do pobre para oferecê-la a um hóspede? Assim se estabelece uma briga de dois pelo mesmo "objeto", porque o outro o deseja. Instala-se no ser humano uma rivalidade mimética, atribuindo ao objeto um valor que é dado a ele pelo outro, independentemente de seu valor intrínseco, eclodindo a violência.

 

Cada vez que a violência entre pessoas ou grupos se manifesta, é necessário eliminá-la, porque, do contrário, essa levaria à destruição do grupo social. A violência se manifesta potente e generalizada e, portanto, difícil de ser suprimida, mas também cega e fácil de enganar. É mais fácil canalizar a violência rumo a um objeto conhecido e dessa forma saciá-la do que suprimi-la. Assim, por exemplo, a sociedade medieval queimava as bruxas para expulsar a peste que assolava toda a Europa.

 

As turbas do "pega e lincha" servem sempre para a mesma coisa. Os estadunidenses de pequena classe média que no Sul dos Estados Unidos do século XIX e no começo do século XX saíam para linchar negros procuravam só uma certeza: a de eles mesmos não serem negros, ou seja, a certeza de sua diferença social. O mesmo vale para os alemães que na noite de 10 de novembro de 1938 saíram para saquear os comércios dos judeus na Noite de Cristal, ou para os russos ou poloneses que faziam isso pela Europa Oriental afora.

 

Queriam, sobretudo, afirmar sua diferença. Arrumando um bode expiatório, diziam pela ação violenta: "Não temos nada a ver com isso. Somos diferentes. Violentos são eles. Violento é o outro". Mas quem não tem nenhuma responsabilidade por tantas violências que acontecem na sociedade que atire a primeira pedra, podemos dizer, parodiando Jesus de Nazaré, pego como bode expiatório.

 

A vontade exasperada de afirmar sua diferença é própria de quem se sente ameaçado pela similaridade do outro. Os membros da turba gritam sua indignação porque precisam muito proclamar que aquilo não é com eles. Querem linchar porque é o melhor jeito de esquecer que ontem sacudiram seu bebê para que parasse de chorar, até que ele ficou branco. Ou que, na outra noite, voltaram bêbados para casa e não se lembram em quem bateram e quanto.

 

A turba do "pega e lincha" representa, sim, alguma coisa que está em todos nós, mas que não é um anseio de justiça. A própria necessidade enlouquecida de se diferenciar dos assassinos presumidos aponta essa turma como representante legítima da brutalidade com a qual, apesar de leis e do Estatuto da Criança e do Adolescente, as crianças continuam sendo e podem ser vítimas dos adultos. Esse mecanismo se manifesta também quando a sociedade tecnológica descarrega sobre o inimigo - povo ou indivíduo - a responsabilidade pelo mal, e o pune com guerra, pena de morte, ou então com bloqueio econômico ou isolamento perpétuo. É o que fazem os tiranos, com seus projetos de guerra sem fronteira, caracterizando o diferente como terrorista, membro do "eixo do mal", como se eles encarnassem o bem. Confira Bush, o maior terrorista do mundo, na sua cruzada contra o "mal no mundo".

 

O medo gera reações violentas e a recusa em ver no outro a similaridade no humano permite que façamos com esse outro (com ele, na terceira pessoa) o que jamais faríamos com aqueles com os quais nos identificamos. Isso ajuda a compreender porque a morte bárbara de uma criança pobre, vítima de diversas formas de violência, não seja notícia de jornal como a morte de uma criança de classe média. Enquanto isso permanecer, continuaremos vivendo com muita violência. Só quando formos capazes de ver, em cada pessoa, a humanidade presente em todos, teremos chance de viver em paz. Somente quando qualquer forma de violência nos escandalizar, como nos escandalizou a violência contra Isabella, poderemos enfim viver em uma sociedade segura, com justiça e paz. Toda violência é intolerável, até mesmo a violência praticada contra aqueles que usam de violência.

 

A canalização da violência para uma determinada direção, verificável em nível individual, familiar, tribal e estatal, é uma reação primária que procura envolver emocionalmente todos os membros de um grupo ameaçado. O objetivo é prevenir uma possível violência ou pôr fim a uma situação violenta em curso. Assim se declara, por exemplo, uma guerra "santa", contra um inimigo externo, para unificar um povo que atravessa uma crise social, cultural ou econômica, que poderia levar a uma guerra civil entre todos os membros daquela sociedade. Isso foi feito, por exemplo, pelos militares na ditadura Argentina. Deflagraram a guerra das Malvinas com o objetivo de angariar apoio popular internamente.

 

Nos primeiros dias depois do assassinato de Isabella, um adolescente morreu pela quebra de um toboágua, uma criança de quatro anos foi esmagada por um poste derrubado por um ônibus, uma menina pulou do quarto andar apavorada pelo pai bêbado, um menino de nove anos foi queimado com um ferro de marcar boi. Centenas de crianças morreram de dengue, melhor dizendo, por causa de um sistema político e econômico corrupto, liderado por políticos profissionais e empresários inescrupulosos que dizem lutar pelo bem comum, mas, na realidade, usam os recursos públicos para desgraçar a vida do povo.

 

Centenas de jovens foram assassinados, cerca de 30 mil por ano. Pobres, negros e jovens estão sendo jogados nos presídios brasileiros, verdadeiras masmorras que reforçam um Estado repressor, agora propondo usar tornozeleiras em condenados, o que torna a prisão ambulante e fere fortemente a dignidade humana.

 

Em 24 de junho de 2006, o número de presos no Brasil era de 361.402 pessoas, segundo o Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN). Centenas de assassinatos de trabalhadores Sem Terra, como os casos dos massacres de Eldorado dos Carajás/PA, Felisburgo/MG, ou o dos fiscais federais em Unaí/MG, continuam impunes. Por que o povo não se revolta contra essas violências, mas se revolta contra "as violências acidentais" trombeteadas aos quatro ventos pela mídia?

 

Originalmente publicado em http://www.adital.org.br/

 

Frei Gilvander Luís Moreira é mestre em Exegese Bíblica, professor de Teologia Bíblica, Pároco da Igreja do Carmo em Belo Horizonte.

 

José Luiz Quadros de Magalhães é professor titular da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, professor adjunto da Universidade Federal de Minas Gerais.

 

E-mails: ceede(0)uol.com.br e gilvander(0)igrejadocarmo.com.br

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates