Jejum no dia da mentira nacional

0
0
0
s2sdefault

 

Primeiro de Abril é o dia da mentira, agora da mentira nacional. Vários movimentos sociais aproveitam o dia para esticar o nariz de Lula, Ciro Gomes e Geddel Vieira Lima, denunciando as "mentiras da transposição e a verdade do povo". Outros movimentos, embalados pela proposta, trazem outras mentiras, devidamente ocultadas, como a da reforma previdenciária.

 

Talvez pudéssemos colocar também essa feita às surdinas pelo presidente da República, através de uma Medida Provisória (http://www.correiocidadania.com.br/ ) que é a ampliação da área desmatável da Amazônia para 1.500 hectares. Haverá mobilizações em vários cantos do país e assim se deslancha o Abril Vermelho e o Maio de protestos com tantas movimentações previstas.

 

Mas não é só de denúncias e mobilizações que passam a viver os movimentos sociais. Na esteira do gesto de Frei Luís, primeiro de abril é um dia de jejum nacional. Claro, muita gente nem vai saber, mas aqueles que jejuarem estarão fazendo-o em prol de um país mais verdadeiro, cobrando de si mesmos atitudes mais coerentes e cobrando espessura moral dos nossos governantes. Certas realidades, certos demônios, como já dizia Jesus de Nazaré, "só com muito jejum e oração". Ghandi também entendeu dessa forma para libertar a Índia da dominação inglesa. Desmond Tutu e Mandela também entenderam assim para libertar a África do Sul da opressão do apartheid. Luther King também assim entendeu, e assim procedeu, para libertar os negros americanos do apartheid racial daquele país.

 

Portanto, jejum é uma arma das religiões, mas também foi transformado numa arma política. Quando essas duas dimensões se juntam, surge uma nova força moral, aquela que busca a verdade dos fatos, a verdade do povo, contra as mentiras daqueles que delas se beneficiam. Talvez seja impossível mudar os parâmetros sociais, políticos, ambientais e éticos do Brasil sem que esse instrumento do jejum se transforme numa poderosa força política. O jejum sempre foi a maior arma dos grandes pacifistas. Quem sabe nesse 1º de Abril, "dia da mentira nacional e da verdade do povo", estejamos dando um salto de qualidade na luta nacional por um país justo. Seja você também um desses.

 

Roberto Malvezzi (Gogó) é coordenador da CPT.

 

{moscomment}

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados