AA, BBB, CVV: a audiência sobe e a sociedade perde

0
0
0
s2sdefault

 

Em meados do mês de janeiro deste ano, a maior emissora de TV do país anunciava mais uma edição de um programa que se propõe a “vigiar” ou “monitorar”, através de câmeras instaladas em uma confortável casa, a vida cotidiana (?) e fútil de diferentes pessoas que foram selecionadas por seus “talentos” e “qualidades”. Os dotes físicos, com certeza, são valorizados com bastante cuidado na escolha destes candidatos. A casa, que não contempla a diversidade brasileira (não existem velhos, portadores de deficiência, obesos, estrangeiros etc.), é uma caricatura mal feita daquilo que entendo como programa de entretenimento. O programa agride aos que esperam da TV algo mais do que mera exibição de corpos e divulgação de produtos de consumo rápido os mais diversos. Saudades do Chacrinha!

 

Um prêmio sedutor em dinheiro para o ganhador do programa e uma série de patrocinadores que vão de um grande banco privado a uma das maiores fabricantes de automóveis do Brasil mostram o tamanho do investimento em um programa como este. Não há futilidades televisivas sem grandes patrocínios. Não haveria grandes empresas, incluindo-se aí bancos e montadoras de veículos, se houvesse clientela mais exigente, mais amadurecida mesmo.

 

Uma curiosidade ainda me deixa inquieto neste início de BBB 8ª edição: a pouca discussão midiática sobre o tema. Na sua primeira versão, especialistas de diversas áreas escreveram sobre este tipo de programa e a discussão ganhou um aprofundamento maior. Talvez não tenhamos paciência, nem tempo, para dialogar sobre um mesmo tema por diversos anos. Também estamos acostumados a discutir os temas apenas na época em que eles estão em plena evidência. Creio que estou atrasado neste momento.

 

Pois bem, as letras que são bastante conhecidas e caracterizam e identificam o programa televisivo BBB são anunciadas, vendidas, patenteadas e mostram que o capital, quando quer, pode apostar todo o seu potencial de investimento em algo que pressuponha lucro imediato e certo. Não é a toa que o mercado também vive de letrinhas: CDC, OP, BM&F, UFIR e outras.

 

Outras letras, porém, mostram que a sociedade poderia contemplar com mais profundidade outras propostas, mesmo que a mídia as deixe de fora do horário nobre. O BBB poderia ser momentaneamente esquecido e nos fazer refletir sobre outras abreviações de nomes que não viraram marketing instantâneo, mas têm uma história por contar, como o AA.

 

Ser um ex-AA é mais do que sair da casa, é manter compromisso integral com os que partilharam de um mesmo dilema, às vezes, anos a fio. É mostrar que a entrada e a saída são ganhos. É ser reconhecido pelos fracassos e sucessos.

 

O AA faz também a sua seleção para o acolhimento dos pretendentes a entrarem na sua “casa” e divulgarem as suas histórias. É uma seleção amorosa, onde atributos como idade, aparência física ou situação econômica não têm importância alguma. O prêmio do AA é mais enigmático, sem tempo certo para ser entregue. O melhor de tudo é que ele é sempre partilhado. Diferente do BBB, onde as brigas significam que “o jogo” está pegando fogo, as outras letras optam pela paz. Não sei se o AA tem patrocínio sequer para divulgar os seus serviços. Bancos, montadoras de automóveis, emissoras de TV e tantas outras empresas talvez não vejam em outras letras investimentos necessários.

 

Falo de investimento financeiro, mesmo. O passo organizacional para o funcionamento da instituição que dialoga com pessoas que sofrem os problemas do alcoolismo está consolidado, mas poderia ir muito mais além.

 

A mídia, assim como as grandes empresas, poderiam ainda ampliar a sua visão comercial divulgando e apoiando (quem sabe em horário nobre), além do BBB, o CVV. Um serviço de apoio a pessoas que buscam amparo emocional através de ligações telefônicas. A valorização da vida parece se perder quando um projeto como este necessita constantemente de voluntários para que possa funcionar plenamente. O CVV necessita mais do que voluntários, necessita de investimentos financeiros, de reconhecimento social mais amplo, de muitos telefones como os que as empresas disponibilizam para que os curiosos possam ouvir as “conversas” dos BBB que estão “confinados”. A TV confina a todos?

 

O maior faturamento do verão de uma emissora de TV e dos seus anunciantes se concentra em um programa que ganhou identidade com as suas letras e a sua futilidade característica. O maior ganho que a sociedade poderia ter neste momento talvez fosse perceber que o alfabeto da cidadania e das escolhas midiáticas vai além de algumas letras. Podemos mudar de canal, podemos tomar atitudes, podemos pensar sobre o assunto. As grandes empresas idem. Daqui a pouco, elas estarão também no “paredão” de uma sociedade que não se vê apenas no BBB, mas no MST, no GAPA, na CNBB, na OAB...

 

Para o leitor mais distraído, informo que a siglas AA e CVV representam respectivamente: Alcoólicos Anônimos e Centro de Valorização da Vida. BBB todos sabem o que não significa.

 

 

Paulo Henrique Lima de Oliveira é sociólogo (UFC), mestre e doutor em Geografia (UFMG e UFU). Escreve no blog www.aquiaa.blogspot.com . Email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

{moscomment}

Comentários   

0 #9 Parabéns ao autor do texto!Cris 18-02-2008 07:22
Recebi este artigo por email. Um amigo meu o enviou.
Fico feliz ao perceber que muitas pessoas também partilham da minha opinião.
Realmente é lamentável constatar que muitas pessoas perdem o seu precioso tempo assistindo programas desse nível.
Pior ainda é saber que um jornalista tão competente como Pedro Bial foi justamente aceitar ser apresentador de um programa tão fútil.
Prefiro gastar meu tempo com as siglas AA,CVV,etc.
É importante lembrar o autor do texto, que existem muitas outras entidades realizando importantes trabalhos. Muitas nem ouvimos falar, mas graças a Deus, elas existem.
Citar
0 #8 exelente artigo sobre essa porc de BBBJosé Schmidt 17-02-2008 18:52
conheço muito bem a filosofia do trabalho que desenvolve o cvv por tanto esse tal de bbb não deveriamos dar ibope isso me arrebeeeenta essa nojeira que passa na televisão isso não aumenta em nada nosso conhecimento e saber que tem gente perdendo tempo na frente do aparelho com essa m......
Citar
0 #7 A importancia dos CVVspatricia bays 12-02-2008 19:18
Grande artigo, revelando a existencia de entidades tão corporativas e necessárias em nossa sociedade... CVV, uma ong tão pouco falada, mas de valor inestimável, que ajuda pessoas na busca por si mesmas, no apoio à solidão, a angústia, a tristeza, as vezes sem causa aparente... É realmente uma pena que programas tão fúteis e nocivos a nossos adolescentes, ultrapassem a divulgação de entidades bem mais importantes, como o CVV.
Citar
0 #6 Adalberto T. Ferrão 11-02-2008 16:43
Concordo plenamente com o texto em gênero número e grau.
É através de programas desse nível, que a criminalidade cresce.
Citar
0 #5 A solução é simplesVicente Figueiredo 09-02-2008 21:04
Parece que a minha análise sobre o BBB difere um pouco, de tantas que eu estou vendo e lendo. O BBB é dirigido para a percela da população brasileira que se identifica e aplaude muitas outras coisas que aos nossos olhos são bem semelhantes. Qual a diferença entre uma participante do BBB e aquela deputada federal, por São Paulo, que dançou em pleno plenário festejando a absolvição de um colega que estava na lista dos mensaleiros? Qual a diferença entre o apresentador Pedro Bial que chama os participantes do BBB de \"meus guerreiros\"e o nosso presidente da república que constantemente afirma \"nunca na história desse pais.\" Portanto, o que deve ser feito sempre é usarmos o controle remoto e nos proteger do Big Besteirol Brasileiro.
Citar
0 #4 Retrato da IncompetênciaSônia Luz Monteiro Oliveira 09-02-2008 14:00
8Vivemos num país, onde se constata um crescimento natural da população jovem. Entretanto, a sociedade e o estado pouco fazem para que as famílias possam sobreviver com seus integrantes jovens, cheios de energia interior e uma rebeldia natural que lhe é tão peculiar. Quase sempre os pais se desequilibram diante da força de espírito de seus filhos adolescentes, marcada pelo inconformismo com o tradicional e com as imposições normais.Quase sempre essa dificuldade de convivência acarreta um distanciamento entre pais e filhos adolescentes, os quais passam a ser taxados de irresponsáveis, desajustados e alienados.
Por outro lado a sociedade capitalista, que só se importa com o lucro, joga no seio da família programas como o BBB, que deformam cada vez mais a consciência da nossa juventude, provocando uma inversão profunda nos valores que dão sustentação a capacidade de convivência sadia entre os seres humanos.
E o Estado, que produz políticas sociais básicas de péssima qualidade se mantem distante do enfrentamento de defender sua população jovem.Prefere gastar em políticas repressivas de pouca expressão nas periferias, com o discurso de que matando e prendendo jovens está defendendo a cidadania brasileira.
Nossos jovens estão precisando é de políticas públicas para a juventude, que quebre de vez com os paradigmas sociais cristalizados, políticas de garantia de direitos que possam ser discutidas abertamente com a sociedade, entre os diversos segmentos, sendo um dos mais expressivos os de comunicação de massa, como a televisão. Necessitamos, urgentemente, banir dos nossos lares os famigerados BBBs e trazer programas que prepare a nossa juventude para o protagonismo ético e empreendedor, tornando nossos jovens saudáveis e aptos a assumirem gradativamente suas vidas no seio familiar.
Citar
0 #3 LetrinhasMarcel Valluis 07-02-2008 16:15
Grandes empresas e grandes instituições financeiras não estão muito preocupadas com a tal chamada responsabilidade social, como, de fato, são divulgadas tais informações. A preocupação maior são os lucros e as diversas atividades que os alavancam. Em 7 de fevereiro de 2008, foram anunciados, por exemplo, dados sobre a evolução de lucros de uma grande instituição bancária, cujo crescimento foi de 48%, atingindo a cifra de R$ 1,86 bilhão. E a pergunta é: quanto desse lucro foi destinado a associações que são mais conhecidas por suas \"letrinhas\", como AA, AACD, CVV etc.?
A questão é que essas \"letrinhas\" não dão ibope e não fazem nenhum marketing, cujo resultado seja tão somente o lucro.
Num mundo globalizado como o que estamos inseridos, a competição e a concorrência são fatores muito mais importantes e relevantes e que se sobrepõem aos interesses coletivos da sociedade de forma geral.
O autor tem razão em suas colocações, mas não creio que possamos mudar esse quadro. Afinal, preocupações com o social não geram lucros e, para muitos, seria fazer papel de bobos.
Citar
0 #2 heitor pereira silva 07-02-2008 08:27
Parabéns pelo artigo, e dessa leitura retiro, além de outras informações, uma sugestão fantástica para reflexões: "quem está realmente confinado: os BBBs ou os telescpectadores?" É muita pobreza consumir qualquer tempo da vida diante das cenas e quadros apresentados no programa.
Citar
0 #1 AA E CVV DIFERENTES DE BBBNarciso Medeiros 06-02-2008 19:45
Alcoólicos Anônimos e Centro de Valorização da Vida são entidades que conquistaram uma tradição de respeito, pelo seu papel social, atuando conforme princípios de grande relevância. Ao que parece o Big Border Brasil caminha exatamente na contra-mão, dilapidando os princípios da nossa sociedade e estimulando o exercício de atividades completamente desregradas. Parabéns ao autor. Caso deseje conhecer mais sobre A.A. e CVV, certamente terá boas surpresas, ao ver que no mundo de hoje ainda existem, como eles, muitos ambientes saudáveis.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados