topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Nunca é tarde para agir a favor da vida Imprimir E-mail
Escrito por Maria Rosa de Miranda Coutinho   
Sexta, 25 de Abril de 2008
Recomendar

 

Dia 19 de abril e todo o resto do mês seriam dias comuns se não fosse oficialmente determinado que se homenageie o ‘índio’. Mês que, pelo menos nas escolas, não passa em branco, porque se tornou uma obrigação pelo projeto pedagógico mencionar os indígenas na aula mais apropriada.

 

Muito positiva toda a lembrança e toda a discussão em torno dos povos que convivem na sociedade brasileira há muitos séculos. Mais positivo seria se a lembrança e preocupação por eles se estendessem durante todo o ano.

 

Gostaria, todavia, de iniciar esse artigo não tanto criticando o calendário e as poucas homenagens, mas ressaltando, sobretudo, a coragem dos diferentes grupos indígenas que vivem em nosso país de desafiar o poder político e a justiça da sociedade branca, que insiste em ignorar a cultura indígena no que se refere a sua identidade étnica que tem como principal sustentação a terra.

 

A história dos milhões de indígenas expulsos de suas reservas e mortos por defendê-las todos nós conhecemos. Contudo, o confinamento de grupos indígenas em pequenos territórios tem sido ainda a principal e sorrateira estratégia de certos políticos, comprometidos com grileiros e proprietários que receberam suas terras como herança de uma geração que fez muita mulher e criança indígena sangrar até a morte.

 

Nas últimas semanas, acompanhamos nos jornais o conflito em Roraima, na reserva indígena Raposa Serra do Sol entre índios e produtores de arroz. Mais uma vez, o poder repressor dominante se apropria dos mecanismos criminosos para tentar aniquilar mais um grupo indígena que defende sua identidade cultural.

 

Enquanto os conflitos entre poderosos e índios prosseguem em nossos tempos, a sociedade, preocupada então com seus próprios desajustes, contenta-se em aceitar os discursos evasivos e mentirosos dos políticos, prometendo seu voto numa próxima eleição.

 

Nunca a questão indígena esteve tão fora dos projetos políticos como agora, no governo atual, e jamais na história dos povos indígenas houve tantos mendigos entre esses povos que esperam há tanto tempo por demarcação de suas poucas terras.

 

Absurdamente os Yanomami, Guarani, Terena, Xoklein, Kaingang, Bororo, Xavante, Urueu-au-au, Kulina, Karitiana, Gavião, Suruí, Kayapó, e tantos outros cidadãos indígenas brasileiros, seguem acreditando na sua origem, na sua cosmovisão, no seu poder xamanístico, na sua lei.

 

A cultura indígena, para insatisfação de muitos, não vai desaparecer jamais porque ninguém deixa de ser o que sempre foi: guerreiro, sábio, humano e, principalmente, uma parte preciosa do meio ambiente.

 

O que acontece hoje, na verdade, é que não temos mais na mídia líderes folclóricos que no passado tentaram chamar a atenção da sociedade para seus inúmeros problemas e que, infelizmente, foram ridicularizados por uma elite descomprometida e medíocre.

 

Na sociedade atual, os indígenas fazem parte apenas de um grupo maior de miseráveis brasileiros, com algumas de suas lideranças anônimas e, lamentavelmente, vulneráveis à corrupção.

 

Bom seria se as novas gerações, que comemoram o dia do índio em suas escolas, se preparassem para exercer o verdadeiro papel de cidadão que é, além de outras coisas, conhecer e defender os direitos indígenas para então sim construir uma sociedade justa, multiétnica, sem juízo de valores e, principalmente, sem um poder econômico dominante sobre outros povos.

 

Maria Rosa de Miranda Coutinho é mestre em Ciências Sociais

E-mail: mariarosacoutinho(0)yahoo.com.br

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates