A educação e a família... mas que família?

0
0
0
s2sdefault

Contou-me uma professora que certa aluna sua recusava-se a separar os dígrafos RR e SS. Embora com autorização expressa da gramática, a menina queria as duas letras juntas. A professora só entendeu mais tarde, quando descobriu que os pais da aluna estavam separados e “separação” tornara-se palavra cruel demais.

 

Os educadores envolvidos com o cotidiano das salas de aula, e não apenas com as estatísticas (que têm sua função, mas jamais dizem tudo), experimentam na carne os reflexos incontestáveis da vida familiar no desempenho escolar dessas crianças e jovens, no seu comportamento, na sua timidez ou expansividade, na sua agressividade ou tranqüilidade.

 

Não idealizemos a família. Idealizá-la é uma tentação (no fundo compreensível) quando pensamos na importância que desempenha no desenvolvimento psicológico e moral do indivíduo. Neste ponto, contudo, como em muitos outros, os poetas acabam sendo mais realistas (porque aceitam o que há de ambivalente na realidade) do que os filósofos e sociólogos mais perspicazes.

 

Lembro as palavras de Paul Valéry lá pela década de 30 do século passado: “Cada família expele uma secreção, esse aborrecimento interior e específico que faz os seus membros, enquanto ainda têm vida, fugirem dela quanto antes. Mas a família possui também uma antiga e poderosa virtude que reside na comunhão de todos em torno da refeição à noite, e no sentimento de cada um poder ser, diante dos demais, aquilo que de fato é, sem fingimentos”.

 

Todas as famílias terão suas contradições. O que preocupa, no entanto, é a família desarticulada, mesmo que aparentemente unida. Há escolas que começam a ter medo de comemorar o Dia dos Pais ou mesmo das Mães... porque pais ou mães vivem tão ocupados que mal podem participar de um encontro com seus filhos nesses momentos. Mães e pais mergulhados na vida profissional delegam às babás, aos instrutores, aos docentes, aos avós responsabilidades básicas que somente os pais nasceram capacitados para assumir.

 

Tarefa fundamental dos pais: dar tempo aos filhos. Falar com eles. Ainda que os filhos reclamem dos “sermões” maternos e paternos, são essas palavras as que ficam, em forma de lembrança, ensinamentos profundos, âncoras para quando vierem as tempestades.

 

A falta de tempo para conviver em família faz da família uma farsa entediante, e da educação familiar perigosa ilusão. Não basta coincidir algumas horas sob o mesmo teto.

 

 

Gabriel Perissé é doutor em Educação pela USP e escritor - Web Site: www.perisse.com.br

{moscomment}

Comentários   

0 #11 Familia e educacaograciliano alves costa 04-04-2010 03:11
A familia, maes e pais, devem ser o berco da educacao.As maes nao devem deixar para os avos o seu dever que tem para com os filhos. Delas dependem uma educacao de qualidade e o desenvolvimento do filho.O filho que tem o calor de mae nao fica frustado e timido para a vida em comunidade.
Citar
0 #10 curso médioAlexsandro dos Santos da Rocha 18-07-2009 08:54
A participação da família é importante para o crescimento do próprio aluno na escola
Citar
0 #9 ESTUDANTE DE MAGISTÉRIOTIAGO MORAIS BEZERRA 20-03-2009 12:55
COMO OBSERVADOR DA QUALIDADE DE ENSINO VEJO GRANDES DIFICULDADES EM TRAZER A FAMÍLIA PARA ESCOLA,E SINCERAMENTE NÃO SEI O QUE FAZER ,POIS INTERPRETO A PARTICIPAÇÃO DA FAMÍLIA COMO MECANIZADA.ENQUANTO FUTURO EDUCADOR VEJO A EDUCAÇÃO COMO MEIO DE TANSFORMAÇÃO SOCIAL MAS OPROBLEMA É QUE A SOCIEDADE AINDA NÃO PERCEBEU ISSO,DESDE DE JÁ TENHO PROJETOS PARA O RESGATE DA FAMÍLIA NA ESCOLA E ACREDITO QUE O ÚNICO MEIO É FAZER COM QUE OS PAIS VEJAM SEUS FILHOS COMO TRANSFORMADORES DA TRISTE REALIDADE EXISTENTE.


OBRIGADO!
TIAGO MORAIS
Citar
0 #8 a participação da familia na escolacamylla matias 19-02-2009 15:16
A Familia vem se transformando com o tempo e deixando a responsabilidade de educar os filhos para a escola sem saber essa q sua participação na escola é de grande importancia pois torna tudo mais fácil para o educador como para o aluno/filho mas será q a escola está trabalhando em funçao de estimular a Familia a se interessar pela vida escolar de seus Filhos?
Citar
0 #7 Alerta aos professoresKarla Lopes 20-08-2008 12:13
Não acho correto julgar de quem é a culpa, é preciso nós como educadores nos conscientizar que as nossas crianças precisam de apoio e carinho e que na ausência de seus pais nós somos um pouco mais responsável por eles. O que fazer para mudar essa situação? Dedicarmos mas a esses alunos e resgatar para dentro da escola esses pais que "andam perdidos", mostrar o quanto eles são fundamentais na vida dos seus filhos e que nós como educadores sozinhos não podemos fazer tudo,até tentamos mais se torna quase que impossível.
Citar
0 #6 família e suas novas facetasMÁRCIA COELHO 06-08-2008 15:25
A FAMÍLIA ASSUME A CADA DIA NOVAS CONSTITUIÇÕES E PENSAR EM FAMÍLIA, COMPORTAMENTO,FICOU COMPLEXO. DIANTE DE TANTOS MODELOS, QUAIS OS PAPÉIS A SEREM DESIGNADOS A CADA MEMBRO. E AS IM´POSIÇÕES SOCIAIS, DE QUE TODOS DEVEM TRABALHAR PARA CONSEGUIR SEMPRE MAIS. O QUE SE NOTA DIANTE DESSE MODELO CONTEMPORÂNEO É QUE, QUEM SEMPRE PERDE SÃO AS INDEFESAS CRIANÇAS.
MAS DEVE SER LEMBRADO QUE SEUS TUTORES, RESPONSÁVEIS ,PAIS TEM UMA OBRIGAÇÃO PARA COM ESTA CRIANÇA, É O QUE SE CONFERE NO ECA,NA CONSTITUIÇÃO, NA LDB.FIQUEM ATENTOS!
Citar
0 #5 Amanda Soares 14-02-2008 17:41
Culpar os pais (principalmente a mulher) parece sempre ser a situação mais cômoda, os homens dever perceber que se assumissem a sua responsabilidade no zelo dos filhos, talvez as crianças não estariam tão largadas.
Citar
0 #4 O de casa vai á praça!Rogerio de oliveira 11-02-2008 10:25
A família assim como qualquer grupo social somente existe se houver cumplicidade de todos os membros que nele interagem.Para tanto fáz-se necessário o conhecimento de cada um dos individúos comprometidos nesta união,das vitudes e das fragilidades de cada um.Uma criança que cresça nesta atmosféra de dialogo,ainda que naõ tenha a presença integral dos pais,certamente será um cidadão construtivo!
Citar
0 #3 Trabalho femininoGeraldo Teixeira 06-02-2008 06:13
A coisa mudou. A relação familiar mudou. A escola mudou. O mercado de trabalho mudou. E o pior de tudo, a educação mudou. Tudo isto por que a mulher resolveu sair de casa, foi a luta atrás do trabalho. Deixou em casa toda esta mudança. Coisa que é natural dela ficou para outras pessoas fazerem...cuidar dos filhos, educa-los, prepara-los para a vida. Com isto...invadiu tambem o espaço do homens pais de familias no mercado de trabalho. Não sou contra....mas esta é explicação para tanta mudança...a mulher resolveu mudar o seu comportamento e mudou a vida de todo mundo.
Citar
0 #2 ¿culpar los padres?María da Gloria Marroni 04-02-2008 14:23
Me parece que culpabilizar los padres ( y lógico a la madre que es la que no debía trabajar) lo único que hace es reforzar posiciones conservadoras. Existen padres y madres que están el día entero com sus hijos y la familia es un infierno. Por otro lado, padres y madres realizados profisionalmente, aún que no pueden estar mucho tiempo com sus hijos garantizan mejor ingresos y futuro para los hijos, y son um aliento para ellos.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados