Escolher a vida

0
0
0
s2sdefault

 

Talvez uma das coisas que mais se presta a enganos e equivocadas interpretações hoje em dia é o entendimento da liberdade.  Todo o processo da modernidade, com o crescimento da autonomia do sujeito e o império da razão, parece haver colaborado neste sentido.  Assim é que se entende liberdade como fazer o que se tem vontade, o que dá na telha, o que se está a fim de fazer, o que me deixa bem, o que me faz “feliz”.


O resto, os outros, importam pouco.  O importante é que eu possa consumir aquilo que tenho vontade, namorar quem e quantos tenho vontade a todo minuto que tenho vontade, fazer e desfazer relações, compromissos e pactos de acordo e ao ritmo do meu direto interesse neles.  A sociedade de consumo, a ideologia neoliberal, a cultura de sensações seduzidas onde nos encontramos incita a isso.


O saldo extraído dessa atitude e deste tipo de comportamento é, inegavelmente, negativo.  Na verdade, pretendendo ser livres, estamos cada vez mais escravizados: as nossas paixões, nossos desejos e gostos imediatos, nossas compulsões várias, sexuais, consumistas.  E vamos gerando para nós mesmos uma sucessão de múltiplas e sufocantes frustrações que nos atam e agrilhoam e nos levam longe, muito longe, no extremo oposto de onde está a tão decantada liberdade, que tanto nos vangloriamos possuir.


A Campanha da Fraternidade, lançada pela CNBB nesta quarta feira de cinzas, início da Quaresma, alerta para esse risco que a humanidade hoje corre, lembrando que a vida é um dom, sim, mas é também uma escolha.  E o único caminho que pode nos levar à liberdade pela qual tanto suspiramos e à qual tanto aspiramos é escolher, a cada momento e em cada situação, aquilo que leva à vida.  


Para a Revelação judaico-cristã, a vida é o outro nome de Deus.  Criador de tudo que existe, fonte inesgotável de toda vida que existe, a natural, a humana, Deus é igualmente Senhor da história onde essa vida é chamada a desenvolver-se e chegar à sua plenitude.  É seu hálito soprado nas narinas de Adão, feito do barro, que transformará esse que é semelhante aos outros seres vivos pela mortalidade em alguém capaz de auto transcender-se e fazer escolhas que o aproximam do Criador, sem deixar de ser criatura.  


Assim é que a escolha mortal do homem e da mulher pela soberba e pela negação de seu estatuto de criatura vai levá-los para longe do paraíso.

 

Assim é que as escolhas que o povo de Israel vai fazendo ao longo de seu caminho ora o aproximam da vida e da liberdade, pela prática da justiça e o culto ao único e verdadeiro Deus que lhe propõe uma aliança; ora o afastam da vida, pela injustiça praticada contra o pobre, pela idolatria que os faz dobrar os joelhos diante dos ídolos vazios e mortos que só podem levá-los à frustração e à morte.  

<!--[if !supportLineBreakNewLine]--> <!--[endif]-->

Oferecida como dom, a vida deve ao mesmo tempo ser escolhida, a cada momento e em todo tempo e lugar. Escolhida na contramão da morte, que a cada dia decide pela falta de futuro de milhões de seres humanos condenados à morte prematura e a uma existência sem horizontes.

 

Escolhida na contracorrente de uma sociedade que só valoriza o dinheiro e o sucesso, e marginaliza como perdedores todos aqueles e aquelas que não conseguem entrar em sua avassaladora avalanche.  Escolhida na resistência firme e serena ao poder, ao prazer e ao ter que se apresentam como únicos ideais que podem trazer a felicidade e a realização.

<!--[if !supportLineBreakNewLine]--> <!--[endif]-->

A Igreja do Brasil relembra a todos nós no início deste período quaresmal que escolher a vida é lutar para que outro tenha vida.  Para que a natureza não seja destruída e o mundo continue sendo habitável para essa geração e a futura.  Para que a violência e as drogas não dizimem a juventude em louca corrida em direção a viagens passageiras.  Para que a vida não seja interrompida antes sequer de começar, pela prática do aborto, nem interrompida antes de terminar, pela eutanásia irresponsável.

 

Escolher a vida.  Eis o segredo da liberdade.  Eis o único caminho para que a existência humana seja digna deste nome.


Maria Clara Lucchetti Bingemer, teóloga, professora e decana do Centro de Teologia e Ciências Humanas da PUC-Rio

{moscomment}

Comentários   

+1 #2 ---------regina celia rivoli gil 07-02-2008 19:04
Parabenizo-a pelo excelente teor da matéria acima descrita.
Como é maravilhoso podermos desfrutar dos conhecimentos de pessoas tão inteligentes.
Boa noite, fique com Deus Regina.
Se possível, envie-me outras.
Citar
0 #1 A liberdade gera vida!João Antônio da Silva Júnior 07-02-2008 09:10
É muito oportuno o esclarecimento da autora quanto o significado da verdadeira liberdade. Os equívocos quanto a isso tem sido danosos à vida. Que a CF 2008 nos ajude a escolher sempre mais a vida. Parabéns a Maria Clara e ao Correio da Cidadania.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados