topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Os Promotores de Justiça e as eleições “de mentirinha” Imprimir E-mail
Escrito por Ariadne de Fátima Cantú da Silva   
Qui, 08 de Maio de 2008
Recomendar

 

São Paulo e outros estados elegeram o Procurador Geral de Justiça, chefe da instituição e pessoa sobre a qual recai a incumbência de chefiar o Ministério Público Estadual e também um grande número de atribuições, dentre as quais a legitimidade para processar criminalmente os prefeitos municipais e autoridades com prerrogativas de foro e atos de improbidade administrativa das mais altas autoridades do Estado.

 

Os promotores, assim como o Procurador Geral de Justiça, servem à população, pois além de serem detentores exclusivos da legitimidade para propositura da ação penal pública, a lei determina que sejam seus emissários na luta e defesa pelos direitos e garantias fundamentais e, portanto, incondicionais defensores da ordem jurídica e do regime democrático.

 

O sistema legal vigente seria quase perfeito se não fosse por um detalhe crucial: os promotores não elegem o procurador geral, isto porque a lei em vigor determina que o "governador" o faça, a partir de uma lista de três nomes, que os próprios Promotores de Justiça elaboram, podendo o governador escolher discricionariamente o mais votado ou o menos votado.

 

Quem perde com isso? Quem ganha com isso? Em pesquisa recente sobre o índice de confiabilidade de algumas instituições brasileiras, realizada pelo IBOPE e catalogada sob o número 165/2006, o Ministério Público ficou com 44%, o Poder Judiciário com 40% e a polícia com modestos 33%. E neste caso é imperativo concluir que quem perde é a sociedade, por ver atrelado o representante máximo do Ministério Público ao poder executivo, quando a este lhe incumbe fiscalizar.

 

Esta relação "incestuosa-discricionária" facultada pela lei, que permite a intervenção do governador na indicação do chefe do Ministério Público, vem recebendo severas críticas país afora e mobilizando a Conamp (Confederação Nacional do Ministério Público), que tem disparado cartas e mais cartas a diversos estados que se encontram escolhendo o chefe do MP, na luta pela legitimidade da vontade da classe. Esta é a vontade das associações de classe.

 

Internamente, os efeitos de uma eleição que não corrobora o desejo da classe vão muito além de um simples descontentamento. Geram também uma instabilidade perigosa, visto tratar-se de uma classe profissional com tantos poderes constitucionais. Novamente, todos perdem. Perde a sociedade e perdem os Promotores de Justiça.

 

Para que servem, então, as eleições para Procurador Geral de Justiça se na prática um candidato pode efetivamente figurar na lista tríplice com parcos votos e, portanto, com pouca ou nenhuma legitimidade vir a assumir a chefia da instituição? O que se sabe é que esta segunda etapa do processo eleitoral se dá de forma sigilosa e a "campanha" é desconhecida tanto pelos Promotores de Justiça quanto pelo público, que é o maior emissário do trabalho do Ministério Público. Outra vez, todos perdem.

 

Com as eleições para prefeitos municipais deve-se voltar à questão inicial da legitimidade e liberdade que deve nortear a atuação dos Promotores de Justiça, servindo de lastro de lisura e independência para proporcionar efetivo abrigo aos interesses constitucionalmente assegurados à sociedade.

 

A população, embora não possa votar para eleger os procuradores gerais de justiça, como fazem os americanos, deve saber como o processo funciona para que possa cobrar de seus administradores a liberdade que o Ministério Público precisa ter para defendê-los.

 

Ariadne de Fátima Cantú da Silva é Promotora de Justiça.

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates