topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Resistência tributária Imprimir E-mail
Escrito por Osiris Lopes Filho   
Terça, 12 de Fevereiro de 2008
Recomendar

 

O povo brasileiro tem estado submetido a uma brutal espoliação tributária. Paga-se tributo ao Poder Público e o retorno à sociedade em serviços e obras públicas é lamentável e precário.

 

Elege-se um presidente de passado de operário e de retirante nordestino, com a bandeira de oposição, e o que ocorre é assunção plena e confortável da política tributária que maltrata a classe trabalhadora e a classe média, apena a média empresa, que é a genuinamente brasileira, com capital nacional, e favorece acintosamente às grandes empresas e aos titulares, entre as pessoas físicas, de rendimentos obtidos do capital, no chamado imposto de renda da pessoa física.

 

Mantém-se, em nome dos investimentos e da formação de poupança, um conjunto de tributos, cuja característica é a de a carga tributária, paga, inicialmente, pelo setor empresarial, ser transferida ao consumidor final de mercadorias e serviços, vale dizer, o imenso e esmagador componente de nossa sociedade que sobrevive oferecendo no mercado a sua força de trabalho.

 

É uma versão modificada de velhos hábitos do passado colonial e escravagista. Como sempre, explora-se o trabalho e protege-se o capital, vale dizer, os bem dotados economicamente.

 

Suor e sangue são as matérias eleitas para suportar o peso dos tributos. A dura luta pela sobrevivência, mediante a obtenção de salários aviltados, tem, como conseqüência, sido escolhida para suportar o encargo de financiar o poder público no país. E para fazê-lo, fica-se submetido a uma sangria que retira do povo as energias do produto do trabalho, em um sistema espoliativo em que a carga tributária é transferida para o povo, por impostos e contribuições que se situam em torno de 80% do que é arrecadado no país.

 

Ainda é muito baixo o nível de compreensão da nossa sociedade acerca do mecanismo tributário. As reivindicações acerca da cobrança, pelo povo, da prestação de serviços públicos pelo Estado só funcionam em relação aos impostos que, sendo vistos, podem ter seu peso dimensionado. Especificamente, é o caso do imposto de renda, imposto predial e territorial urbano – IPTU e imposto sobre propriedade de veículos – IPVA.

 

A carga tributária que é camufladamente transferida para o povo, no ato de consumir bens e serviços, só é sentida pelo esvaziamento que provoca no bolso dos nossos cidadãos, incluída nos preços finais praticados, contra o consumidor.

 

A reação existente na cidade do Rio de Janeiro contra o IPTU comprova o que acima foi afirmado. Visto e pesado o IPTU, principalmente pela classe média, tem-se como resultado a medida da ponderação tributária. Eleva-se despudoradamente esse tributo, sem uma retribuição adequada pelo governo municipal. A sociedade civil mobilizou-se e iniciou um programa de resistência civil ao aumento do imposto, sem que, de sua parte, a municipalidade cumpra o seu dever de prestação de serviços públicos adequados. É um começo de mudança de comportamento dos contribuintes. À passividade de carneiro tosquiado, surgiu a mobilização contra a espoliação desenvolta do Poder Público.

 

É um sinal de que as coisas têm de mudar, principalmente quando se acena com a reforma tributária, que só tem sentido ser realizada quando efetivamente se distribua melhor o ônus tributário por critérios de capacidade contributiva, justiça fiscal, personalização dos tributos, e se modifique o sistema tributário baseado em tributos indiretos, suportados substancialmente pelo povo do país. Chega de discurso generoso, que se revoga por ação acomodatícia de manter a espoliação tributária de arrecadar tributo, sem realizar o bem comum da sociedade.

 

Osiris de Azevedo Lopes Filho, advogado, professor de Direito na Universidade de Brasília – UnB – e ex-secretário da Receita Federal. E-mail: osirisfilho(0)azevedolopes.adv.br

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates